quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Todas as Crianças Contam – Mas nem Todas as Crianças são Contadas

Ninguém sabe ao certo quantas crianças vivem em instituições, nas ruas, sem os pais ou responsáveis. - É hora de contar todas as crianças.

menino negro, com mochila nas costas, de costas para a camera, andando em um campo.
#CountAllChildren
A quarta reunião do Grupo de Peritos Interinstitucional sobre Indicadores de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (IAEG-SDG) será realizada de 15 a 18 de Novembro de 2016 em Genebra, na Suíça. Os GAES-IAEG discutirão o quadro de indicadores e um plano de trabalho sobre a desagregação de dados para o acompanhamento dos objetivos e metas da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030 em nível global e para apoiar a sua implementação. A sociedade civil precisa do IAEG-SDGs para garantir que todas as crianças sejam contadas na implementação e monitoramento do progresso do SDG, incluindo crianças que vivem fora dos domicílios e / ou sem cuidados parentais.
A fim de espalhar a mensagem e chamar a ação dos tomadores de decisão neste momento crucial, nós reunimos um conjunto de ferramentas de mídia social. Sinta-se à vontade para usar e compartilhar as mensagens de mídia social que ele contém através de seus canais de mídia social entre 14-18 de novembro de 2016.
Carta aberta à Comissão Estatística das Nações Unidas e ao Grupo de Peritos Interinstitucional sobre Indicadores SDG – Objetivos Sustentáveis do Desenvolvimento
Os signatários deste documento celebram a agenda “Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para Ação Global, por incluir muitas das necessidades holísticas das crianças, inclusive cuidados de saúde, educação e proteção contra a violência, exploração e abuso. Apoiamos de todo o coração a intenção de “não deixar ninguém para trás” na agenda pós-2015 de desenvolvimento global. Para garantir que isso aconteça, é importante que o quadro de monitoramento global inclua mecanismos para avaliar as populações mais vulneráveis e de difícil acesso.
Na verdade, todas as crianças contam, mas nem todas as crianças são contadas. Como resultado, algumas das crianças mais vulneráveis do mundo – aquelas sem cuidados parentais ou em risco de o ser; Institucionalizada ou moradoras de rua; Traficadas; Separadas de suas famílias como resultado de conflitos, desastres ou deficiências; Ou recrutadas por grupos armados – praticamente não fazem parte do mapa estatístico da ONU. Existem apenas dados limitados sobre quantas crianças vivem em tais circunstâncias precárias, exceto por algumas frágeis estatísticas de alguns países específicos.
De acordo com o relatório da UNICEF sobre o Progresso das Crianças, de 2015:

“À medida que o mundo se prepara para uma nova agenda de desenvolvimento, dados e evidências só aumentarão em importância e os sistemas nacionais devem ser fortalecidos para atender a novas demandas. A nova agenda de estatísticas precisará aproveitar o potencial de novas tecnologias para coletar, sintetizar e acelerar o uso de dados, além de revigorar os sistemas para assegurar registros completos e funcionais nos sistemas. A nova agenda de dados precisará fornecer informações sobre as crianças mais vulneráveis, baseando-se em pesquisas domiciliares que fornecem dados independentemente de uma criança terminar ou de ser levada a uma instituição de saúde, bem como desenvolver novas abordagens para coletar informações Sobre as crianças sem abrigo, internas ou deslocadas internamente “.

Com isso em mente, nós, abaixo assinados, recomendamos o seguinte:


1. Assegurar que as crianças que vivem fora de casa e / ou sem cuidados parentais sejam representadas em dados desagregados.

Ao avaliar os progressos dos Estados na melhoria da vida das crianças, as condições de vida e os ambientes de prestação de cuidados são marcadores fundamentais para a vulnerabilidade, o risco e as desvantagens. Crianças sem cuidados parentais têm experiência de abuso, negligência, falta de estímulos e estresse extremo e tóxico, que têm um profundo efeito negativo sobre a saúde, a educação, o desenvolvimento e a proteção das crianças.
Para a agenda pós-2015 não deixar ninguém para trás, é essencial que o quadro de monitoramento global inclua metodologias para garantir que as crianças que vivem fora de casa e / ou sem cuidados parentais estejam representadas e que os dados sejam usados para informar e que intervenções acessíveis.

A desagregação dos dados por núcleo de cuidados/arranjo de vivência é essencial para acompanhar o progresso de todas as crianças, em especial no que diz respeito aos Objetivos 1, 3, 4, 8, 10 e 16. Isso é crítico para a) Crianças que vivem fora de casa e / ou sem cuidados parentais e a população infantil em geral; e b) assegurar que programas e políticas priorizem as crianças mais vulneráveis. A coleta de dados deve refletir os objetivos e as definições da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, as Diretrizes das Nações Unidas para o Cuidado Alternativo das Crianças e a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.
2. Melhorar e ampliar a coleta de dados sobre metodologias para assegurar que todas as crianças estejam representadas.


O Comitê sobre os Direitos da Criança pediu a todos os Estados que desenvolvam indicadores e dados coletados em sistemas compatíveis com a Convenção sobre os Direitos da Criança. No entanto, as crianças que vivem fora de casa e / ou sem o cuidado parental não são abrangidas pela atual corrente de coleta de dados nos processos que dependem de inquéritos baseados em casas, tais como os Inquéritos Demográficos e de Saúde (USAID) ). Devem ser desenvolvidas abordagens inovadoras para avaliar as condições das crianças mais vulneráveis do mundo. O quadro global de monitoramento deve incluir mecanismos para acompanhar o progresso de todas as crianças, inclusive aquelas que atualmente são invisíveis como resultado de indicadores inadequados e de coleta de dados em sistemas.

O quadro de monitoramento global pós-2015 deve estabelecer mecanismos para integrar os dados baseados nas casas com informações adicionais sobre as crianças que vivem temporariamente ou permanentemente fora de casa. Em alguns países, esses dados já existem, embora, até hoje, tais dados não tenham sido reunidos ou analisados. O quadro de monitoramento global pós-2015 oferece uma oportunidade para fazer mais em nome das crianças mais vulneráveis do mundo – assegurando, acima de tudo, que elas já não sejam invisíveis.
Participe da campanha:

Nenhum comentário: