domingo, 11 de dezembro de 2016

Suellen Gomes: Como vim parar numa cadeira de rodas (fim e um novo começo).

Pra começar minha História, tenho que contar um pouco de como vim parar numa cadeira de rodas.

Linhas que contam a história da vida de nossa amiga Suellen Gomes. Escrita (digitada) pela protagonista!

cadeirante-mulher-suellen-omesamigos-cadeirantes-ft2



No dia 09/09/2006 aconteceria uma tradicional festa a fantasia da cidade. Como a maioria dos meus amigos me preparei e fiquei ansiosa durante dias. Eu mesma fiz a maior parte da minha fantasia, que ficou linda. Era de abelhinha. Reunimos em um grupo e fizemos uma “prézinha” em um posto de gasolina que fica a alguns metros de onde acontece a tal festa. Quando deu o horário de irmos para a festa, decidiram pegar uma carona com um dos amigos na carroceria de sua “caminhonete”. Eu estava no banheiro e fui a ultima a subir no carro. Enquanto todos se divertiam dançando, inclusive eu, meu irmão, que estava comigo, pediu para q eu sentasse pra que eu não caísse. Escutei seu conselho por alguns segundos. Sentei. E assim que o carro parou no engarrafamento decidi levantar para dançar.

Foi quando o carro arrancou me desequilibrei e cai no asfalto. De imediato já não sentia minhas pernas, e uma dor muito forte. Todos que estavam comigo, sem ter noção da gravidade, me colocaram no carro, me deixaram no hospital e voltaram para festa. Ficando comigo apenas meu irmão, uma amiga, e um menino que eu namorava na época. No mesmo dia, os médicos já começaram a nos alertar da gravidade, aguardando apenas o resultado dos exames para a confirmação das suspeitas dos médicos, que meu quadro era de paraplegia. O choque foi geral. Fiquei 19 dias no hospital. Fiz uma cirurgia que durou 9 horas para que eu pudesse me sentar novamente, pois os ossos da minha coluna haviam quebrado, com isso afetando a medula, onde perdi os movimentos e a sensibilidade do umbigo para baixo. Mas ainda sai do hospital com esperança de voltar a Andar. Os médicos me deram de seis meses a dois anos para que os movimentos voltassem com a ajuda de fisioterapia. Mas o tempo passou, e nada aconteceu. A minha adaptação foi tranquila, tive muito apoio de amigos, da minha família, que não me deixavam desanimar. E após dois meses do acidente já estava curtindo minhas festinhas de novo, para o desespero da minha mãe (rsrs). Trabalhei, fiz faculdade, viajei, namorei bastante, enfim, continuei a minha vida normal.


cadeirante-mulher-suellen-omesamigos-cadeirantes-ft5

nunca tinha pensado em engravidar, apesar de ter uma vida sexual ativa, com limitações, mas ativa. E aí que entra o Vinícius, meu noivo, na minha vida. Conhecemos-nos em Junho de 2012. Ficamos juntos um ano e pouco. E por causa de brigas bobas, terminamos. Mas isso já tinha acontecido mais duas vezes e voltamos rápido. Mas dessa vez parecia ser definitivo, apesar dele não me deixar em paz. Durante esses tempos separados, tiveram mágoas, o que não nos permitia ficarmos juntos novamente. Mas como todo casal que briga, sentimos falta um do outro e tivemos o famoso “flash back”, e ficamos juntos por uma noite. Na mesma noite tomei a tal da pílula do dia seguinte. E estava tranquila. Ainda certa de que não voltaríamos a namorar. Cheguei a dizer que só ficaríamos juntos se fosse da vontade de Deus. E Deus quis rs.

cadeirante-mulher-suellen-omesamigos-cadeirantes-ft6

Vinícius parecia que estava adivinhando que eu estava grávida. Minha menstruação estava longe de vir, e ele me mandava mensagem TODOS os dias perguntando se já tinha descido. E eu, tranquila por ter tomado a pílula, dizia que ele estava maluco. Até que fiquei irritada pela insistência dele e decidi fazer o teste de farmácia só pra ele parar de me perturbar. POSITIVO. E a partir desse dia 15/01/2014 ele nunca mais deixou de me perturbar. Foi um choque, desespero. Não sabíamos o que fazer. A notícia mexeu com todo mundo, todos preocupados de como faríamos pra criar essa criança. E ao mesmo tempo, existia uma felicidade e uma vontade tão grande de enfrentar tudo e cumprir mais essa missão que Deus tinha me dado. No começo foi muito difícil pra minha família aceitar, até porque eu não tinha uma vida estruturada, estava me formando na faculdade, não sabia ao certo como ficaria a minha situação com o Vinícius, à grana era curta, enfim, tudo conspirava contra. Mas graças a Deus não deixei o medo e as dificuldades tomarem conta.

cadeirante-mulher-suellen-omesamigos-cadeirantes

O Vinícius, nunca me abandonou, ficou ao meu lado a cada choro, a cada alegria. E Hoje temos uma relação muito mais madura e saudável. Decidimos morar juntos, ficamos noivos e estamos aos pouco conquistando nossas coisinhas. Sabemos da dificuldade que será para aprender a lidar com as minhas limitações em relação ao Arthur (é o nome do meu Príncipe que chega em Setembro). Sinto medo de não conseguir cuidar do nosso filho. Mas sei também, que esse bebe é a maior benção da minha vida, e só veio pra trazer alegria. Assim como em tudo que faço hoje na minha vida, vou me adaptar a missão de ser mãe, e tenho certeza que juntos, Vinícius e eu, vamos conseguir dar o carinho, a atenção, os cuidados e o amor que essa criança vai precisar! Mas vamos contar muito com a ajuda das nossas famílias, que no começo ficaram muito confusas com a noticia, e hoje é só AMOR.

          cadeirante-mulher-suellen-omesamigos-cadeirantes-ft3

Espero que gostem, Beijos. By Suellen Gomes

Fonte: amigoscadeirantes.com




Nenhum comentário: