terça-feira, 18 de abril de 2017

Assim como nos adaptamos para viver tranquilamente, podemos adaptar tudo para a chegada de um bebê! - GESTAÇÃO SOBRE RODAS


DESCRIÇÃO DA IMAGEM: Nesta imagem temos Eduarda que está grávida de 8 meses no meio da foto, sentada em sua cadeira de rodas, olhando para o chão e segurando sua barriga. Ele está vestindo um top branco e uma saia de tule colorida.

Ser mãe é algo tão extraordinário que nenhuma gestação acaba sendo igual a outra. Pode até acontecer coisas parecidas, mas mesmo que você leia 500 livros sobre o assunto, nunca encontrará todas as respostas.

O mesmo acontece com as mães cadeirantes que além de sentir várias sensações comuns, também enfrentam alguns situações diferentes por estar na cadeira de rodas. E como não existem muitos livros que falam diretamente sobre isso, nós decidimos conversar com uma mãe e compartilhar com vocês tudo o que ela passou e está passando durante sua gestação.

Para conversar com a gente, convidamos a nossa grande amiga Eduarda Oliveira que já esteve aqui no Cantinho dos Cadeirantes contando um pouco sobre sua vida. Ela nos contou que se tornou cadeirante há 4 anos, devido a um acidente automobilístico, ela teve uma lesão de nível T-11/T-12, que ocasionou a perda completa dos movimentos e sensibilidade das pernas.

Antes do acidente Eduarda já tinha sido agraciada com a vinda de seu primeiro filho Pedro, que na época do acidente estava com 5 aninhos. Hoje ele tem 9 anos e está aguardando ansiosamente pela chegada do irmãozinho!


DESCRIÇÃO: Nesta imagem temos a família de Eduarda e seus dois cachorros sentados na grama, todos sorrido. No lado esquerdo está o marido, ao lado direito está Eduarda, atrás dos dois está seu filho Pedro e na frente temos os dois cachorrinhos.

Veja como foi a nossa conversa com Eduarda Oliveira:

Seu filho Pedro está com 9 anos agora, mas quando houve o seu acidente ele tinha 5 aninhos... Naquela época, você chegou a questionar a sua capacidade de ser uma boa mãe para ele? 
Questionei muito a minha capacidade de ser uma boa mãe! Muita coisa mudou para mim com o acidente, mas para ele mudou mais ainda, pois eu fazia tudo com ele.

Eu levava e buscava ele na escola, passeávamos nos finais de semana para os parques e praças, ia nas apresentações das escolinhas (coisa que hoje é difícil devido à falta de acesso para mim). E do nada sofri o acidente e comecei a pensar que não conseguiria ajudá-lo em mais nada!
Graças a Deus eu estava muito muito enganada!

Você acreditou em algum momento que não conseguiria engravidar novamente?

Eu tinha uma certa convicção que não poderia ter mais filhos devido a essa condição, e acreditei que eu tinha sido mãe cedo porque era "o plano de Deus" para o que estava por vir... Pensava que era como ele me dissesse: "lhe darei um filho agora com 16 anos pois daqui uns anos você será incapaz" esse era meu pensamento!

Eu queria outro bebê, mas não nesse momento... planejava para depois de formada. Mesmo assim vivia pesquisando sobre gravidez e paraplegia, e pelo que lia nos artigos me sentia tranquila quanto a isso.


Você engravidou por querer, ou foi uma surpresa?

Devido a minha condição, os músculos foram enfraquecendo e com isso tive um Prolapso de bexiga e útero... Com o tempo a única solução seria a retirada do útero. A partir daí, os planos mudaram e comecei a batalha para engravidar! Se quisesse outro filho teria de ser agora!

Após 4 meses de tentativa e uma perda, eis que veio a surpresa! Um positivo!

Nesta imagem temos Eduarda vestindo roupas azuis, ela está de lado, olhando para sua barriga enquanto está sentada em sua cadeira de rodas. Ao fundo apare algumas árvores.

Como está sendo a gestação?

Minha gestação está sendo bem controlada!
Devido a minha condição somada à falta de circulação, ela é considerada de risco. Faço acompanhamento com vascular, obstetra, fisioterapia motora para estimular a circulação, uso controlado de aspirina para ajudar também na circulação do sangue. Tirando esses detalhes, estamos bem graças a Deus.
Do começo até uns 6 meses foi batata!!! Agora está tudo muito difícil. A barriga grande dificulta as transferências, o sono, a coluna dói mais que o normal. Sem duvida parte mais difícil é o peso da barriga.

Você logo achou um profissional que aceitasse acompanhar sua gestação, ou teve dificuldade nisso?

Tive um pouco de dificuldade de encontrar um profissional que me atendesse bem! Passei por 3 obstetras diferentes, fiquei em dúvida de 2 deles, mas no fim acho que fiz uma boa escolha.

É importante ressaltar o quanto é difícil encontrar um profissional que já teve pacientes cadeirantes e gestantes! Percebi o quanto eles ficam inseguros com essa situação.

Como você está planejando o parto?

Como não consigo fazer força, infelizmente o Bernardo virá ao mundo através de uma cesariana. O Pedro foi parto normal e eu queria muito que o Bernardo viesse deste modo também, mas após muita avaliação e conversa com os médicos, a decisão foi a cesariana mesmo. Para meu bem e pelo bem dele também.

Ainda não marcamos a data ao certo, mas ao que tudo indica será na semana do dia 18 de Abril.

                        
Eduarda segurando sua barriga, com um sorriso lido e olhando para o céu. Ela veste roupas azuis.

Como você está se sentindo?

Sou muito medrosa, e como uma boa medrosa estou me sentindo insegura e com bastante medo. Mas no fundo eu sinto que já deu tudo certo! O que me conforta e me acalma é exatamente pensar que já deu certo!

Você já fez alguma adaptação em sua casa para conseguir lidar com seu bebê?

O quartinho dele foi planejado para que eu tivesse espaço para tocar a cadeira. O trocador e a cama de babá tem a altura certa para mim! Desta forma consigo fazer as transferências sem medo e consigo trocar ele sem ajuda e sem incomodo.

O bercinho dele também foi escolhido especialmente pensando na facilidade de eu mesma colocá-lo e tirá-lo sozinha sem ajuda. Ele abaixa uma das grades laterais.

Tem alguma coisa que queira acrescentar e deixar um recado para as futuras mamães cadeirantes?

Bom, sim é possível ser mãe da cadeira de rodas!

Assim como nos adaptamos para viver tranquilamente nossas vidas, é possível adaptar tudo para a chegada de um bebê! Desde que se faça acompanhamento pré natal certinho, é possível ter uma gestação tranquila!

É uma etapa da vida que toda e qualquer mulher deve experimentar! É um sentimento inexplicável. Cada chute, cada pulinho é um misto de amor e felicidade fora do comum! Acompanhar o crescimento e desenvolvimento de um ser dentro de nosso ventre é fantástico.

Então, vamos aguardar a chegada do Bernardo e emanar energias positivas para a mamãe Eduarda e para toda sua família!

Em breve traremos novidades sobre eles e prometo postar uma foto do pequeno Bernardo assim que nascer!


Nesta imagem temos Eduarda de olhos fechados, uma coroa de flores, sentada em um balanço, vestindo um top branco e uma saia branca bem volumosa. Ao fundo aparece algumas árvores.

Fonte: cantinhodoscadeirantes.com.br - fotos: Arquivo pessoal

Nenhum comentário: