quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Defensoria estuda pedir indenização a tenente que agrediu autista em show - Veja o vídeo.

Caso aconteceu na semana passada em Registro, SP. Confusão com tenente do Exército virou caso de polícia.

Do G1 Santos

Lenine fez show em comemoração ao aniversário de Registro (Foto: Divulgação)
Lenine fez show em comemoração ao aniversário de Registro (Foto: Divulgação)

A Defensoria Pública de Registro, na região do Vale do Ribeira, interior de São Paulo, estuda um possível pedido de indenização contra o tenente do Exército suspeito de agredir um jovem autista durante um show na cidade na semana passada. Após o ocorrido, a mãe do adolescente registrou um boletim de ocorrência contra o tenente e pediu orientação no órgão.

O delegado Marcelo Ferreira da Cruz, responsável pelo caso, já ouviu depoimento do tenente e espera concluir o caso o mais rápido possível. Segundo ele, o militar tratou a situação como um mal entendido. "Ele justificou que não sabia que se tratava de uma pessoa especial e viu o momento em que o rapaz se aproximou da esposa dele, por isso ele tentou se defender do gesto e acabou empurrando o rapaz", relevou o delegado.

Click AQUI para ver o vídeo.

O jovem Victor Hugo, de 18 anos, é autista e frequenta a Apae desde os três anos de idade. Segundo familiares que presenciaram a agressão, o garoto levou um soco no peito durante um show do cantor Lenine, realizado na última quarta-feira (30), em uma praça no Centro da cidade.

Na ocasião, o homem que se indispôs com o jovem se identificou como tenente Nascimento, do Exército, e justificou a atitude aos familiares porque Victor teria "olhado feio" e "mexido" com a mulher dele. Em seguida, a companheira do militar falou que o adolescente deveria usar uma camiseta identificando que ele era especial.

A situação revoltou os parentes do garoto. Na última segunda-feira (5), Viviane Teixeira Ribeiro, mãe de Victor, procurou a Defensoria Pública para pedir ajuda. Segundo o defensor, caso não haja um acordo, a família vai pedir indenização.

                     Tenente trabalha na Junta Militar de Registro (Foto: Reprodução / TV Tribuna)
               Tenente trabalha na Junta Militar de Registro (Foto: Reprodução / TV Tribuna)

"A gente tem uma via administrativa, que é a de apuração da conduta funcional, o caminho criminal, de um eventual crime que ele (militar) possa ter sido cometido e também cível de indenização por danos morais”, explicou o defensor público Andrew Toshio Hayama.

O tenente Carlos Eduardo Oliveira do Nascimento é delegado da 13ª Delegacia do Serviço Militar, na 4ª Circunstrição de Serviço Militar de Registro. Ele foi designado ao cargo de delegado regional no início do ano passado, conforme comunicado oficial do Exército, de número 27, datado de 25 de julho de 2014 e preferiu não comentar o caso. O Exército também não se pronunciou até a publicação desta reportagem, apesar do pedido de nota do G1.

Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: