quarta-feira, 26 de abril de 2017

Beck sempre foi rejeitada quando mostrava suas costas, mas isso a deu coragem para fazer ensaio fotográfico e assumir o seu corpo!

Aos quatro anos, Becky foi diagnosticada com escoliose, o que lhe deu uma curva grave na coluna. Ela agora precisa de uma cadeira de rodas para se movimentar e ás vezes também tem paralisia aleatória que pode durar semanas.

Becky tem lutado com a sua confiança e muitas vezes se sente insegura. E decidir fazer uma série de auto-retratos - focando inteiramente em seu corpo - foi um grande desafio.

"Sempre foi algo que eu queria fazer, mas nunca tive a coragem"..."Até que um dia encontrei uma fotógrafa que fotografou pessoas com escoliose. Ela também tinha escoliose, e eu achei incrível!", disse Beck.

Becky acabou recebendo algumas fotos tiradas por essa fotógrafa, o que lhe deu confiança para concentrar seus dois projetos universitários focando seu corpo e sua deficiência.


Isso resultou em "I'm Fine", um projeto para o qual Becky posou para auto-retratos de topless em uma cadeira de rodas.

"Eu só queria uma maneira de mostrar minha deficiência, mas também dizer a todos que estou bem, não vou quebrar se você me tocar...", explica Becky.

O projeto inicialmente começou como uma maneira para Becky explorar o namoro de pessoas com deficiência, mas lentamente se transformou em um projeto sobre auto-aceitação e desafiando a percepção da beleza das pessoas com deficiência.

Através da internet Becky teve alguns namoros on-line, mas ela só usava fotos que mostravam seu rosto.

"Eu estava muito insegura de mim para mostrar minhas costas", diz Becky. - E eu não queria que as pessoas me julgassem.

Becky também enfrentou dificuldades na hora da "revelação" de sua deficiência, ela estipulava datas mas tinha medo de ser rejeitada. 

"Eu acreditava que se eu falasse com alguém por algum tempo e naturalmente tivéssemos uma conexão, então não faria diferença para eles assim que eu lhes contasse sobre minha deficiência"... "Infelizmente, eu estava errada!"... " Falei com vários caras, às vezes por meses, e assim que eu lhes contava eles simplesmente começavam a desaparecer.", conta Beck.


O projeto está respondendo a essa experiência, mostrando a todos que não há nada errado, Becky é totalmente capaz de namorar, e que ela é capaz de ser sexy, também.

Becky nos disse: 'Acho que é realmente importante ter mais pessoas com deficiência na mídia, sendo retratado como sexy, porque por que não deveríamos?

"Todos nós deveríamos ser feitos para nos sentirmos lindos. Todo mundo é bonito de uma maneira diferente e que deve ser comemorado."


"Quando comecei a fazer as fotos, eu estava realmente nervosa... Eu me senti muito exposta e quando comecei a pensar que essas fotos seriam vistas por todos os meus professores e colegas, isso me assustou mais ainda!..."

"Eu realmente me expus, mas fico feliz por ter feito isso porque minha auto-estima e confiança foi crescendo."

Além dos auto-retratos de topless, Becky também criou uma peça de arte interativa em que ela foi pintada como uma estátua, e pediu às pessoas para cobri-la com "handprints" (suas mãos sujas de tinta).


Suas costas eram o último lugar que as pessoas tocavam em seu corpo. É emblemático, é algo que Becky lida diariamente - as pessoas sentem que têm que tratá-la de forma diferente por causa de sua deficiência.

"Acho que às vezes as pessoas precisam lembrar que só porque alguém tem uma deficiência, não as torna diferentes. Você pode falar com eles como qualquer outra pessoa."

A mensagem de seu projeto é simples: não julgue alguém com base na aparência de seu corpo.

"Não basta olhar para alguém e assumir algo"..."Não olhe para mim e veja minhas costas e me exclua. Sou como você!", diz Beck.


Nenhum comentário: