sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Diretrizes para o Fortalecimento da Reabilitação nos Sistemas de Saúde lançadas na OMS são coordenadas pela Secretária de São Paulo, Dra. Linamara Rizzo Battistella


Representantes dos países membros da ONU reunidos na OMS, em Genebra, Suíça.

A Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Governo do Estado de São Paulo, Dra. Linamara Rizzo Battistella, com sua vasta experiência na área da Medicina de Reabilitação, lançou na sede da Organização Mundial da Saúde, em Genebra, Suíça, as Diretrizes para o Fortalecimento da Reabilitação nos Sistemas de Saúde. A Secretária é médica fisiatra e professora titular da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. O lançamento foi em 06 de fevereiro de 2017.

A elaboração e a organização do documento foram coordenadas pela Dra. Linamara Rizzo Battistella e será o instrumento que servirá como parâmetro para os países membros da Organização Mundial da Saúde. O trabalho foi iniciado em 2013 e reuniu especialistas e representantes de todas as regiões do mundo. Após três anos de pesquisa e trabalho, foi lançada a publicação com as Diretrizes que visam garantir a saúde e melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência, que no mundo somam 1 bilhão, segundo dados revelados pela Organização Mundial da Saúde, em 2011.

Historicamente, os serviços de reabilitação têm sido de baixa prioridade para muitos governos, especialmente aqueles com investimentos limitados em saúde, resultando em serviços subdesenvolvidos e mal coordenados. No entanto, as tendências globais em matéria de saúde e envelhecimento indicam a necessidade de uma ampliação dos serviços de reabilitação em países de todo o mundo e em países de renda baixa e média, em particular.

O investimento em reabilitação permite que as pessoas otimizem sua condição de saúde e funcionalidade, melhorando e ampliando a sua participação na sociedade, como a educação e o trabalho, aumentando assim a sua produtividade econômica. Investir é fundamental para responder à crescente procura e garantir que a reabilitação esteja disponível e acessível para quem dela necessitar.

Mas em que consiste a reabilitação? A reabilitação consiste em um conjunto de medidas que auxiliam os indivíduos que vivem uma condição de incapacidade a alcançar e manter sua funcionalidade ideal em interação com seu ambiente. A reabilitação maximiza a capacidade das pessoas de viver, trabalhar e aprender com o seu melhor potencial. Evidências também sugerem que a reabilitação pode reduzir as dificuldades funcionais associadas com o envelhecimento e melhorar a qualidade de vida. Ela inclui intervenções para a prevenção do comprometimento e da deterioração na fase aguda do tratamento, bem como para a otimização e manutenção da funcionalidade na fase pós-aguda e de longo prazo. A reabilitação faz parte da cobertura universal de saúde.

Confira as principais diretrizes que nortearão os atendimentos nos países membros da OMS, que totalizam 194 nações.

RECOMENDAÇÕES MUNDIAIS PARA A MEDICINA DE REABILITAÇÃO:

Integrar a reabilitação ao sistema de saúde
Atualmente, a reabilitação não está efetivamente integrada ao sistema de saúde em muitas partes do mundo e isso tem sido atribuído a como ela é administrada. Para que a reabilitação seja efetivamente integrada ao sistema de saúde é necessária uma governança com uma liderança clara e forte. Na maioria das situações, o Ministério da Saúde é o órgão governamental mais apropriado para estruturar os serviços de reabilitação, mantendo fortes vínculos com outros setores relevantes, como assistência social, educação e trabalho.

Assegurar que os hospitais incluam unidades de reabilitação especializadas para pacientes internados com necessidades complexas
Os serviços especializados em reabilitação proporcionam intervenções intensivas e altamente especializadas para restaurar as funções de pacientes com necessidades complexas de reabilitação. Em vários casos, os resultados são superiores aos da reabilitação realizada em enfermarias gerais, como no contexto de amputação de membro inferior, lesão medular e acidente vascular cerebral e também no cuidado de idosos. O estabelecimento ou estruturação de unidades especializadas de reabilitação deve basear-se no contexto do sistema de saúde, com disponibilidade de mão-de-obra de reabilitação e de financiamento específico.

                                  


Assegurar o treinamento adequado dos usuários a quem são fornecidos produtos assistivos
É importante treinar os usuários no uso eficaz e seguro e na manutenção de produtos assistivos ao longo do tempo. Especialmente no contexto de necessidades complexas, os prestadores de serviços de reabilitação podem garantir que os produtos que as pessoas recebem são adequados para eles e seu ambiente e são devidamente ajustados, na medida em que as necessidades dos usuários evoluem.

Integrar os serviços de reabilitação entre os níveis primário, secundário e terciário dos sistemas de saúde
O subdesenvolvimento da reabilitação em muitos países resultou frequentemente em serviços oferecidos apenas em níveis específicos e isolados dos sistemas de saúde. A reabilitação é, no entanto, necessária em todos os níveis, para a identificação das necessidades e para a continuidade dos cuidados durante a recuperação de uma pessoa. As vias padronizadas de encaminhamento e outros mecanismos de coordenação entre os níveis ajudam a garantir uma boa transição e os melhores resultados do tratamento.

Garantir que os serviços de reabilitação estejam disponíveis nas comunidades e nos hospitais
A reabilitação em ambientes hospitalares e comunitários é necessária para garantir o atendimento oportuno e o acesso aos serviços. A reabilitação em ambientes hospitalares permite a intervenção precoce, o que pode acelerar a recuperação e otimizar os resultados. Muitas pessoas necessitam de reabilitação após a alta do hospital, enquanto outros usuários podem exigir os serviços oferecidos exclusivamente na comunidade. Algumas pessoas com deficiências física, sensorial ou cognitiva podem se beneficiar de intervenções de longo prazo que geralmente são melhores oferecidas em casa, na escola ou no local de trabalho.

Assegurar recursos financeiros aos serviços de reabilitação
Como os sistemas de saúde alocam recursos financeiros afeta significativamente a prestação de serviços. Contudo, muitos países não alocam orçamentos específicos para os serviços de reabilitação. A alocação de recursos para a reabilitação pode aumentar a disponibilidade e a qualidade dos serviços de reabilitação e minimizar as despesas pessoais diretas, o que constitui uma barreira significativa ao uso dos serviços.

Assegurar a disponibilidade de reabilitação multidisciplinar
Uma força de trabalho multidisciplinar nos sistemas de saúde garante que a gama de necessidades de reabilitação da população possa ser suprida. As intervenções multidisciplinares de reabilitação mostraram-se eficazes na gestão de muitas condições crônicas, complexas ou graves que podem afetar de forma significativa vários domínios da funcionalidade (visão, comunicação, mobilidade e cognição). Uma força de trabalho multidisciplinar pode melhorar significativamente a qualidade dos cuidados e os resultados de saúde. O investimento a longo prazo na formação, no desenvolvimento e na retenção de uma força de trabalho de reabilitação multidisciplinar deve ser considerado no planejamento e orçamento do setor da saúde.

Implementar políticas de financiamento e aquisições que assegurem a disponibilidade de produtos assistivos para todos que precisem deles
Os produtos assistivos, como os dispositivos de mobilidade, aparelhos auditivos e bengalas brancas, desempenham papel importante na melhoria da funcionalidade e no aumento da independência e participação do indivíduo. No entanto, o acesso a esses produtos pode ser difícil, particularmente em alguns países de renda baixa e média, onde apenas 5 a 15% da população tem acesso aos produtos de que precisam.

Onde houver ou vier a existir um seguro de saúde, garantir que os serviços de reabilitação sejam cobertos
O seguro de saúde é um mecanismo comum para diminuir as barreiras financeiras aos serviços de saúde, mas a inclusão da reabilitação na cobertura desse seguro é variável. Quando o seguro de saúde inclui a reabilitação, o acesso e o uso dos serviços de reabilitação são ampliados. Uma vez que o seguro de saúde protege apenas uma minoria da população em muitas partes do mundo, esse mecanismo de proteção financeira deve ser parte de iniciativas mais amplas para melhorar o acesso aos serviços de reabilitação.


Nenhum comentário: