domingo, 26 de março de 2017

Abandonei trabalhos, adiei sonhos

Me chamo Fernanda Luz, convivo com a artrite reumatoide há 11 anos, moro na cidade de Sorocaba – SP.

Por Priscila Torres*

                   

No começo foi muito difícil porque não sabia como lidar com a dor, e principalmente com a indiferença das pessoas, sempre dependendo do SUS, não consegui manter um tratamento certo e o tempo foi passando, agi errado tomando remédio por conta própria, pois não tinha o diagnóstico da doença, tudo o que eu queria era poder trabalhar e cumprir com minhas obrigações sem sentir dor, mas a cada dia só ia aumentando, deixei de fazer muitas coisas por causa da doença, abandonei trabalhos, adiei sonhos, enfim, me sentia inútil por não conseguir realizar pequenas tarefas que parecem tão insignificantes

O começo foi muito difícil, não sabia como lidar com a dor e ela me dominava, eu ficava travada em cima de uma cama sem conseguir me mexer, o que tem me sustentado até aqui sem dúvida nenhuma é a fé em Deus, e pela fé vou vivendo um dia de cada vez, hoje estou trabalhando há 3 anos de aux de cozinha, é um trabalho que exige um grande esforço, fico muito tempo de pé, e todas as noites quando chego em casa agradeço a Deus por mais um dia vencido, o que para muitos é normal, para mim é uma vitória, e hoje depois de muita dor e lágrimas vou iniciar uma nova etapa na minha vida, agora sob recomendação da reumato (cansei de esperar pelo sus, estou pagando particular) começar o tratamento com metotrexato, estou um pouco ansiosa, pois tive algumas complicações devido ao uso do corticoide, mas com fé em Deus espero que esse medicamento me traga um pouco de alivio e descanso, assim como tenho me sentido em casa aqui nessa página, tentei resumir, Dor diminuída é dor compartilhada, e assim vamos vivendo um dia de cada vez, o amanhã a Deus pertence, e hoje mais um dia vencemos!

Priscila Torres*
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de Artrite Reumatoide aos 26 anos, enquanto atuava como enfermeira, estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros. De repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil. http://www.artritereumatoide.blog.br/

Fonte: artritereumatoide.blog.br

Nenhum comentário: