quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Conheça a história do casal que ‘saltou’ na fila de adoção ao escolher criança com Síndrome de Down

Em 12 de janeiro de 2015, a enfermeira Cíntia Fleck voltou de férias pela manhã pronta para reassumir seu trabalho na UTI neonatal do Hospital Conceição. Ali, encontrou um menino nascido 15 dias antes, no final de dezembro, que recebia tratamento na instituição, mas deveria receber alta no mesmo dia. Colocado para a adoção pela mãe, moradora de Taquari que não tinha condições de criá-lo, estava prestes a ser levado por assistentes sociais da comarca da cidade.

“Eu não deixei. Comecei a chorar e disse que não”, conta Cíntia. Naquele momento, tendo visto o menino apenas por alguns momentos, ela já sabia que queria adotá-lo. “Quando eu cheguei na sala para trabalhar, me envolvi com ele. Foi estranho. Trabalho há muito tempo no hospital, mas aquele dia foi diferente. Antes de iniciar o plantão, eu me sentei ao lado dele e conversei com ele. Era bem magrinho”.

Inicialmente, Cíntia nem tinha percebido que o menino tinha Síndrome de Down. Foi informada pelas assistentes sociais, mas diz que isso não mudou nada. Ainda não eram nem 10h daquela manhã quando ela ligou para Luciano. “Ó amor, estou com nosso filho nos braços”, disse. “Como assim?”, questionou ele. “Só que ele tem um probleminha. Tem Síndrome de Down”, alertou ela. “Não dá nada”, retrucou o marido. Na sequência, a enfermeira já estava encaminhando a Luciano as fotos do futuro filho deles.

No mesmo dia, deram início ao trâmite. No dia seguinte, conseguiram uma audiência na Comarca de Taquari, cidade de origem da mãe biológica de Théo. Como mais ninguém que estava na frente do casal na lista do Cadastro Nacional de Adoção (CNA) tinha manifestado em seu perfil interesse em adotar uma criança com Down, saíram de lá com a guarda do menino.

Eram 15h30 quando Cíntia ligou para o marido dizendo: “Amor, a guarda é nossa”. “Dizem que ele sapateava no escritório”, relembra. “Foi ali que a ficha caiu”, conta Luciano. Ele já era pai.

O processo só teve essa velocidade porque Cíntia e Luciano pularam na frente de muita gente. O motivo para isso é justamente terem escolhido adotar uma criança com Síndrome de Down.


Existe uma série de passos que os pretendentes devem cumprir para se habilitar à adoção. O primeiro deles é procurar o Juizado da Infância e Juventude da comarca onde moram e preencher um formulário manifestando a intenção e com informações pessoais. Em seguida, devem juntar documentos exigidos pelo ECA, participar de avaliação psicossocial, etapa na qual assistentes sociais e psicólogos determinarão se estão prontos para a adoção e quando poderão definir o perfil desejado, e acompanhar cursos de preparação com informações jurídicas, emocionais, etc. Ao fim desse processo, que pode levar até oito meses em Porto Alegre, o juiz decide se os pretendentes estão habilitados ou não para adoção.

“Tem que ser feita essa avaliação, tem que ter esse curso de preparação, porque é uma decisão muito importante e de muita responsabilidade. o Ministério Público tem que ter seu tempo para analisar e o magistrado o seu [tempo] para decidir. E, habilitada a pessoa, ela vai para o Cadastro Nacional de Adoção. Ou seja, entra na fila”, afirma Andréa Rezende Russo, juíza da Coordenadoria Estadual da Infância e Juventude do Estado.

Uma vez inscritos no CNA, os pretendentes devem aguardar por uma ligação dos responsáveis pelo cadastro. Eles são chamados, por ordem de inscrição, de acordo com o perfil escolhido. Quem definiu o interesse por adotar crianças saudáveis, sem irmãos, de 0 a 3 anos, o perfil mais desejado, poderá esperar anos até chegar a sua vez na fila. “É o perfil desejado. Se não é um filho biológico, que o adotivo chegue nas mesmas condições, que ele possa criar, passar os valores. Se compreende a intenção de adotar uma criança pequena. Porém, quando se faz a avaliação, o curso de preparação, se trabalha a possibilidade de ampliar esse perfil”, afirma Russo.

De acordo com o juiz Marcelo Mairon, 2ª Vara da Infância e da Juventude de Porto Alegre, no 1º semestre deste ano, 1 mil crianças e adolescentes estavam aptas para serem adotadas. Entre elas, 350 já tinham iniciado o processo de vinculação com pretendentes ou a Justiça já tinha encontrado no Cadastro Único um casal ou uma pessoa com o perfil aprovado. “Desses, a grande maioria são crianças de até 3 anos. Dos outros 650 que não estavam vinculados, mais de 90% tinham 10 anos de idade ou mais”, afirma o juiz, acrescentando ainda que menos de 2% dos habilitados no cadastro colocam no perfil desejado crianças e adolescentes de 10 anos ou mais. “A gente tem um descompasso entre o perfil da criança e adolescente existente e aquele desejado”, complementa.

Quem olha de fora, pode até achar desumano os pretendentes poderem escolher um perfil exato para seus futuros filhos, que, além da idade, inclua cor de pele, cabelo, se tem alguma doença crônica ou não, entre outras características. “Por que se pergunta o perfil? Porque nem todas as pessoas estão em condições e preparadas para receber um adolescente, por exemplo”, explica Andréa Russo.

Há ainda os casos que se configuram o pior dos mundos para a adoção: quando não há adaptação entre pais adotivos e seus novos filhos. “Nós temos casos de devolução, o que é algo muito triste, porque causa problemas psicológicos na criança e no adolescente devolvido. Por isso, é grande a responsabilidade que se tem no sentido de primeiro se verificar se a pessoa realmente tem condições de adotar uma criança ou adolescente e também do próprio acompanhamento desse estágio de convivência. Essas situações infelizmente acontecem e temos que evitar ao máximo com uma boa preparação destas pessoas”, pondera a juíza.

Para Angelita Rebelo de Camargo, assistente social da Corregedoria Geral de Justiça do RS, os casos de “devolução” decorrem justamente de uma falta de preparação adequada. “Na maioria dos casos, há uma falta de preparação dos adultos para aquela relação, por isso temos trabalhado na melhoria da capacitação”, afirma. “Nem sempre o desejo de ajudar vai ser suficiente para enfrentar as questões que vão aparecer no dia a dia”, afirma.

Mas o que leva os postulantes à adoção a desejarem a suspensão do processo? “São questões emocionais. É, daqui a pouco, tu idealizar demais uma relação que acaba não sendo exatamente como tu imaginou. Dependendo da capacidade emocional do sujeito, ele não suporta isso. Ele começa a criar uma barreira com aquela criança e adolescente, que nunca satisfaz as expectativas desse adulto”, explica.

Ela salienta que pessoas que desejam adotar precisam ter uma elevada tolerância a frustração, não apenas terem se sensibilizado com “alguma história triste”. “Às vezes se sensibilizou com aquela história, achou a história do adolescente muito triste e resolveu ajudar”.


Ansiedade e mudanças de planos

Apesar da velocidade na qual o processo deles andou, Luciano e Cíntia passaram por todas as etapas preparatórias. Ela já tinha dois filhos biológicos de um casamento anterior, Matheus, 22, e Luíza, 16. Ele, ainda não, mas desejava ser pai. Como Cíntia tinha passado por uma cirurgia de ligadura de trompas, o casal primeiro tentou reverter o processo e realizar fertilização in vitro. Mas, não obtiveram sucesso. Resolveram então adotar.

Era julho de 2014 quando procuram a Justiça para iniciar no processo de habilitação. Passaram por seis encontros com psicólogos e assistentes sociais e, posteriormente, por mais três encontros em que receberam videoaulas para preparação emocional e também sobre as exigência jurídicas. “Eu, na verdade, estava achando meio chato. Seis consultas com psicólogos? Quando a gente quer ter um filho engravida e deu”, diz Cíntia.

Concluído o processo, receberam a habilitação em outubro do mesmo ano. O perfil desejado inicialmente era bem diferente do que viriam a encontrar em Théo. “A gente gente optou por uma menina de até três anos, indiferente da cor”, conta Luciano. “Mas a gente não queria doenças crônicas, isso foi bem esclarecido”, complementa Cíntia. “Aí eu dei de cara com o nosso Théozinho”.

O que leva alguém a adotar uma criança com Síndrome de Down? A pergunta pode parecer cruel, mas é necessária diante do fato de que a maioria esmagadora dos pretendentes inscritos no Cadastro Nacional fazem questão de pontuar que procuram uma criança ou adolescente saudável. Esse era o caso, inclusive, de Cíntia e Luciano.

Sem hipocrisia, Cíntia diz que talvez nunca tivessem mudado o perfil desejado caso não tivesse tido contato com Théo no hospital. “Se alguém ligasse e dissesse: ‘ó, chegou o teu bebê, ele tem Síndrome de Down. Quer adotar?’ Talvez eu dissesse que não”, afirma.

Para ela, porém, o preconceito começa na família. “Ainda tem pais que se sentem tristes. A gente fez a escolha de ter um filho assim. Na verdade escolhi, entre aspas, porque eu me apaixonei por ele”, afirma.

O único medo que Cíntia ainda tem é que o menino possa sofrer bullying. Do contrário, diz tratá-lo da mesma forma que seus filhos anteriores. “A gente oferece tudo para o Théo. Todas as oportunidades que a gente pode, a gente oferece, porque daí o aprender é dele, não porque ele não teve contato”.

O amor à primeira vista levou Cíntia a superar os temores que poderia ter e também os “alertas” que recebeu de colegas do hospital. “No momento em que eu conheci o Théo, o médico de plantão me puxou e me alertou: ‘Tu sabe o que é uma Síndrome de Down? Eu não recomendaria ninguém a adotar’. Ele disse. Muito sério, olhando no meu olho. Aquilo me irritou muito”.

Também foi chamada de “louca” e questionada sobre o que o menino poderia lhe dar em troca: “Eu disse que o que eu espero ele vai poder me dar: muito amor e carinho”, afirma.

E assim foi. Com uma alegria que contagia a todos que o conhecem, Théo virou o xodó da família, se dando muito bem com os irmãos. “Ele é muito carinhoso, sempre quer abraçar e beijar”, diz Cíntia. “A minha filha de 16 anos uma vez disse para mim: ‘eu queria ter um filho com Síndrome de Down, mãe’. Aquilo me assustou no início, mas ao mesmo tempo eu pensei que tenho um filho assim e é tão bom”.

O único medo que Cíntia ainda tem é que o menino possa sofrer bullying. Do contrário, diz tratá-lo da mesma forma que seus filhos anteriores. “A gente oferece tudo para o Théo. Todas as oportunidades que a gente pode, a gente oferece, porque daí o aprender é dele, não porque ele não teve contato”.

O amor à primeira vista levou Cíntia a superar os temores que poderia ter e também os “alertas” que recebeu de colegas do hospital. “No momento em que eu conheci o Théo, o médico de plantão me puxou e me alertou: ‘Tu sabe o que é uma Síndrome de Down? Eu não recomendaria ninguém a adotar’. Ele disse. Muito sério, olhando no meu olho. Aquilo me irritou muito”.

Também foi chamada de “louca” e questionada sobre o que o menino poderia lhe dar em troca: “Eu disse que o que eu espero ele vai poder me dar: muito amor e carinho”, afirma.

E assim foi. Com uma alegria que contagia a todos que o conhecem, Théo virou o xodó da família, se dando muito bem com os irmãos. “Ele é muito carinhoso, sempre quer abraçar e beijar”, diz Cíntia. “A minha filha de 16 anos uma vez disse para mim: ‘eu queria ter um filho com Síndrome de Down, mãe’. Aquilo me assustou no início, mas ao mesmo tempo eu pensei que tenho um filho assim e é tão bom”.


Fontes: Sul 21  - cantinhodoscadeirantes.com.br - Fotos: Maia Rubim/Sul21

Nenhum comentário: