quarta-feira, 12 de abril de 2017

Menina de 11 anos cria projeto e doa cestas básicas e cadeiras de roda a pessoas carentes

* Colaborou Giuliana Saringer, estagiária do R7.

Reprodução/ Facebook
Clara estuda, toca o projeto Esperança e brinca

A estudante Clara Luz Hermida, de 11 anos, desde cedo enxerga a importância de fazer o bem para o próximo. A rotina da menina, que mora em Uberlândia (MG), é preenchida pelos estudos, brincadeiras infantis e um trabalho geralmente comandado por maiores de idade: o projeto Esperança, cujo objetivo é dar assistência a pessoas carentes.

Quando tinha 8 anos de idade, Clara assistiu na televisão ao clipe da música Pray, do cantor norte-americano Justin Bieber. Na letra, o cantor fala sobre a esperança de que o mundo tenha condições melhores para as pessoas carentes, ilustrado por crianças haitianas passando por necessidade. A partir disso, Clara resolveu que queria começar a fazer a diferença no local em que mora.

A pequena ligou para os pais e disse que queria iniciar um projeto social para ajudar pessoas carentes. Em um primeiro momento, o pai da garota, Luis Antônio Caldas Hermida Marques, conta que ficou apreensivo, mas hoje diz sentir muito orgulho da menina.

Ela é uma criança com um coração diferenciado.

Por meio do projeto, Clara aceita doações de pessoas de todo o Brasil. A menina recebe cestas básicas, cadeiras de rodas, muletas, cadeiras de banho e andadores para doar ou emprestar para as pessoas mais necessitadas. As redes sociais são fundamentais: à medida que recebe um pedido de uma pessoa necessitada, posta o pedido online para conseguir doações. Para ela, fazer o bem é a motivação para seguir com o projeto.

Eu me sinto bastante feliz com o projeto. Tenho mais vontade de continuar quando a pessoa fala que a cadeira ou o alimento fez bem para ela.

Clara afirma que quanto maior a visibilidade do projeto, mais ele cresce e, consequentemente, mais pessoas poderão ser ajudadas pela iniciativa. Ela conta que a credibilidade do trabalho só aumenta.

De berço

Segundo o pai da jovem, Clara sempre esteve envolvida em projetos sociais. Responsável por um projeto de ressocialização de dependentes químicos, diz que a filha sempre esteve presente nas ações feitas pela organização. Ao descobrir que ela queria começar uma empreitada social, Luis sabia que seria um processo complexo.

Reprodução/ Facebook
Os pais de Clara monitoram as redes sociais dela para evitar que ela tenha contato com conteúdos que consideram inapropriados para a idade


A gente tentou nem estimular nem desestimular, porque é difícil ter um projeto. Só que ela começou a querer fazer cada vez mais coisa e ajudamos.

Por causa da repercussão da ideia, Clara está se tornando cada vez mais conhecida nas redes sociais. Luís conta que, como ela é uma criança de 11 anos, toma alguns cuidados a mais. Ao lado da mãe, cuida de todas as redes sociais da pequena, menos do instagram.

O monitoramento evitou que Clara visse uma foto imprópria de um homem adulto mandada pela ferramenta de mensagens do Facebook, por exemplo.

A vida dela está antes de tudo.

Além disso, os estudos são uma prioridade na vida de Clara. O pai conta que cobra todos os dias que a menina se dedique. Segundo ele, “o estudo é tudo”.

Quer colaborar? Os interessados em ajudar o projeto de Clara podem entrar em contato pelo número (34) 9641-5718.

Nenhum comentário: