segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Vila São Cottolengo atende mais de 2 mil pessoas em GO; veja como doar - Veja o vídeo.

Unidade cuida de pacientes com deficiências físicas e mentais, em Trindade.Para se manter, unidade aceita alimentos, produtos higiene e dinheiro.

Vitor Santana Do G1 GO

Vila São Cottolengo abriga 365 pessoas com deficiência em Trindade, Goiás (Foto: Vitor Santana/G1)
Vila São Cottolengo abriga 365 pessoas com deficiência em Trindade (Foto: Vitor Santana/G1)

A Vila São José Bento Cottolengo, em Trindade, Região Metropolitana de Goiânia, é um hospital filantrópico que atende pessoas com múltiplas deficiências, físicas e mentais. A unidade é o lar de 365 pacientes e faz mais de 2,4 mil atendimentos diários à população. Com tantas atividades, a instituição precisa constantemente de todo o tipo de doações para se manter.

O G1 Goiás publica este mês uma série de reportagens sobre como ajudar instituições de caridade de Goiás.

Click AQUI para ver o vídeo.

Logo na entrada, um painel mostra a dimensão da unidade e também a grande demanda de recursos. São servidas 2.890 refeições diárias. Para atender ao cardápio, são necessárias 16 vacas por mês. Também são consumidos 2,4 mil kg de frango e 8.880 litros de leite mensalmente. Em um mês, os pacientes usam mais de 24 mil fraldas descartáveis e é necessário lavar cerca de 50 toneladas de roupas.

Só com produtos de higiene pessoal e limpeza são gastos R$ 39 mil mensalmente. Já com medicamentos, materiais hospitalares e alimentação especial, feita por sonda, são investidos R$ 268 mil por mês. Apesar de receber verbas do Sistema Único de Saúde (SUS) e também do governo, o valor é insuficiente para atender toda demanda.

“No mínimo, 60% do dinheiro que entra para pagar as despesas vem de doações. E se não fossem essas doações, a vila teria que fechar as portas. E com isso, muito dos internos não teriam para onde ir, não teriam o tratamento que têm, e poderiam até morrer”, disse o diretor administrativo da unidade, padre Everson de Faria Mello.

Os pacientes que dependem dos atendimentos reforçam a importância das doações para manter a unidade funcionando e, consequentemente, os tratamentos.

João Batista Ferreira, de 34 anos, nasceu com hidrocefalia e mora na instituição desde os 2 anos. “Aqui eu tenho muito recurso, tem fonoaudiólogo, tenho psicologia, enfermagem, tenho todos que cuidam de mim, 24 horas. Eu tenho uma válvula na cabeça e se não fosse a vila, eu não estaria vivo. Mas, graças a Deus, a vila abriu as portas para mim”, disse.

   Vila São Cottolengo abriga 365 pessoas com deficiência em Trindade, Goiás (Foto: Vitor Santana/G1)
João Batista nasceu com hidrocefalia e mora na vila desde os 2 anos de idade (Foto: Vitor Santana/G1)

Já Pedro Vinícius dos Santos Oliveira, de 7 anos, que mora em Trindade, vai à vila para fazer vários tratamentos, entre eles a equoterapia. Ele teve uma crise de hipoglicemia três dias após o nascimento e ficou com sequelas, como problemas motores e de visão. A mãe dele, a pedagoga Andreia Rodrigues, relata que é visível o progresso do seu filho depois que começou a frequentar a instituição.

“Ele já faz o tratamento há mais de um ano. E posso considerar que ele só começou a andar mesmo depois da equoterapia. Dá para ver a melhora constante dele. Se não fosse a Vila São Cottolengo, a qualidade de vida dele seria bem pior. Até mesmo porque os tratamentos na rede particular são muito caros e o plano de saúde não paga todos”, explica.

Vila São Cottolengo tem equoterapia para pessoas com deficiência em Trindade, Goiás (Foto: Vitor Santana/G1)
Vila São Cottolengo tem equoterapia para pessoas com deficiência (Foto: Vitor Santana/G1)

Doações
A vila foi fundada em fevereiro de 1951, quando o padre Gabriel Vilela, após participar da Festa do Divino Pai Eterno, na cidade, percebeu que muitos deficientes ficavam perambulando sem rumo pela cidade por não terem casa e nem local para onde ir. Então, decidiu abrir uma casa de acolhimento, que posteriormente passou a ser um hospital filantrópico. Desde então, as doações são essenciais para a manutenção da instituição.

“As doações vêm de empresas, que chamamos de ‘empresas do bem’, que nos ajudam com produtos ou com dinheiro mensalmente e de pessoas físicas. Chegam até nós alimentos, roupas, eletrônicos, móveis. Aquilo que pode ser usado na unidade, nós usamos. Aquilo que não pode, colocamos em um bazar permanente e o dinheiro é revertido para a instituição”, explicou o padre diretor da instituição.

Durante o ano, a unidade também faz ações para arrecadar dinheiro para objetivos específicos. No meio do ano é feita uma campanha para conseguir carne bovina. “São consumidas cerca de 200 vacas por ano. E não podemos, por normas sanitárias, receber pedaços picados de carne doados pela população. Tem que ser uma vaca morta no frigorífico e que vem, ou um animal vivo dado para a gente”, explicou o padre.

Vila São Cottolengo lava cerca de 50 toneladas de roupa por mês, em Trindade, Goiás (Foto: Vitor Santana/G1)
Vila São Cottolengo lava cerca de 50 toneladas de roupa por mês (Foto: Vitor Santana/G1)

Já no final do ano é feita a campanha “Doe Aconchego”, para arrecadar dinheiro e fazer toda a troca do enxoval da unidade. “Os lençóis são lavados com muita frequência e não podemos usar até eles rasgarem, tem que ter uma quantidade máxima de lavagem. E a troca do nosso enxoval fica muito cara, gastamos cerca de R$ 260 mil só na troca de lençóis, toalhas, babadores e pijamas”, complementou o diretor.

O objetivo é arrecadar doações em dinheiro, pois os tecidos precisam atender certas especificações pelo fato da unidade ser caracterizada como um hospital filantrópico. Porém, todos os itens de cama e roupas que forem doados também são aceitos, pois podem integrar o bazar permanente e serem revertidos em dinheiro.

Vila São José Bento Cottolengo
O que doar: São aceitos todos os tipos de doação, como alimentos, roupas, produtos de higiene e limpeza, remédios, eletrodomésticos e dinheiro.
Endereço: Av. Manoel Monteiro, n° 163, Bairro Santuário, Trindade.
Informações: (62) 3506-9000.

Vila São Cottolengo abriga 365 pessoas com deficiência em Trindade, Goiás (Foto: Vitor Santana/G1)
Hospital filantrópico atende pessoas com vários tipos de deficiência (Foto: Vitor Santana/G1)

Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: