terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Atraso na entrega de leite e fraldas preocupa há 5 meses em São Carlos - Veja o vídeo.

Famílias procuram postos de saúde, mas não conseguem produtos.Prefeitura admitiu falta e afirmou que já realizou a compra dos itens.

Do G1 São Carlos e Araraquara

Mãe de Lukas pediu ajuda nas redes sociais para não deixar o filho sem leite (Foto: Ely Venâncio/EPTV)
Mãe de Lukas pediu ajuda nas redes sociais para não deixar o filho sem leite (Foto: Ely Venâncio/EPTV)

Mães de crianças e adolescentes portadores de necessidades especiais denunciam que estão há quase cinco meses sem receber leite especial e fraldas em São Carlos (SP). A prefeitura admite a falta e afirma que já efetuou a compra e aguarda a entrega.

Click AQUI para ver o vídeo.

A artesã Daiane Cristina Camargo contou que desde setembro não consegue os produtos no posto de saúde do bairro Cidade Aracy. "Uma hora falam que está em falta, outra hora fala que comprou e que vai chegar. A gente vai lá toda semana e nunca tem", disse.

Suplemento
A filha de Daiane, Raissa, tem 17 anos e sofre de paralisia cerebral. Com 22 quilos, ela precisa do suplemento Pediasure para ganhar peso. A nutricionista orientou que a jovem tome o leite especial três vezes ao dia. Cada lata custa R$ 39 e são necessárias 12 por mês.

No caso das fraldas, ela usa até seis. Cada pacote com oito custa R$ 22. Se fosse comprar tudo o que a filha precisa, Daiane gastaria por mês quase R$ 1 mil. "A gente compra o que dá. A fralda a gente vai deixando até a hora que não dá mais. O leite a gente intercala com outro, mas não é o ideal", explicou a mãe.

                         Raissa tem 17 anos e sofre de paralisia cerebral (Foto: Ely Venâncio/EPTV)
Daiane com a filha Raissa, que tem 17 anos e sofre de paralisia cerebral (Foto: Ely Venâncio/EPTV)

Improviso
A filha da dona de casa Maria Cícera da Silva também tem paralisia cerebral e só se alimenta por sonda. Sem o leite especial, a mãe improvisa como pode. “Pego batatinha, cenoura, cozinho, passo no liquidificador e dou para ela, só para manter", contou.

Josilene Cristina Barbosa enfrenta o mesmo problema. O filho Lukas, de 3 anos, ficou sequelas de uma meningite. Ele também precisa tomar o Pediasure, cerca de 20 latas por mês. A mãe conseguia o suplemento no posto de saúde da Redenção, mas desde setembro não recebeu mais.

"O leite tem todas as vitaminas que uma criança da idade dele precisa. Se eu complementar com outro leite, ele vai perder peso, enfraquecer, então não tem como", disse. 

                           Sem leite, Maria Cícera da Silva improvisa alimento para a filha (Foto: Ely Venâncio/EPTV)
Sem leite, Maria Cícera da Silva improvisa alimento para a filha Janaina (Foto: Ely Venâncio/EPTV)

Para o filho não ficar sem, Josilene teve que pedir ajuda. "Uma prima teve a ideia de colocar nas redes sociais e deu certo. Todo mundo se mobilizou e veio me ajudar. A gente já sofreu muito, é desesperador você chegar ao posto para pegar o leite do seu filho e não ter mais”, disse a mãe.

Em relação às fraldas, a Prefeitura afirmou que, apesar de não ser obrigatória, para quem tem cadastro são entregues 120 unidades por mês. A previsão é que cheguem aos postos de saúde até o fim desta semana.

Fonte: g1.globo.com



Nenhum comentário: