terça-feira, 4 de abril de 2017

Fila para tratamento de autismo em Campinas chega a 206 pacientes -Veja o vídeo.

Adacamp é a única instituição conveniada para tratamento e já conta com 204. Destes, 48 são atendidos com verba da Prefeitura.

Por Jornal da EPTV 2ª Edição

Instituição que atende autistas em Campinas está sem vaga (Foto: Reprodução/EPTV)
Instituição que atende autistas em Campinas está sem vaga (Foto: Reprodução/EPTV)

A fila para atendimento na Associação para o Desenvolvimento dos Autistas de Campinas (Adacamp) chega a 206 pessoas, de acordo com a Prefeitura. A instituição é a única conveniada com o governo municipal para tratamento gratuito na cidade e não tem aumento no número de vagas há pelo menos cinco anos. As outras unidades que que prestam assistência são particulares.

Click AQUI para ver o vídeo.

Atualmente, a Adacamp auxilia no tratamento de 204 autistas. Destes, uma parte é atendida com verbas dos governos federal e estadual, enquanto 48 são mantidos pela administração municipal. A secretária de Direitos da Pessoa com Deficiência e Cidadania, Eliane Pereira, afirmou que tem trabalhado para aumentar o valor dos repasses.

“O município tem acompanhado, tem buscado a resolução das dificuldades e, na medida do possível, estamos tentando ampliar essa oferta de vagas quando a situação econômica começar a melhorar para que a gente possa corresponder à sociedade ”, explicou a titular da pasta.

Transtornos

A dona de casa Paula Caetano tem dois filhos com autismo, mas apenas um conseguiu atendimento na instituição por conta da falta de vagas. “A gente fica muito angustiada de não conseguir um atendimento adequado para eles, porque eles realmente precisam, é importante", contou a mãe.
Já a relações públicas Fernanda Teixeira mora em Campinas, mas precisa levar o irmão, de 36 anos, para fazer tratamento em Valinhos (SP). No local, o paciente faz aulas de dança, fisioterapia e já teve evolução no quadro. No entanto, a clínica corre o risco de fechar as portas por falta de verbas.

“Desde o ano passado, ele já entrou em filas em várias entidades e nunca o meu telefone tocou. Ele nunca foi chamado, nem que seja só para uma avaliação", disse Fernanda.

Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: