quarta-feira, 10 de maio de 2017

'Meu maior foco é a independência dele', diz mãe de criança com paralisia cerebral - Veja o vídeo.

Pedro nasceu prematuro em Campo Grande, passou os primeiros dias na UTI e os médicos diziam que ele não conseguiria segurar a cabeça.

Por TV Morena

Resultado de imagem para 'Meu maior foco é a independência dele', diz mãe de criança com paralisia cerebral
Mães de MS dão muito amor a filhos especiais

Milena Gunther não mede esforço para ver o filho Pedro, de 5 anos, viver normalmente como o irmão caçula Thiago. A luta pela vida começou assim chegou ao mundo. Ele nasceu prematuro, na 28ª semana de gestação, passou os primeiros dias no Unidade de tratamento Intensivo (UTI) e aos nove meses de idade foi diagnosticado com paralisia cerebral.

Click AQUI para ver o vídeo.

“Muito prematura, com 1,3 quilo somente. Depois do nascimento do Pedro passei por várias experiências que não eram de uma maternidade. Quando Pedro chegou, eu vi um bebê que não era um bebê que eu tinha imaginado, que toda minha tinha imaginado. Eu me deparei com uma situação que foi desafiadora. Um bebe muito menor, que ficou em UTI com aparelhagem, um bebê que não veio pro meu colo”, disse Milena.

Depois de nove meses em casa, a pediatra anunciou o segundo diagnóstico que chocou a família. Pedro tinha paralisia cerebral. “A médica nos disse que nosso filho não iria conseguir segurar a cabeça dentro de várias situações, que ele provavelmente iria usar um colete cervical, que as possibilidades dele seriam bem restritas. Perdemos o chão, fiquei três meses sem entender o que estava acontecendo com a nossa família, que desafio era aquele”, afirmou Milena.

Aos 5 anos, Pedro ainda não fala, mas já consegue sentar e se levantar depois dos métodos, terapias e tratamentos que a mãe buscou para melhorar a qualidade de vida do filho. A próxima batalha é um tratamento na Tailândia com células tronco.

“A Tailândia é dos lugares que tem banco de células tronco embrionária. Quando as crianças nascem eles têm o hábito de armazenar as células tronco e a gente não tem aqui. Eu sei que lá vou conseguir alguns avanços. Quando Pedro tiver 15 anos eu vou olhar para ele e vou dizer: ‘Pedro está no seu 100%’”, afirmou a mãe.

Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: