quarta-feira, 1 de março de 2017

Mãe pede ajuda para pagar cirurgia de R$ 100 mil do filho - Veja o vídeo

Kauã nasceu com uma má-formação nas pernas e pode até perdê-las. A mãe do menino de um ano e nove meses luta para que o ele passe por cirurgias corretivas caras, já que não tem dinheiro para pagar, sequer, a primeira cirurgia, que custa cerca de R$ 100 mil.

por Danilo Cruvinel


Enerson Cleiton


“Estamos correndo contra o tempo”. A afirmação é da dona de casa, Joyce Cristina Alves, mãe do pequeno Kauã Lincoln, de 1 ano e nove meses. Kauã nasceu com uma má formação congênita de tíbia e por isso, precisa fazer uma cirurgia. Entretanto, a família não tem condições de arcar com o custo do procedimento, que deve ser feito por um especialista no Rio de Janeiro e custa, em média, R$ 100 mil reais. Através das redes sociais, Joyce faz uma campanha para tentar arrecadar o valor necessário para custear o tratamento do filho.
“Engravidei do Kauã, fiz todos os ultrassons e todos os resultados foram normais. Quando ele nasceu, parecia que estava atrofiado. A ginecologista me perguntou se tinha dado alguma alteração no ultrassom e me contou que o Kauã não tinha uma perninha e o pezinho dele tinha apenas dois dedinhos. Comecei a passar a mal ali mesmo e apaguei. Assim que cheguei na sala de recuperação, vi o Kauã. Ele tem um pezinho que tem dois dedinhos e outro tem quatro. A canelinha dele forma outro joelhinho, que tem um buraquinho. Fazemos acompanhamento, desde que ele nasceu, com um ortopedista. E foi ele que me informou que o Kauã tem uma má formação congênita de tíbia. O ortopedista disse que tentaria fazer uma cirurgia, mas se não fosse bem sucedida, teria que amputar as duas perninhas do Kauã. Questionei o médico, principalmente, porque se você colocar um carrinho ao lado do Kauã, ele vai ficar em pé com o pezinho que tem quatro dedinhos, ele só não apoia o pé que tem dois dedinhos. Entretanto o ortopedista continuou dizendo que se a cirurgia não desse certo, seria necessário amputar os dois pezinhos. Não foi só um médico que me disse isso, foram vários”, explicou.

Joyce lembra que após a notícia de que talvez seria necessário a amputação das pernas de Kauã, ficou desesperada. “Fiz uma postagem uma rede social dizendo que estava muito triste com essa situação. Uma moça de outra cidade me mandou uma mensagem contando que o filho dela também tinha essa má formação e havia feito cirurgia com um médico especialista no Rio de Janeiro. Ela me passou o contato desse médico e eu entrei em contato com ele. Esse ortopedista é especialista nesse problema do Kauã. Ele foi muito sincero comigo e me disse que tudo seria particular, com a consulta custando R$ 300,00 e a cirurgia ficaria, em média, em R$ 100.000,00. Mandei a foto do Kauã para ele ver e tirar algumas dúvidas minha e ele me disse o seguinte: Eu sou um médico especialista nesse tipo de má formação. Não posso dar um diagnóstico apenas pela foto, mas o pezinho que tem dois dedos, infelizmente, teria que amputar. Mas, o outro tem como manter”, relembra.

Veja o vídeo abaixo.


Dona de casa prosseguiu. “Conversei com outros médicos e com as voluntárias que estão me ajudando, e elas me deram a sugestão de fazer a campanha para arrecadar esse valor para custear a consulta do Kauã com esse médico no Rio de Janeiro e a cirurgia. Agora, estamos correndo contra o tempo, porque os médicos sempre me falaram que o Kauã não pode ficar sem fisioterapia, porém a fisioterapeuta que acompanhava o Kauã desde que ele tinha 17 dias, me disse que não tem mais o que fazer por ele antes que seja realizada a cirurgia. Ou seja, ele está sem fazer fisioterapia e isso é muito importante para o desenvolvimento dele”, pontua.
Através das redes sociais e de uma conta aberta em um banco, Joyce tenta arrecadar a quantia necessária para custear a consulta e a cirurgia de Kauã. “Abri uma conta na Caixa Econômica Federal para que as pessoas que querem e podem ajudar, possam doar. Qualquer valor é muito bem-vindo. A conta para depósito é: Agência 0160, Operação 013, Conta 00037786-7. A conta está no meu nome, Joyce Cristina Alves. Além disso, vamos fazer uma galinhada beneficente no dia 11 de fevereiro. O convite tem o valor de R$ 10,00 e as pessoas que quiserem participar, podem entrar em contato pelo telefone (34) 9 8866-4780. Criei um perfil para o Kauã Lincoln no Facebook, onde conto todo a história dele e vou falando sobre as etapas dessa campanha. Todas as pessoas que estão ajudando, acredito que tenho que prestar contas. Por isso, criei o perfil para que possa ser esse meio de comunicação com essas pessoas, para contar o que está acontecendo”, acrescentou.
Joyce ainda falou concluiu: “O Kauã é muito inteligente e esforçado. Os médicos diziam que ele nunca ficaria em pé. Mas, ele se apoia onde dá e fica em pé. Além disso, ele pega o velotrol e anda pra tudo que é lado. Pra ser muito sincera, quem sofre mais somos nós que somos pais, porque ele não está nem aí. Esses dias para trás, estávamos em uma fila e tinha uma mãe com uma criança no colo. O Kauã ficava apontando o tempo todo para o pezinho da criança. Ele começou a apontar para o próprio pezinho, como se estivesse dizendo que o pezinho dele é normal e o daquela criança que era diferente. Nós sofremos mais, porque se eu deixar o meu chinelo no chão, por exemplo, ele tenta colocar o pezinho que tem dois dedinhos dentro, mas não dá certo e ele olha pra mim, como se estivesse perguntando por quê? Hoje, o Kauã não sofre por causa dessa má formação, porém, quando ele começar a entender, ele vai sofrer. Mas, se Deus quiser, quando o Kauã começar a entender isso, ele já vai ter feito a cirurgia”, finalizou.

As pessoas interessadas em conhecer mais sobre a história do pequeno Kauã Lincoln, podem acessar o perfil dele no Facebook, criado pela mãe, pelo link: https://www.facebook.com/kaua.ajude. Mais informações podem ser adquiridas com a própria Joyce, pelo telefone (34) 9 8866-4780.

Nenhum comentário: