sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Jovem com paralisia cerebral se torna bacharel em Direito em Pouso Alegre - Veja o vídeo.

Durante cinco anos viajou de Senador José Bento para ir até a faculdade.Aos 25 anos, Marco Túlio agora tem mesma profissão do pai e da irmã.

Do G1 Sul de Minas 

Aos 25 anos, Marco Túlio agora tem mesma profissão do pai e da irmã  (Foto: Reprodução EPTV)
Aos 25 anos, Marco Túlio agora tem mesma profissão do pai e da irmã (Foto: Reprodução EPTV)

Nem mesmo a falta de mobilidade causada por uma paralisia cerebral impediu que um jovem de 25 anos realizasse um sonho: se tornar bacharel em Direito. Marco Túlio Fernandes Pascoal nasceu em Senador José Bento (MG) e durante cinco anos viajou todas as noites para Pouso Alegre (MG), onde cursou a faculdade de Direito.

Mesmo enfrentando muitas dificuldades contou com o apoio da família. A mãe conta que ele nasceu prematuro e, que por causa de uma doença, desenvolveu alguns problemas motores que o levaram para uma cadeira de rodas.

Click AQUI para ver o vídeo.

“Ele já tinha 7 meses quando eu percebi. Eu percebi que ele não estava sentando, estava mais molinho. O neuropediatra foi pedindo os exames, pediu a ressonância e aquelas coisas todas, e ai que descobriu que tinha afetado na coordenação motora”, disse a mãe de Tulinho, Vera Lúcia Fernandes.
Mesmo assim, a família de Tulinho, como é conhecido pelos colegas, não desistiu e aprendeu com ele a não abrir mão dos sonhos. Meta que o levou para a faculdade de Direito.

“À primeira vista, o que nós nos perguntamos foi: “Será que ele terá condições de acompanhar o curso de Direito? [Sabemos] que não é um curso fácil, que tem muitas exigências, carga horária, trabalho”, disse o coordenador de graduação, Elias Kallas Filho.

Durante cinco anos viajou de Senador José Bento (MG) para ir até a faculdade em Pouso Alegre (MG) (Foto: Reprodução EPTV)
Durante cinco anos viajou de Senador José Bento (MG) para ir até a faculdade em Pouso Alegre (MG) (Foto: Reprodução EPTV)

O tempo foi passando e surpreendendo quem estava próximo de Tulinho. Durante os cinco anos de faculdade, ele se destacou na turma pelas boas notas e pela simpatia. “Foi uma demonstração de que não há limites para a força de vontade e o desejo de vencer”, alegou o coordenador de graduação.

A família seguiu junto com o aluno e a sala de aula virou a segunda casa deles. “Além de ter que trabalhar durante o dia, toda a noite ele teria que fazer esse trajeto de Senador José Bento até Pouso Alegre (MG). Então, a gente saia de lá 18h30 e voltava 23h30, durante cinco anos”, disse o pai e advogado, Werner Cláudio Pascoal.

“Foi muito bom ter o irmão como colega. Em casa a gente compartilhava o que aprendeu, se ajudava nas matérias, às vezes um tinha mais facilidade e o outro mais dificuldade”, contou a irmã, Paula Maria Fernandes Pascoal.

"Agora eu quero prestar concurso para ganhar estabilidade, uma renda boa, para trabalhar"
disse Marco Túlio

Lição de vida

Justo ele que estava na universidade para aprender, acabou ensinando. “Eu aprendi a ter mais força de vontade, a superar a minha vida em muitas coisas”, contou a bacharel em Direito, Agnes Sampaio.
Como retribuição pelo aprendizado, as amigas de curso surpreenderam para Marco Túlio com um direito fundamental: a acessibilidade. “Essa mobilidade que o Marco Túlio tinha limitada, a gente ofereceu uma cadeira para ele seria o ideal e seria uma forma de agradecimento também, porque passamos cinco anos na graduação e uma forma de agradecer por tudo o que a gente tinha vivido juntos”, explicou Kaelly Cavoli Moura da Silva, bacharel em Direito.

“Eu tenho muito o que agradecer [meus colegas] por causa da história da cadeira, que fizeram aquela surpresa pra mim. Eu tenho muito que agradecer, porque graças à Deus eu sempre tive amizade com todo mundo”, disse Marco Túlio.

Ao longo da vida, o jovem venceu batalhas e ultrapassou barreiras, contrariou diagnósticos. Mas como o menino que nasceu com paralisia cerebral conseguiu tamanha façanha? “Eu aprendi que se a gente não lutar, a gente não consegue nada. Isso que eu aprendi”, contou Marco Túlio.

Jovem com paralisia cerebral se torna bacharel em Direito em Pouso Alegre (Foto: Reprodução EPTV)
Jovem com paralisia cerebral se torna bacharel em Direito em Pouso Alegre (Foto: Reprodução EPTV)

Orgulho da família

Hoje, bacharel em Direito, Marco Túlio segue com a mesma profissão do pai, da irmã e se tornou motivo de orgulho para muita gente. “A gente fica até emocionado e se sente realizado”, disse o pai de Tulinho.

E para quem acha que a história termina por aqui está enganado. Sempre é tempo de sonhar. “Agora eu quero prestar concurso para ganharestabilidade, uma renda boa, para trabalhar”, finalizou Marco Túlio.

Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: