segunda-feira, 20 de março de 2017

Centros médicos improvisados na Síria lutam contra a precariedade para recuperar vítimas da guerra civil

Estimativas dizem que cerca de 500 pessoas com danos na espinha vivem na região de Ghouta

Do R7

Foto: REUTERS
Sozinho em sua sala enquanto bombas caem em Douma, uma região de resistência contra o governo sírio localizado a leste de Ghouta, na Síria, o jovem Ziad, de 14 anos, se abriga em um dos centros de saúde improvisados para tratamento de paralíticos

Sozinho em sua sala enquanto bombas caem em Douma, uma região de resistência contra o governo sírio localizado a leste de Ghouta, na Síria, o jovem Ziad, de 14 anos, se abriga em um dos centros de saúde improvisados para tratamento de paralíticos.

Na Síria, situações assim são cada vez mais comuns e Ziad sofre com instalações que não permitem que ele se locomova com facilidade em casos de bombardeios.

Os abrigos não estão preparados para receberem pessoas como eu.

                            Foto: REUTERS
                      Na Síria, situações assim são cada vez mais comuns e Ziad sofre com instalações que não permitem que ele se locomova com facilidade em casos de bombardeios.— Os abrigos não estão preparados para receberem pessoas como eu

Até ano passado, as opções de tratamento para pacientes paralíticos que vivem em meio à guerra civil, que já matou centenas de pessoas e tirou mais de 11 milhões de suas casas.

Para ajudar essas vítimas, o Centro Especialista de Reabilitação e Cuidado de Lesões na Espinha começou a prestar atendimento físico e psicológico a paralíticos.

A unidade, mantida inteiramente por doações, pode tratar 12 pacientes por vez em períodos de três a seis meses.

                                  Foto: REUTERS
                         A unidade, mantida inteiramente por doações, pode tratar 12 pacientes por vez em períodos de três a seis meses

Hoje existe uma estimativa de que 500 pessoas com danos na espinha vivem em Ghouta, sendo que a maioria das lesões foi causada por conflitos armados.


Nenhum comentário: