domingo, 5 de fevereiro de 2017

Pai larga emprego e projeta cadeira de rodas que 'liberta' filha com paralisia

O empresário Mario Fernandez Alvitti quebrou a cabeça e a conta bancaria até conseguir desenvolver um modelo de cadeira de rodas para que a filha Ana Paula, de três anos, pudesse explorar a infância igual a outras crianças.

Jairo Marques de São Paulo

Zanone Fraissat/Folhapress
Resultado de imagem para Pai larga emprego e projeta cadeira de rodas que 'liberta' filha com paralisia

Para que Ana Paula, 3, pudesse ser uma criança com mais liberdade, sem precisar se rastejar para alcançar um brinquedo ou para brincar de esconde-esconde, ela ganhou um modelo de cadeira de rodas inédito no país, que a deixa quase na altura do chão.

E quem desenvolveu esse veículo, que parece um carrinho de corrida estilizado, foi o próprio pai da menina, Mario Alvitti, 33.

Ana tem uma deficiência que a deixou paraplégica. Por isso, para melhorar a qualidade da infância da filha, Alvitti largou a carreira militar e torrou as economias guardadas ao longo da vida, R$ 30 mil.

Para desenvolver todo o projeto, com design, escolha dos materiais ideais, pesquisa, patente e fabricação, o pai contou ainda com a ajuda de amigos, que doaram mais R$ 40 mil para que o sonho fosse concretizado.

"As cadeiras de rodas infantis são para deslocamentos maiores. Elas não dão a segurança e a comodidade que ela precisava para pegar uma boneca no chão, para se deslocar rapidamente pela casa, para explorar o ambiente. Isso me tirava o sono", afirma Alvitti.

Ele demorou um ano para fechar o projeto, que já tem a patente requerida e será lançado em uma grande feira de empreendedores e inovações, a partir do dia 18 deste mês.

PAREDE RISCADA

Quando Ana tinha oito meses de idade, uma lesão tirou da pequena os movimentos das pernas e parcialmente do tronco. Trata-se de uma lesão medular não traumática, sem um choque físico e cujas causas ainda são investigadas.

Ela também perdeu a sensibilidade tátil da cintura para baixo, o que comprometeu funções fisiológicas.

Mas o que o trauma parece não ter tirado da garotinha é a fofice, claro, a tagarelice infantil (fala pelos cotovelos) e uma inquietação de descobrir o mundo -ela se movimenta na cadeirinha por todos os cômodos da casa, pela escola e nas áreas planas do condomínio onde mora, na zona oeste de São Paulo.

"A ficha de que ela não pode andar parece que ainda não caiu para a gente. É difícil de assimilar. O que nos sustenta e nos conforta é que ela é uma menina cheia de vida, alegre", diz o pai.

A mãe de Ana Paula, Fernanda Cristina Caldeira Leitão Teixeira, 35, é fisioterapeuta e também ajudou na criação do conceito e da ergonomia da cadeira.

"A Ana ganhou uma autonomia fantástica e teve crescimento cognitivo podendo tatear o chão, alcançar as coisas. Quando ela riscou a parede pela primeira vez, o que conseguiu usando a cadeira, foi uma alegria", afirma.

O pediatra Emanuel Sarinho, presidente do Departamento Científico de Alergia da Sociedade Brasileira de Pediatria, elogiou a iniciativa do pai de Ana Paula.

"O pai da criança, com sua sabedoria afetiva, abraça a lógica biológica e o conhecimento científico atual"diz.

Sarinho explica que "o contato da criança com bactérias probióticas nas fases iniciais da vida promove no intestino, e em outros sistemas orgânicos, uma verdadeira harmonia no sistema imunológico".

Ainda segundo o médico, "ver o verde, admirar o céu, fazer brincadeiras ao ar livre são poderosos estímulos ao desenvolvimento afetivo e psicomotor fazendo com que a criança apresente experiências marcantes e positivas.

CHANCE DE BRINCAR

A "Fly Children", nome de registro da cadeirinha, é indicada para crianças de 1 a 4 anos e atende a diversos tipos de deficiências, como as provocadas pela paralisa cerebral ou pela mielomeningocele, de acordo com os idealizadores do projeto.

O veículo pesa 8,5 kg -não pode ser muito leve para manter a estabilidade e segurança da criança- e é feito de um material atóxico, não inflamável e flexível, o que propõe conforto ao usuário.

A intenção do projeto é ser autossustentável. A cadeira custa R$ 2.000. Até agora, foram feitas apenas seis unidades, e todas foram doadas.

"Não tenho nenhum objetivo de ficar rico vendendo essa cadeira. Quero que mais crianças tenham a chance de poder brincar mais livremente, de mais pais poderem ficar felizes com o desenvolvimento de seus filhos", declara o pai da menina.

Nenhum comentário: