quinta-feira, 4 de maio de 2017

Projetos estimulam inclusão de pessoas com deficiência em SC

Três novos projetos voltados à inclusão no mercado de trabalho e mobilidade foram oficializados ontem em Florianópolis

Foto: Betina Humeres DC

Lançadas na última terça (2), três iniciativas pretendem garantir a inclusão e acessibilidade da pessoa com deficiência (PCD) em Florianópolis (SC). Uma delas é o já inaugurado Espaço Inclusivo, local inédito no estado, que funciona como uma agência de empregos exclusivamente para pessoas com deficiência (PCDs). Outros dois que começam a sair do papel são os projetos Porta a Porta e Rotas Acessíveis, que prevê obras de acessibilidade no centro da capital.

A cerimônia de assinatura da proposta Floripa Inclusiva ocorreu no gabinete do prefeito Gean Loureiro. A ideia é confirmar o compromisso para a realização, ao longo deste ano e dos próximos, de várias ações de inclusão social para PCDs.

A primeira iniciativa, o Espaço Inclusivo, já mostrou para o que veio com o 1º Feirão de Empregos para PCDs realizado ainda em abril, no novo espaço, que fica no Mercado Público. Mais de 100 pessoas foram encaminhadas para as oportunidades, informou a prefeitura de Florianópolis.

Nesta semana, na quinta-feira, um novo feirão será realizado no mesmo local, na Rua Conselheiro Mafra, com novas vagas exclusivas para PCDs. Mais de 10 empresas são parceiras no evento, e devem disponibilizar cerca de 100 novas oportunidades. Entre as empresas participantes estão Cassol, Khronos, Riachuelo e Ambev. O feirão ocorre das 10h às 16h. É importante levar a carteira de trabalho e currículo atualizado.

Porta a porta

Programa de transporte gratuito, que busca em casa a pessoa que usa cadeiras de rodas ou tem mobilidade reduzida, e que mora em locais de difícil acesso ou longe de pontos de transporte coletivo. Ganharão prioridade os usuários que desejam ir para escola, creche ou universidade, destinos relacionados ainda à saúde e trabalho.

A iniciativa é da Associação Florianopolitana de Deficientes Físicos (Aflodef), que briga há 10 anos para a implantação deste projeto na cidade, explicou o presidente, José Roberto Leal. Atualmente, a Aflodef já oferece um serviço parecido, em um convênio com a própria prefeitura.

Com o lançamento do projeto, quatro novos carros serão adquiridos, totalizando 10 veículos que transportarão os usuários, afirmou José Roberto Leal. O presidente espera que a atual fila de espera de cerca de 40 pessoas que desejam ser atendidas pelo serviço diminua ou até deixe de existir. A meta, confirmou a prefeitura, é garantir o serviço para cerca de 80 pessoas.

— Estamos particularmente muito felizes. Crianças que estudavam em escolas estaduais, por exemplo, que não tinham mais como ir para escola, serão atendidas novamente. Tenho certeza que será uma iniciativa que vai garantir mais inclusão do cadeirante — comemora o popular Zezinho.

O serviço funcionará conforme agendamento prévio. Ganharão prioridade os que moram em difícil acesso e em regiões carentes. De acordo com a secretária de Assistência Social, Katherine Schreiner, ainda falta definir se o agendamento será feito através de uma central telefônica ou de outra forma. O projeto, a partir da assinatura, informa ela, terá 60 dias para começar.

Acessibilidade no Centro

O projeto Rotas Acessíveis pretende iniciar obras como pavimentação requalificada, rampas com inclinações suaves e maior espaço de circulação no Centro de Floripa.

A primeira etapa será uma rota acessível, ligando a Rodoviária Rita Maria ao Terminal de Integração do Centro (Ticen). O projeto foi feito pelo Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (Ipuf), explica a secretária de Assistência Social. A segunda etapa contemplará a região central de Florianópolis. As obras ainda não têm data certa para começarem.

Nenhum comentário: