quarta-feira, 18 de julho de 2018

Carteiras para identificar autistas começam a ser expedidas; 28 mil têm o transtorno no AP

Carteiras para identificar autistas começam a ser expedidas; 28 mil têm o transtorno no AP

Por Carlos Alberto Jr, G1 AP, Macapá

Irmãos Carlos Henrique (à esquerda), Carlos Éder (à direita) e a avó Carmem Silvia Oliveira são beneficiados com a carteira (Foto: Carlos Alberto Jr/G1)
Irmãos Carlos Henrique (à esquerda), Carlos Éder (à direita) e a avó Carmem Silvia Oliveira são beneficiados com a carteira (Foto: Carlos Alberto Jr/G1)

Há pouco mais de um mês, a central de atendimentos SuperFácil da Zona Oeste de Macapá iniciou o serviço de emissão de carteiras de identificação do autista. Além de registrar, o documento, no âmbito estadual, oferece um pacote de benefícios às pessoas com o transtorno e seus representantes legais.

O benefício, que faz parte do pacote de ações de inclusão e proteção às Pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), busca facilitar a comprovação e identificação da pessoa com autismo no Amapá. Segundo o governo, 28 mil pessoas no estado têm o transtorno.

Entre os benefícios estão: a isenção no pagamento do IPVA; prioridade na fila de bancos, supermercados e lojas; redução de 50% na duração da carga horária de servidor público estadual e meia-entrada às sessões de cinema, teatro, competições esportivas, shows e outros eventos culturais exibidos nas salas e casas de espetáculos instaladas no estado.

Funcionários públicos e beneficiários, os irmãos gêmeos Carlos Henrique e Carlos Éder, de 20 anos, relatam que, sem a carteira, era muito difícil comprovar a condição e receber o atendimento adequado.

"Assim fica mais fácil, é só uma carteira que cabe no bolso. Isso facilita a minha vida, assim como a do meu irmão e da minha avó", contou Éder.

Responsáveis legais pela pessoa com TEA também são beneficiados pela carteira (Foto: Carlos Alberto Jr/G1)
Responsáveis legais pela pessoa com TEA também são beneficiados pela carteira (Foto: Carlos Alberto Jr/G1)

A avó dos irmãos, Carmem Silvia Oliveira, conta que esse benefício serve, além de identificar os netos, também para garantir algo que é fundamental no desenvolvimento deles: o entretenimento.

"Ir para o cinema, ver uma peça, um show. Essas coisas, que podem parecer tão simples, são muito importantes para o desenvolvimento de jovens com autismo, porque mostra que eles podem sim estar no mesmo espaço que qualquer outra pessoa", disse Carmem, que também é beneficiária da carteira por ser representante legal dos irmãos.

Para solicitar o documento, o responsável ou representante legal deve se dirigir à unidade SuperFácil da Zona Oeste portando seus documentos pessoais e da pessoa com TEA, sendo cópias e originais do RG; CPF; comprovante de residência; laudo médico emitido pelo SUS ou por instituição conveniada; e duas fotos 3x4 atuais e com fundo branco. Os atendimentos acontecem de segunda a sexta, das 8h às 18h.

Atualmente, a unidade da Zona Oeste é a única que o serviço pode ser solicitado. Mas, de acordo com Luzia Grunho, diretora geral do SuperFácil, em cerca de dois meses, todas as unidades do estado passarão a ofertar.

"São cerca de 60 mil famílias que vivem aqui na Zona Oeste e 27 carteiras já foram expedidas em pouco tempo. Percebemos que é um serviço que muitas pessoas procuram, por isso estamos nos planejando para que todas as unidades do estado passem a oferecer o serviço", ressaltou.

Nova unidade do SuperFácil fica no bairro Cabralzinho (Foto: Dyepeson Martins/Rede Amazônica)
Nova unidade do SuperFácil fica no bairro Cabralzinho (Foto: Dyepeson Martins/Rede Amazônica)

Fonte: g1.globo.com

Lei obriga bancos a oferecer intérpretes a pessoas com deficiência auditiva na PB

Lei foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (17).

Por G1 PB

Lei foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (17) (Foto: Reprodução/Diário Oficial do Estado da Paraíba)
Lei foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (17) (Foto: Reprodução/Diário Oficial do Estado da Paraíba)

Foi sancionada pelo governador do estado uma lei que obriga os estabelecimentos bancários da Paraíba a oferecer atendimento diferenciado para pessoas com deficiências auditiva. A lei foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (17).

De acordo com a lei, os bancos precisam prestar um serviço às pessoas com deficiência auditiva por intérpretes ou pessoas capacitadas em Língua Brasileira de Sinais (Libras). A lei diz que quando as pessoas com deficiências não se comunicarem por meio de Libras, o serviço deve ser prestado por guias-intérpretes ou pessoas capacitadas neste tipo de atendimento.

Além disso, o estabelecimento que não cumprir a lei poderá ser advertido, na primeira infração, ou pagar uma multa entre 30 e 200 UFR-PB, considerando o porte do estabelecimento e as circunstâncias da infração. Em caso de reincidência, o valor pode ser dobrado.

A fiscalização da lei será realizada por órgãos públicos que ficarão responsáveis pela aplicação das sanções decorrentes das infrações. Os estabelecimentos têm até dois anos para se adequar à lei.

Fonte: g1.globo.com

É a mulher quem carrega a água do mundo na cabeça

Prestes a representar o Brasil na ONU, Mara Gabrilli explica como o acesso à água e a condição da mulher estão ligados


por Mara Gabrilli

Ter disputado um cargo em um comitê da ONU deu um trabalho danado nos últimos tempos. A agenda, que já era atribulada, ficou frenética. E meus esforços para entender as problemáticas da inclusão passaram de uma escala nacional para a global.

Todo esse empenho, no entanto, valeu muito a pena. A partir do ano que vem, o Brasil terá um representante no Comitê da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, o CDPD. É a primeira vez que o nosso país tem um representante ali, pensando na galera com deficiência no mundo. É uma responsabilidade muito grande. Tão grande quanto minha felicidade. Sinto que meu olhar de tetra para o planeta até ganhou um upgrade.

Hoje, questões que antes não tinham tanta correlação para mim agora fazem todo o sentido. O acesso à água e a condição da mulher no mundo são algumas delas.

Para vocês terem ideia, mais de 2 bilhões de pessoas no planeta não têm acesso à água potável e mais de 4,5 bilhões não têm serviços de saneamento adequados. A precariedade dessa política pública é inclusive um dos maiores causadores de deficiência em alguns países.


Atualmente, estima-se que 90% dos casos de deficiência visual estejam concentrados em nações em desenvolvimento. A maior parte poderia ser evitada com políticas de saúde.

Você deve estar se perguntando o que a causa da mulher tem a ver com tudo isso. Bom, é a mulher quem busca e carrega essa água que ainda não consegue chegar a todos que precisam.

É a mulher, sobretudo a pobre, quem carrega a água do mundo na cabeça. E não por acaso, é o contingente feminino quem mais é cometido por deficiências. E a violência doméstica perpetrada contra a mulher é um dos motivos para tal dado existir.

A cada dez pessoas no mundo, uma tem deficiência. A cada cinco pessoas com deficiência, três são mulheres. O mundo conta com 1 bilhão de pessoas com deficiência, das quais 600 milhões são mulheres.

Ou seja, não estamos falando de um microcosmo, mas de um planeta de mulheres e meninas esquecidas. Muitas buscando água potável para a subsistência de sua família e comunidade.


A falta de gestão para a água perpetua não só a desigualdade entre nações pobres e ricas, gera disparidades dentro dos próprios países. Isso porque, antes da disputa pela água, há ainda a luta pela igualdade de gêneros. Juntas, mulheres e meninas em países de baixa renda gastam cerca de 40 bilhões de horas por ano coletando água — uma soma feita pela Unicef.

Estar na ONU, como a personificação de uma somatória de exclusões (mulher plus tetraplégica), me faz perceber a cada missão o quanto os direitos humanos são desrespeitados no mundo. E o acesso à água é um direito humano.

Não é de agora que escuto falar da sub-representação da mulher na política, mas confesso que nunca havia refletido tão profundamente sobre essa questão quanto agora. A sensação de fazer parte de um contingente gigantesco, mas ainda tão sub-representado — para não dizer esquecido — nunca foi tão forte e, ao mesmo tempo, incômodo para mim.

Percebo mais que nunca o quanto perdemos quando não temos mais mulheres no poder para balancear e democratizar acessos a politicas públicas tão básicas quanto fundamentais.

A mulher é também minoria na política, onde ocorrem as maiores relações de poder no mundo. Eu sou um exemplo disso. Faço parte dos tímidos 10% de parlamentares no Congresso.


Para chegar à água, ao saneamento básico, ao combate à violência, temos mais essa barreira a vencer: acabar com a desigualdade de gêneros nas relações de poder.

Toda essa reflexão me fez lembrar das eleições presidências de 2016, em São Tomé e Príncipe, país no continente africano. A candidata Maria das Neves se tornou a primeira cidadã são-tomense a candidatar-se às eleições presidenciais. Ela ficou em terceiro lugar na disputa com uma diferença de menos de 1% para o segundo lugar. Após a contagem final dos votos, que foi fraudada, diga-se de passagem, ouviu de seu adversário que ela "já poderia retornar ao seu marido para lavar e cozinhar".

Mulher e pobre, Maria das Neves pregava em seu discurso a esperança e o fim da exclusão. Em sua bandeira, estava o acesso à água potável a toda a população de seu país.





Passageiros com deficiência visual terão RioCard em braile

Novo cartão visa facilitar embarque de quatro mil usuários na cidade do Rio

leitura-braile-359917787-1531503136960

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

A RioCard acaba de lançar uma novidade para melhorar a experiência de usuários com deficiência visual no sistema de transporte público por ônibus da cidade do Rio de Janeiro: o cartão em braile.

São cerca de quatro mil passageiros com deficiência visual com direito à gratuidade no sistema de ônibus municipal do Rio de Janeiro. A partir de agora eles já podem receber o novo cartão em braile desenvolvido pela RioCard, o que lhes permitirá mais comodidade e segurança no momento do embarque nos ônibus da capital fluminense.

O novo cartão traz a sigla “RC” de RioCard impressa em braile, e já está disponível aos usuários com deficiência visual.

Para aquisição do novo cartão, o titular do benefício precisa comparecer no Centro Integrado de Atenção à Pessoa com Deficiência (CIAD) e apresentar o cartão antigo sem avarias, um documento de identificação com foto e um comprovante de residência.

A impressão em braile foi feita segundo recomendações do Instituto Benjamin Constant. Para a gerente de Marketing e Relacionamento da RioCard, Melissa Sartori, as orientações do Instituto para a impressão dos novos cartões em braile foram fundamentais.

“O renomado instituto, conhecido por oferecer ensino em braile para alunos com deficiência visual, nos auxiliou na decisão sobre que tipo de informação nós teríamos que colocar nos cartões. Fizemos também simulações com um modelo do cartão para ver se a leitura em braile estava correta”, afirmou.

Fontes: Diário do Transporte - ernandazago.com.br

Atenção para a vacinação contra sarampo em pacientes reumáticos

Vacina contra sarampo, requer avaliação do médico reumatologista sobre o padrão de imunossupressão


por Priscila Torres

O Ministério da Saúde alertou a população sobre a necessidade de fortalecer a vacinação contra o sarampo, uma doença viral, infecciosa e grave que é transmitida pela fala, tosse e espirro. Situação endêmica em que a única forma de proteção é por meio da vacina tríplice viral que protege contra sarampo, caxumba e rubéola (SCR).

A vacina tríplice viral, disponível nos postos de saúde é composta por vírus atenuados (enfraquecidos), por isso sua aplicação em pessoas que utilizam medicamentos imunossupressores requer orientação médica individualizada.

Sociedade Brasileira de Reumatologia, publicou nessa segunda-feira, 16 de julho o Alerta epidemiológico do sarampo, com orientações destinadas aos médicos reumatologistas.
Segundo o Programa Nacional de Imunização (PNI), a vacina tríplice viral (SCR) é aplicada em duas doses entre os 12 meses de idade e 29 anos e uma dose única para adultos entre 30 a 49 anos.
A vacina contra sarampo, aplicada no Sistema Único de Saúde é contraindicada para pessoas alérgicas à proteína do ovo, existindo nas clínicas particulares a versão da vacina para essa população.
Colaboração: Dra. Gecilmara Salviato Pileggi, reumatologista pediátrica, assistente técnico-cientifica da Unidade de Pesquisa Clinica do UPC HCFMRP-USP. Integrante da Comissão de Doenças endêmicas e infecciosas da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) e coordenadora do consenso de Vacina da SBR.

Fechou! Confirmadas as 34 equipes para a disputa da Copa Brasil de goalball

Foto: Tadeu Casqueira/CBDV
Fechou! Confirmadas as 34 equipes para a disputa da Copa Brasil de goalball
Legenda: Cláudia Oliveira foi a goleadora do último regional do ano

O Regional Centro-Norte de goalball terminou no último domingo, 15, em Cuiabá/MT, e com isso veio a definição das equipes classificadas paras os campeonatos nacionais, que serão realizados em novembro, no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo.

Foram realizadas cinco etapas classificatórias para os brasileiros entre os meses de março e julho. O Regional Sudeste 2 abriu a temporada em São Paulo, depois chegou à Foz do Iguaçu para etapa Sul, seguiu para o Nordeste na cidade de São Luís/MA, retornou para São Paulo para a realização do Sudeste 1, e fechou em Cuiabá/MT com o Centro-Norte.

Ao todo, 451 atletas estiveram em quadra representando 85 equipes de 16 estados mais o Distrito Federal. Em 180 partidas realizadas nas cinco competições foram marcados 2836 gols, com maior média no Regional Sudeste 1 que teve 17,34 gols por jogo.

Elite do goalball brasileiro

Além do troféu de campeão regional, as equipes tinham como objetivo a conquista da vaga para a Copa Brasil – Série A 2018. Foram 12 vagas na categoria masculina e oito na feminina, distribuídas de acordo com a classificação do Brasileiro do ano passado.

O principal evento de goalball do país será realizado de 13 a 18 de novembro, em São Paulo. E após o fim última etapa regional, o campeonato terá as seguintes participantes:

Masculino: SANTOS-SP, SESI-SP, APADV-SP, LMC-SP, IRM-PR, AMACAP-PR, APACE-PB, IERC-RN, CEIBC-RJ, URECE-RJ, UNIACE-DF e RDM-DF.

Feminino: SANTOS-SP, SESI-SP, APADV-SP, AEDV-PR, IERC-RN, IBC-RJ, AMC-MT e UNIACE-DF.

Retorno da Segundona

Uma das novidades do ano é o retorno da Copa Brasil – Série B de goalball. A competição entrou no calendário deste ano e será realizada no mesmo período que a 1ª divisão, começando dois dias depois, de 15 a 18 de novembro, também no Centro de Treinamento Paralímpico de São Paulo.

No primeiro ano pós-volta, o campeonato será disputado com a participação de oito equipes masculinas e seis femininas. Confira as classificadas:

Masculino: AJEP-PEAMA-SP, ATHLON-SP, CESEC-SP, ACESA-SC, AWA-PE, ADEVIBEL-MG, AADV-PC-MG e ICEMAT-MT.

Feminino: LMC-SP, CESEC-SP, ACERGS-RS, ADEVIRN-RN, ADEVIBEL-MG e RDM-DF.

Veja mais números dos regionais:

Regional Centro-Norte
Data: 12 a 15 de julho
Cidade: Cuiabá/MT
Campeão: UNIACE-DF (mascuino) e AMC-MT (feminino)
Artilharia: Elielson Santos (RDM-DF) 29 gols, e Cláudia Oliveira (AMC-MT) 35 gols
Equipes: 17
Atletas: 91
Jogos: 33
Gols: 520
Média: 15,75
Estados: Amapá, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, mais Distrito Federal

Regional Nordeste
Data: 02 a 06 de maio
Cidade: São Luís/MA
Campeão: APACE-PB (masculino) e IERC-RN (feminino)
Artilharia: Kim Silva (AWA-PE) - 36 gols, e Moniza Lima (ICB-BA) - 24 gols
Equipes: 16
Atletas: 86
Jogos: 36
Gols: 519
Média: 14,41
Estados: Bahia, Maranhão, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte

Regional Sudeste 1
Data: 14 a 17 de junho
Cidade: São Paulo/SP
Campeão: CEIBC-RJ (masculino) e IBC-RJ (feminino)
Artilharia: Alysson Silva (ADEVIBEL-MG) - 37 gols, e Hozeanne Pereira (ILBES-ES) - 44 gols
Equipes: 20
Atletas: 97
Jogos: 49
Gols: 850
Média: 17,34
Estados: Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro

Regional Sudeste 2
Data: 08 a 11 de março
Cidade: São Paulo/SP
Campeão: Santos-SP (masculino) e Santos-SP (feminino)
Artilharia: Leomon Moreno (Santos) - 34 gols, e Gleyse Henrique (SESI-SP) - 15 gols
Equipes: 19
Atletas: 107
Jogos: 35
Gols: 514
Média: 14,68
Estados: São Paulo

Regional Sul
Data: 20 a 22 de abril
Cidade: Foz do Iguaçu/PR
Campeão: IRM-PR (masculino) e AEDV-PR (feminino)
Artilharia: Paulo Homem (ACESA-SC) - 33 gols, e Pollyana Silva (AEDV-PR) - 25 gols
Equipes: 13
Atletas: 70
Jogos: 27
Gols: 433
Média: 16,03
Estados: Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina

Fonte: cbdv.org.br

Seleção feminina de vôlei sentado se classifica para quartas no Mundial

World ParaVolley
Imagem

Por CPB

Após vencer a Finlândia, nesta terça-feira, 17, a Seleção Brasileira feminina de vôlei sentado garantiu vaga nas quartas de finais do Campeonato Mundial da modalidade, que acontece em Arnhem, na Holanda, até o dia 22 deste mês.

O placar de 3x0 (25x7, 25x11 e 25x17), manteve a equipe feminina com 100% de aproveitamento na fase de grupos da competição. No domingo, 15, elas venceram o Egito por 3x0 (25X08, 25x14 e 25x07) e, na segunda, 16, a Ucrânia por 3x1 (24x26, 25x23, 25x18 e 25x20).

As vitórias garantiram o Brasil na primeira colocação do grupo D. Elas voltam às quadras nas quartas de final, na quinta-feira, 18, às 13h (horário de Brasília), contra o segundo colocado do grupo B (Estados Unidos, Rússia, Japão e Hungria).

A equipe masculina disputa a terceira partida da fase de grupos nesta quarta-feira, 18, contra o Cazaquistão, às 9h.

Ao todo, 21 países participam do Mundial de vôlei, sendo que 11 deles possuem seleções competindo nos dois gêneros. Os finalistas da competição garantem vaga nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020. No ano que vem, nos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019, no Peru, as equipes terão outra oportunidade de conquistar um lugar no Japão.

Fonte: cpb.org.br