quinta-feira, 1 de junho de 2017

Jovem autista encontra refúgio no fliperama, ganha habilidades sociais e vira campeão mundial.

Canadense Robert Gagno diz que o autismo lhe ajudou a se tornar 'fera' do pinball - que, por sua vez, aumentou sua autoconfiança e habilidades sociais.

Por BBC

Robert Gagno aproveitou sua capacidade de concentração para se superar no pinball (Foto: Wizard Mode)
Robert Gagno aproveitou sua capacidade de concentração para se superar no pinball (Foto: Wizard Mode)

Robert Gagno acredita que ter autismo o ajudou a se tornar campeão mundial de fliperama. Ao mesmo tempo, é certo dizer que jogar fliperama tem ajudado Robert a viver com autismo.

Quando o canadense de 27 anos joga fliperama na galeria perto de sua casa, nas redondezas de Vancouver, geralmente uma multidão se reúne para assistir. Robert tem tanto controle do jogo que é capaz de fazer com que cada bolinha permaneça "viva" por até uma hora. Ele frequentemente quebra recordes, deixando suas iniciais - REG, de Robert Emilio Gagno - no ranking de vencedores.

"Se estou jogando por diversão, consigo repetir tiros certeiros sem parar e, ao mesmo tempo, descobrir quais são os movimentos que recebem o maior número de pontos", revela o jovem.

Ele se debruça quase que horizontalmente sobre a máquina de fliperama, movimentando a bola cuidadosamente sobre os flippers (as duas alavancas usadas para impedir que as bolas caiam na caçapa), antes de atirá-la para o campo de jogo, enquanto o brilho das luzes explodindo dos bumpers (os obstáculos em forma de cogumelo) se reflete em seus óculos.

Robert diz que foi essa combinação de luzes e sons que primeiro o atraíram para o jogo.

Robert durante o campeonato mundial de pinball: pessoas se aglomeram para vê-lo jogar (Foto: Wizard Mode)
Robert durante o campeonato mundial de pinball: pessoas se aglomeram para vê-lo jogar (Foto: Wizard Mode)

"Quando ele tinha cinco anos, uma vez eu o levei para comer um hambúrguer", conta o pai, Maurizio. "Havia uma máquina de fliperama no canto (da lanchonete) e ele ficou mais interessado nela do que na comida. Minha mulher, Kathy, e eu percebemos que poderíamos sentar e relaxar um pouco enquanto Robert jogava."

Kathy, a mãe, percebeu que seu filho era "diferente" logo cedo. Ele era fascinado por avisos de "saída" dos lugares, gostava de girar em círculo e gritava durante encontros com outros pais e crianças.

Robert tinha dificuldade em formar frases até os sete anos (Foto: Wizard Mode)
Robert tinha dificuldade em formar frases até os sete anos (Foto: Wizard Mode)

"A palavra 'autismo' foi mencionada pela primeira vez quando Robert tinha três anos", diz Kathy.

"Não era algo conhecido naquela época. Os livros que encontrava na biblioteca diziam que era um problema ligado a deficiências na educação dada pelos pais, o que não fazia sentido para mim."

Robert levou mais tempo do que a média para aprender a falar, e suas palavras saíam todas fora de ordem. Ele ficava frustrado por não conseguir se fazer compreender - e lembra de se sentir deslocado.

"Ele era um menino doce e engraçado, mas exigia muita supervisão. Sempre falávamos abertamente de suas dificuldades às outras crianças, explicando a elas que 'às vezes pode não parecer, mas ele está muito contente por brincar perto de vocês'", conta Kathy.

Jovem disputa campeonatos na Europa e América do Norte (Foto: Wizard Mode)
Jovem disputa campeonatos na Europa e América do Norte (Foto: Wizard Mode)

O fliperama era um refúgio em um mundo tumultuado para Robert. Seus pais lhe compraram uma máquina própria, chamada Whirlwind, quando ele tinha dez anos de idade. Ele chegava a passar horas e horas do dia tentando melhorar sua pontuação.

Hoje, a família guarda uma dúzia dessas máquinas em sua garagem em Burnaby, perto de Vancouver.

À medida que a habilidade de Robert crescia, sua autoconfiança melhorava. Ele passou a jogar em lugares abertos, como boliches e salões de jogos.

"(O jogo) ajudou-o com coisas como saber quando era a vez dele de falar, ter espírito esportivo, conversar com os outros e isso certamente impulsionou sua autoestima", conta a mãe.

E, além disso, deu-lhe a oportunidade de fazer novos amigos.

"Gosto de jogar com outras pessoas em torneios. Há bons jogadores em Vancouver, e é divertido tentar superar os recordes uns dos outros ou ensinar truques a outros jogadores", diz Robert.

Campeonatos ajudaram Robert a desenvolver habilidades sociais (Foto: Wizard Mode)
Campeonatos ajudaram Robert a desenvolver habilidades sociais (Foto: Wizard Mode)

Robert passou a competir em torneios de fliperama aos 19 anos. Hoje ele é o principal jogador do Canadá e está entre os dez melhores do mundo.

Ele acha que o autismo melhorou suas habilidades no jogo.

"Acho que consigo focar em uma única coisa por um bom tempo e tenho uma forte memória visual. Então só preciso jogar uma vez em uma máquina para me lembrar (dela). Também consigo perceber várias coisas acontecendo ao mesmo tempo e rapidamente calculo para onde a bola deve ir."

Jovem sonha em se tornar mais independente de seus pais (Foto: Wizard Mode)
Jovem sonha em se tornar mais independente de seus pais (Foto: Wizard Mode)

Mas a condição também traz desvantagens. Robert tem dificuldade em identificar certas "pistas" sociais, como o melhor momento em dar um abraço num amigo.

"Acho difícil entender quando falar e quando não falar, ou decidir qual a melhor forma e momento de cumprimentar pessoas", comenta.

Ele também sofre para escolher "as palavras certas" para cada situação. Em um documentário sobre ele, chamado Wizard Mode, ele é questionado sobre o que gostaria que um empregador soubesse a seu respeito. "Que sou afetuoso", responde. Ao que sua mãe agrega: "Acho que você quer dizer que é amigável e consegue se relacionar com as pessoas".

E o autismo também pode ter um efeito negativo em seu jogo.

Maurizio, pai de Robert, guarda uma dúzia de máquinas de pinball na garagem (Foto: Wizard Mode)
Maurizio, pai de Robert, guarda uma dúzia de máquinas de pinball na garagem (Foto: Wizard Mode)

"Tendo a ficar mais ansioso e posso ter dificuldade de concentração se estou incomodado ou preocupado. Quando isso acontece, não jogo tão bem", explica Robert.

Quando está às vésperas de um campeonato, ele joga fliperama por cerca de duas horas ao dia. Seu pai o ajuda nos preparativos para as inevitáveis mudanças de rotina durante os torneios - algo que costuma ser trabalhoso para Robert.

"Conversamos sobre coisas como a espera nos aeroportos", relata Maurizio. "Eu também faço as inscrições nos torneios e fico de olho para que ele se alimente e durma o suficiente, caso contrário, ele provavelmente esqueceria disso."

Maurizio é uma espécie de técnico, ajudando Robert a se manter calmo e não deixar que partidas ruins o atrapalhem.

Maurizio é uma espécie de técnico do filho (Foto: Wizard Mode)
Maurizio é uma espécie de técnico do filho (Foto: Wizard Mode)

Eles participam de torneios na Europa, no Canadá e nos EUA. O prêmio mais cobiçado é Campeonato Mundial de Fliperama da Associação Profissional e Amadora de Pinball (Papa, na sigla em inglês), realizado na Pensilvânia, de onde sai o campeão mundial.

Robert tentou a sorte no ano passado e surpreendeu. Avançou rapidamente e chegou à final contra o favorito, Zac Sharp, que escolheu a máquina em que competiriam - Flash Gordon, um fliperama antigo e notadamente difícil. Mas a alta pontuação obtida por Robert em sua segunda bola mostrou-se imbatível. Momentos depois, o canadense estava com o troféu de campeão mundial nas mãos, sob o olhar marejado de seu pai.

Robert com o troféu de campeão mundial em 2016 (Foto: KATHY GAGNO)
Robert com o troféu de campeão mundial em 2016 (Foto: KATHY GAGNO)

"Fiquei tão feliz e orgulhoso de vencer o Papa", conta Robert. "Adoro provar às pessoas que elas estavam erradas quanto a mim."

Robert continua a competir no fliperama, mas seu foco hoje é em se tornar mais independente. Ele trabalha duas manhãs por semana em um banco e, à noite, cursa programação de computador. Ele também já deu palestras sobre sua carreira no fliperama. Ainda vive com seus pais, mas sonha em morar sozinho.
"Também gostaria de ter uma namorada e me casar algum dia", conta.

Robert fazendo compras: ele ainda mora com os pais, mas sonha em morar sozinho (Foto: Wizard Mode)
Robert fazendo compras: ele ainda mora com os pais, mas sonha em morar sozinho (Foto: Wizard Mode)

Orgulhosos, seus pais o estimulam a encarar novos desafios.

"Robert é um cara bonito, disse para ele se inscrever em sites de namoro", diz Maurizio. "Não quero que ele se sinta limitado ou tenha qualquer barreira."

Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: