domingo, 2 de abril de 2017

Família de criança com surdez profunda faz campanha para cirurgia na Turquia: 'É a única chance dela', diz mãe

Elena Miguel, de quase 2 anos, nasceu com ausência do nervo e malformação coclear. Família, que é de São Roque (SP), precisa de R$ 320 mil para um implante considerado a única chance da menina ouvir.

Por Natália de Oliveira, G1 Sorocaba e Jundiaí

Família de criança com surdez profunda faz campanha para cirurgia na Turquia: 'É a única chance dela', diz mãe 

Familiares e amigos da pequena Elena Noggerini Andreoli Miguel, de 1 ano e 11 meses, moradora de São Roque (SP), estão mobilizando a internet em uma campanha para ajudar a menina que nasceu com ausência do nervo e malformação coclear, o que causa surdez profunda bilateral. Ou seja, ela não escuta nada, em nenhum dos dois ouvidos.

A mãe, Carla Noggerini Andreoli, de 31 anos, conta que a única chance da filha conseguir ouvir é por um implante no tronco cerebral. No entanto, o custo do procedimento é aproximado em R$ 320 mil e é feito fora do país, mais precisamente na Turquia.

O problema é que essa cirurgia não é comum. Poucos médicos são especialistas e os resultados ainda são inconclusivos, mas há um profissional na Turquia com experiência no procedimento que garante grandes chances de resposta positiva.

Família de Elena tem recebido ajuda de amigos e até desconhecidos (Foto: Arquivo Pessoal)
Família de Elena tem recebido ajuda de amigos e até desconhecidos (Foto: Arquivo Pessoal)

Como a família não tem condições financeiras para arcar com o valor - que inclui também os custos da viagem e hospedagem na Turquia -, uma corrente foi formada na internet para arrecadar o dinheiro, seja através da venda de rifas, camisetas, chocolates e até a realização de eventos, como uma aula de dança.

Para isso, uma página em uma rede social foi criada com o nome 'Ajude Elena', onde é divulgado os eventos e os dados da conta bancária para depósito.

"Optamos pela cirurgia depois de nos assegurar que isso não traria riscos desnecessários para a Elena. Queremos oferecer a ela tudo que possa tornar a vida dela mais próxima do normal', onde não haja barreiras de nenhum tipo, nem de comunicação. Hoje o nosso objetivo é conseguir custear essa cirurgia", acrescenta a mãe.

O procedimento precisa ser realizado o quanto antes devido a plasticidade do cérebro da menina, que irá completar dois anos agora em abril. Sabendo disso, a família já até marcou a data da cirurgia.

"Entramos em contato com o cirurgião, enviamos todos os exames da Elena pelos Correios e já agendamos tudo. Teremos que fazer um depósito de cerca de U$ 30 mil até maio para garantir o procedimento e ainda não temos esse dinheiro, mas não dá para esperar".

A cirurgia está marcada para o dia 4 de julho, no Hospital da Universidade de Ancara, capital da Turquia. Por conta dos exames pré-operatórios, Elena será internada no dia 28 de junho. Assim, a família irá sair de São Roque com destino à Turquia já no dia 26.

"Já arrecadamos R$ 7 mil, é pouco dinheiro perto do que a gente precisa, mas tão grande diante de tanta generosidade de pessoas que a gente nem conhece. Estamos esperançosos", se emociona a mãe.

                        Diagnóstico da surdez demorou para ser feito em Elena (Foto: Arquivo Pessoal)
                        Diagnóstico da surdez demorou para ser feito em Elena (Foto: Arquivo Pessoal)

Erro no 'teste da orelinha

Elena nasceu no dia 4 de abril de 2015 com 3,090 kg e 48 centímetros. Por ser a primeira neta, ela era muito esperada pela família e se tornou o "xodó" de todos na casa.

Ainda na maternidade, vários exames foram realizados em Elena, entre eles o 'teste da orelhinha', que teve resultado normal. Mas os primeiros meses de vida da menina foram bem complicados, pois ela chorava muito e parecia não se adaptar ao leite materno.

Por isso, Elena foi levada a muitos médicos e submetida a vários exames que deram diagnósticos confusos. O leite foi trocado e ela passou a se desenvolver melhor, mas algo ainda incomodava os pais.

"Ela não respondia aos nossos chamados de voz. Minha sogra fazia um escandâlo quando ia em casa e a Elena só se empolgada ao vê-la quando ela estava em seu campo de visão. Além disso, ela não balbuciava os primeiros sons da fala. Daí a gente foi desconfiando que algo estava errado", comenta Carla.

Depois de muitas consultas, exames e, principalmente, muita espera, a família descobriu que Elena tinha surdez profunda bilateral. Assim que soube do diagnóstico, a menina foi encaminhada para o grupo de implante coclear do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

O implante poderia fazer Elena ouvir, de uma maneira computadorizada, mas ela, com todo o acompanhamento, poderia falar e ter uma vida normal.

Mas quando tudo já estava encaminhado para a cirurgia no hospital de São Paulo, um exame revelou que Elena tem surdez profunda com ausência de nervo e malformação coclear bilateral, o que impossibilita a cirurgia de implante coclear. Por isso a a única chance da menina poder ouvir, um dia, seria o implante de tronco cerebral.

Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: