sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Pessoas com deficiência podem estar enfrentando a extinção - Veja o vídeo

"Se fôssemos animais, talvez pudéssemos nos qualificar para proteção, como espécies ameaçadas de extinção. Mas somos apenas seres humanos com deficiência, por isso não nos qualificamos ".

Texto traduzido e reescrito por Cida Santos


Recentemente, um vídeo compartilhado nas redes sociais, foi visto, compartilhado, e recebeu muitos comentários sobre seu conteúdo, mas na verdade, ele ainda merece muito mais atenção e louvor. Lord Shinkwin, membro conservador da Câmara dos Lordes, falou ousadamente no plenário do Parlamento em defesa de crianças não nascidas, cujas vidas são ameaçadas pelo aborto só porque foram diagnosticadas com alguma deficiência.



"Posso ver pelas tendências do aborto por motivos de deficiência, que a escrita está na parede para pessoas como eu. Pessoas com deficiências congênitas estão enfrentando a extinção. Se fôssemos animais, talvez pudéssemos nos qualificar para proteção como espécies ameaçadas de extinção. Mas somos apenas seres humanos com deficiência, por isso não nos qualificamos ".

As palavras de Lord Shinkwin foram ainda mais emocionantes, já que ele mesmo está incapacitado. Sua Senhoria tem uma condição congênita chamada osteogênese imperfeita, também conhecida como "Ossos de vidro". Apesar de sua condição, que alguns podem ver como um revés, Lord Shinkwin teve uma longa carreira de serviço público e trabalho de caridade.

Lord Shinkwin em maio do ano passado, e foi novamente defendido no final em janeiro, quando o projeto foi trazido para a fase de comitê. O objetivo do projeto é proteger os fetos de abortos baseados em discriminação.

Na Grã-Bretanha, como nos Estados Unidos, a discriminação com base na deficiência é geralmente ilegal. No entanto, essas proteções não são estendidas à crianças antes do nascimento.

Independentemente da natureza da deficiência da criança, muitas delas com deficiência, tem sido privadas do direito de nascer.

O Scotsman relata , "entre 2005 e 2015 houve um aumento de 68 por cento no aborto com base na deficiência no Reino Unido e de 1995 a 2005, um aumento de 143 por cento em terminações para a síndrome de Down."

Em observações feitas em outubro, Lord Shinkwin afirmou que, de acordo com estatísticas oficiais do Departamento de Saúde do Reino Unido, 11 crianças foram abortadas em 2015 devido a um "lábio palatino" - uma condição que pode ser facilmente corrigida com cirurgia menor.

Nos Estados Unidos, é difícil determinar o número de bebês abortados a cada ano, devido a deficiência ou condição congênita, simplesmente porque o aborto nos Estados Unidos é geralmente tão pobre .

No entanto, estudos recentes estimam a taxa de terminação da Síndrome de Down americana em cerca de 67 por cento.

No mundo moderno, muitas pessoas não pensam seriamente na ideia da eugenia. Para a maioria de nós, é um conceito dos livros de história ou fora da ficção científica. No entanto, como uma sociedade, devemos considerar como a mentalidade eugênica tem influenciado como vemos, deficiência e indivíduos com deficiência.

Pelo menos, parece que a mentalidade eugênica nos deixou com um medo profundo de deficiência, e a ideia equivocada de que nenhuma vida é preferível a uma vida com uma deficiência.

O fato de que a vida de uma criança com fenda palatina ou síndrome de Down ainda pode ser encerrado devido à sua condição é quase incompreensível.

                             Resultado de imagem para ossos de vidro

"Ninguém pode julgar o valor da vida de outro ser humano. Ninguém pode determinar o potencial de outro. Para quem pode dizer que um dia um menino com Osteogênese Imperfeita, ou Síndrome de Down não vai bravamente levantar-se no Parlamento (ou Congresso) e falar em nome daqueles que não podem falar por si mesmos?"

No Brasil infelizmente, a luta pelo direito ao aborto de bebês portadores de deficiência, anda a todo

No início de 2016, valendo-se da propagação de uma suposta epidemia causada pelo Zica Virus, um grupo de advogados, acadêmicos e ativistas que articulou a discussão sobre aborto de fetos anencéfalos no Supremo Tribunal Federal, acatada em 2012, preparou uma ação para pedir à Suprema Corte o direito ao aborto em gestações de bebês com microcefalia.

Agora, um ano depois, o STF está prestes a  liberação do aborto para mulheres infectadas pelo zika vírus.

Para Rodrigo Janot, a decisão tomada em 2012 pelo Supremo que autorizou aborto em caso de fetos anencéfalos também deve valer quando houver diagnóstico de infecção do zika, por motivo de “proteção da saúde” da mulher.

     Resultado de imagem para bebe com microcefalia

Em contrapartida, o advogado especialista em direito médico da saúde, Eduardo Rothmund, a liberação do aborto não deveria ser considerada uma solução neste primeiro momento. “Antes de partir para isso, entendo que deveriam ser cobradas políticas públicas mais eficientes e então, caso a situação não melhorasse, poderia se pensar na interrupção da gravidez”, frisou. Rothmund entende que a liberação do aborto nesses casos abre precedentes para a banalização da vida. “E se, a partir de agora, toda mãe que descobrir uma deficiência no filho, decidir abortar?”, questiona. Entre as medidas que deveriam estar sendo cumpridas pelo governo está a prevenção através da distribuição de anticoncepcionais de longa duração para mulheres vulneráveis, o acessão à informação sobre a doença e o atendimento com especialistas a até 50 quilômetros da residência das vítimas.

O aborto é ofensivo para pessoas com deficiência; Porque isso implica que eles e suas vidas são menos valiosos do que as vidas de pessoas "normais".

Aborto e eugenia

O aborto tem sido usado no passado para impedir o crescimento de grupos populacionais ou de grupos raciais considerados geneticamente "inferiores". Esta é agora considerada como uma violação mais grave dos direitos humanos e um ato criminoso.

O aborto tem sido usado no passado para impedir que pessoas com vários defeitos genéticos tenham filhos. Quando isso é feito por uma questão de ordem pública, é agora considerado como uma violação mais grave dos direitos humanos e um ato criminoso.

Aborto e seleção de gênero

Em alguns países, particularmente na Índia, há um grande problema com o feticídio feminino - deliberadamente abortar os fetos que nasceriam como meninas.

Por razões sociológicas e econômicas, os pais de algumas culturas preferem ter filhos. Quando os pais podem descobrir o sexo do feto com antecedência, eles às vezes pedem a interrupção de uma gravidez apenas porque o feto é do sexo feminino.

Embora o aborto seletivo para a preferência de gênero seja ilegal na Índia, a baixa proporção de nascimentos femininos em relação aos nascimentos masculinos, juntamente com outras evidências, torna certo que o feticídio feminino é praticado em larga escala.

Como é que o aborto legalizado de bebês com deficiência torna o mundo um lugar melhor?!

Downsyndrome26

Na Grã-Bretanha, desde 1967, o aborto é direito das mães, se o bebê for portador da síndrome de Down.

De acordo com os dados do governo, 3.213 bebês foram abortados por causa da síndrome de Down.

Vários estudos estimam que entre 30% e 90% dos bebês não-nascidos diagnosticados com síndrome de Down são abortados.

Lord Shinkwin descreveu a importância de proteger as crianças com deficiência: "Para mim, uma sociedade de uma nação é aquela que não discrimina por causa da deficiência - uma sociedade na qual a igualdade de deficiência é uma realidade consistente".

Ele prosseguiu explicando que a lei atual proíbe essa igualdade: "É ilegal para um ser humano não nascido ter sua vida terminada por aborto além de 24 semanas, mas se eles têm uma deficiência sua vida pode ser terminada até o nascimento. Onde está a consistência, a justiça ou a igualdade nisso?"

"Se alguém pensa que essa discriminação óbvia é aceitável, convido-os respeitosamente a imaginar o clamor se o mesmo fosse aplicado à cor da pele ou orientação sexual. Tal discriminação seria justamente considerada como ultrajante ".

Se a sociedade continuar militando em favor desse pensamento, apoiando os movimentos pró aborto, em pouco tempo, os portadores de deficiência entrarão em extinção.

Para o ativismo aborteiro, toda vida tem o mesmo valor, exceto se for de um feto.

Vale lembrar, que todo ser humano à favor do aborto, nasceu.

Nenhum comentário: