sexta-feira, 28 de abril de 2017

O que aconteceu aos dois médicos que associaram as vacinas ao autismo?

O britânico Andrew Wakefield e o norte-americano Jeff Bradstreet associaram as vacinas ao autismo. O primeiro foi proibido de exercer e o segundo ter-se-á suicidado.

por Marlene Carriço



Nos últimos dias, tem sido notícia o surto de sarampo que se está a viver em 14 países europeus, onde se inclui Portugal. A Direção-Geral da Saúde (DGS), através de comunicados, assim como os responsáveis de saúde, têm sensibilizado a população para a importância da vacinação, que tem uma eficácia “muito grande”.

Em toda a Europa a questão da vacinação, e das bolsas de população não vacinadas, tem sido posta em cima da mesa. O Observador recorda-lhe a história de dois médicos que tentaram associar a vacina ao autismo.

Peter Macdiarmid/Getty Images
Andrew Wakefield assinou um artigo, em 1998, onde se associava a vacina contra o sarampo ao autismo

Andrew Wakefield foi proibido de exercer medicina

Em 1998, um artigo da autoria de Andrew Wakefield e outros 12 especialistas é publicado na conceituada revista The Lancet. Esse artigo sugeria a relação entre a vacina VASPR (contra o sarampo, a parotidite (papeira) e rubéola) e o autismo, partindo de um estudo de caso com uma amostra de 12 crianças.

Desde início que foi sendo apontada falta de solidez ao estudo, mas isso não impediu que o mesmo tivesse um grande impacto junto da comunidade, gerando um movimento antivacinação. De tal forma que, entre 2003 e 2004 a taxa de vacinação contra o sarampo, a parotidite epidémica e a rubéola no Reino Unido, nas crianças com dois anos, baixou para valores na ordem dos 80%. E, em 2008, pela primeira vez em 14 anos, o sarampo foi declarado endémico em Inglaterra e no País de Gales.

Ao longo da década que sucedeu à publicação do dito estudo 14 estudos científicos — inclusive levados a cabo pelo Instituto de Medicina da Academia Nacional das Ciências — vieram afastar qualquer associação entre a dita vacina e o austismo.

Entretanto em 2004, o Sunday Times noticiou que Wakefield falsificou dados clínicos em troca de dinheiro dos advogados dos pais de crianças autistas que queriam processar os produtores da vacina. Por essa altura, 10 dos restantes 12 autores do artigo retiraram os seus nomes da publicação. Uns anos mais tarde, outra investigação levada a cabo pelo British Medical Journal (BMJ) revelou que Wakefield recebeu dos advogados o equivalente a cerca de 435 mil libras, e que das 12 crianças analisadas cinco já tinham problemas de desenvolvimento antes de receberem a vacina e outras três nunca tiveram autismo.

Em fevereiro de 2010, e perante todas as evidências, a revista científica britânica The Lancet pediu desculpa pela publicação do artigo e retirou-o dos arquivos, dizendo que estava claro que vários elementos “estão incorretos”.

Passados três meses, na sequência de um dos inquéritos mais longos da sua história, o General Medical Council considera provada a acusação de má prática grave contra Wakefield e aplica-lhe a pena de expulsão, por ter agido de forma “desonesta e irresponsável” e ter múltiplos conflitos de interesses.

Em 2010, o General Medical Council expulsa Andrew Wakefield

James Jeffrey Bradstreet relacionou não apenas a vacina contra o sarampo mas as vacinas em geral ao autismo

Jeffrey Bradstreet ter-se-á suicidado

Se no Reino Unido, Andrew Wakefield associou a VASPR ao autismo, do outro lado do Atlântico, o médico norte-americano James Jeffrey Bradstreet relacionou não apenas a vacina contra o sarampo mas as vacinas em geral ao autismo, isto porque, segundo ele, o problema estava na toxicidade do mercúrio presente nas vacinas. Uma teoria rejeitada por grande parte da comunidade médica e científica mundial.

O médico dizia que as crianças autistas tinham quantidades de mercúrio no corpo maiores que as crianças sem autismo. E usava, nestas crianças, uma terapia (terapia da quelação) para eliminar metais pesados do organismo.

Durante cerca de duas décadas, Bradstreet alimentou um movimento anti-vacinação, ficando conhecido por ser um dos maiores ativistas deste movimento. E publicou vários artigos no Journal of American Physicians and Surgeons.

Em 2015, e depois de o seu consultório ter sido alvo de uma visita pela Food and Drug Administration (o regulador do medicamento norte-americano), o corpo de Jeff Bradstreet, na altura com 61 anos, foi encontrado por um pescador num rio da Carolina do Norte. Bradstreet tinha um ferimento de bala no peito e suspeita-se que se terá suicidado.

Nenhum comentário: