quinta-feira, 10 de novembro de 2016

São Paulo ganha campanha para alertar sobre riscos da Síndrome Alcoólica Fetal

O prefeito Fernando Haddad sancionou nesta segunda-feira (7) uma lei para incentivar a conscientização em relação aos perigos do consumo de álcool na gravidez

Por Crescer

Siglas: uma dos muitos aprendizados que a gravidez proporciona (Foto: Thinkstock)
Qualquer quantidade de álcool, mesmo que seja "só uma taça ou copo", é considerada um risco para o feto (Foto: Thinkstock)

A cidade de São Paulo terá parte de sua verba destinada à conscientização da população em relação aos riscos da Síndrome Alcoólica Fetal (SAF). A decisão entrou em vigor nesta segunda-feira (7), depois que o prefeito Fernando Haddad sancionou a lei que cria a campanha permanente de esclarecimento sobre os perigos do consumo de álcool durante a gestação.

A campanha prevê cartazes e divulgação em meios de comunicação como emissoras de rádio e televisão, jornais e revistas. A lei foi proposta pelo vereador Gilberto Natalini (PV), que se inspirou  na ação da Sociedade de Pediatria de São Paulo, chamada de #gravidezsemalcool.

Não existe uma quantidade segura de ingestão de álcool para mulheres durante a gestação, qualquer dose pode causar danos graves ao bebê. De acordo com a instituição, a exposição pré-natal ao álcool pode afetar o desenvolvimento do feto e é a principal causa evitável de defeitos de nascimento.

A SAF pode ter como consequências malformações congênitas faciais, neurológicas, cardíacas e renais, baixo peso no nascimento e alterações comportamentais.

Nenhum comentário: