segunda-feira, 27 de março de 2017

Com paralisia cerebral, atleta treina para participar de prova de triathlon - Veja o vídeo

Aos 28 anos, Samuel já tem uma vida normal em São José do Rio Preto (SP) e até se prepara para participar de um triathlon.

Por G1 Rio Preto e Araçatuba

Resultado de imagem para Com paralisia cerebral, atleta treina para participar de prova de triathlon
Paralisia cerebral não é limitação para Samuel (Foto: Reprodução/TV Tem)

Diagnosticado com paralisia cerebral na infância, Samuel Bortolin de 28 anos superou todas as expectativas e surpreendeu toda sua família. Ele fez duas faculdades e está treinando para participar de uma prova de triathlon. Os treinos são realizados em uma academia e em um clube de São José do Rio Preto (SP).

Click AQUI para ver o vídeo.

Samuel nasceu com paralisia cerebral, a deficiência atingiu os movimentos das duas pernas e de um braço. Os diagnósticos indicavam que ele não iria nem andar. Persistiu e deu seus primeiros passos apenas aos seis anos de idade. A partir daí, não existiram mais obstáculos na vida do jovem. Ele se formou em duas faculdades, direito e educação física, morou sozinho e chegou até a fazer um intercâmbio no exterior.

O neurologista Lucas Mequin explica que com esforço é possível vencer a paralisia. “Pacientes como o Samuel, ao longo do desenvolvimento, podem ter a recuperação das funções cognitivas. É brilhante ver que temos pacientes que até os dois anos de idade tiveram seus problemas e hoje já mostram uma recuperação extraordinária, a ponto de chegar a uma faculdade e ter uma vida social perfeita”, afirma.

Como conseguiu andar, Samuel percebeu que também era possível correr e se tornar um atleta. Hoje ele corre no mínimo cinco quilômetros por dia e participa de várias provas de 10 quilômetros, onde sempre consegue concluir todas elas. Sempre determinado a ter uma vida independente, ele está se preparando para uma prova de triatlon, que acontecerá em outubro.

“Cheguei a um ponto de autonomia, apenas faço as coisas um pouco mais devagar, mas faço sem depender de ninguém. Hoje corro 70 quilômetros por mês. A energia que gasto é três ou quatro vezes maior de uma pessoa convencional, mas meu parâmetro é esse e sigo ele. Hoje não tenho problemas para fazer 5 quilômetros”, afirma Samuel.

Além de correr, Samuel também pratica natação, 750 metros na água pelo menos 3 vezes na semana. A disposição para tantos treinos vem da própria consciência, pois ele sabe que se parar com os exercícios a musculatura atrofia, e ele acaba perdendo os avanços que conquistou até hoje.

Sua mãe, Ariane Bortolin da Silveira, mora na Bahia e desde quando descobriu a paralisia do filho, encarou a deficiência como um obstáculo e não uma barreira. “Tudo que eu tenho dele é gratificante, ele já superou todas as coisas, todos os obstáculos. Cada situação que vem dele, nem eu, nem meu marido e nem meus filhos esperávamos. É muito bom ver toda essa vitória e ver que tudo que ele alcançou até hoje é mérito dele.”

Samuel durante corrida na represa de rio Preto (Foto: Reprodução/TV TEM)
Samuel durante corrida na represa de rio Preto (Foto: Reprodução/TV TEM)


Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: