quarta-feira, 12 de abril de 2017

Menina de 2 anos dá lição sobre preconceito

“Eu fiquei extremamente orgulhosa da minha filha”, contou a mãe, em entrevista à CRESCER. Caso aconteceu nos Estados Unidos

Por Vanessa Lima

Sophia e sua boneca (Foto: Reprodução/ Facebook Brandi Benner)
Sophia e sua boneca (Foto: Reprodução/ Facebook Brandi Benner)

Quando a pequena Sophia, 2 anos, completou um mês de sucesso usando o penico, seus pais resolveram presenteá-la com um brinquedo. Eles a levaram a uma loja e a deixaram escolher algo de que gostasse. Ela não teve dúvidas: saiu feliz de um dos corredores, segurando uma boneca. A família, então, se dirigiu ao caixa e a atendente começou a conversar com a criança. “Ela perguntou a Sophia se ela estava indo a uma festa de aniversário. Nós duas olhamos para ela, que apontou a boneca e perguntou se Sophia havia escolhido para uma amiga”, contou a mãe da menina, Brandi Benner, de acordo com a página página Love what matters, no Facebook.

Ainda sem perceber o real motivo das perguntas da funcionária, a mãe contou, feliz, que a boneca era um prêmio por Sophia estar conseguindo parar de usar fraldas. “A mulher olhou, confusa, e perguntou à Sophia: ‘Você tem certeza de que essa é a boneca que você quer, querida?’. Quando a menina respondeu que sim, a atendente, não satisfeita, replicou: “Mas ela não se parece com você. Temos várias outras bonecas muito mais parecidas”, referindo-se ao fato de  a boneca ser negra e a menina ser branca.

A mãe, então, entendeu o que estava acontecendo, mas nem precisou abrir a boca, porque a própria Sophia se encarregou da resposta. “Sim, ela se parece comigo. Ela é médica e eu também sou. Eu sou uma menina bonita, ela também é. Você vê como o cabelo dela é bonito?”, replicou a menina. A atendente, então, decidiu parar por ali.

Em entrevista à CRESCER, Brendi, mãe de Sophia, contou que não achou que a funcionária da loja estava sendo maliciosa, mas, de qualquer maneira, disse que foi inapropriado. “Se minha filha não tivesse falado nada, eu teria dito a ela que seu comentário tinha sido inadequado e muito desencorajador. As crianças não precisam sentir que seus brinquedos precisam se parecer com elas. Eles devem olhar para o mundo ao seu redor”, explicou. “É claro que fiquei extremamente orgulhosa da minha filha”, disse.

A história foi replicada mais de 20 mil vezes no Facebook e foi noticiada em portais de vários locais do mundo. Brendi não esperava tanta repercussão assim. “Eu nunca, em um milhão de anos, pensei que nossa história chegaria a tantas pessoas. Sophia não entende que ela ‘viralizou’, mas tem sido muito gratificante e difícil ao mesmo tempo processar tudo isso para nós, como pais dele. Fico muito grata por isso ter tido um impacto tão positivo, em tantas pessoas. Nossa mensagem principal aos nossos filhos têm sempre sido o amor. Diga e faça tudo com amor, mesmo quando estiver chateado. E, pelo incrível retorno que tivemos, posso dizer que não somos os únicos pais criando os filhos dessa maneira. Isso me deixa muito esperançosa para o futuro!”, conta a mãe.

Nenhum comentário: