terça-feira, 20 de junho de 2017

Samuel dribla paralisia, vira triatleta e exemplo de superação e amor pelo esporte

Inspirado pela luta de seus pais, que não se acomodaram com sua condição especial, advogado e educador físico descobre razão para viver nadando, pedalando, correndo e buscando novos objetivos

Por Renata Domingues, Rio de Janeiro

Samuel dribla paralisia, vira triatleta e exemplo de superação e amor pelo esporte

A luta de Samuel Bortolin começou ao nascer, quando perdeu seu irmão gêmeo no parto prematuro de sua mãe. Pouco depois foi diagnosticado com paralisia cerebral. Mas mesmo com as duas pernas e o braço esquerdo comprometidos, ele nunca desistiu. Se formou em duas faculdades, fez pós-graduação e, há cerca de três anos, o menino que não iria sequer engatinhar ou ficar em pé pelas previsões médicas, virou corredor. Mais do que isso, triatleta.

Escolhi o triatlo porque acho um desafio imenso. Essa harmonia e equilíbrio que o esporte exige transcende para nossa vida pessoal também. Digo que essa modalidade me tornou não só um atleta mais forte, mas eu evoluí como pessoa em um todo - comentou o advogado, professor de educação física e também palestrante.

Samuel começou a correr para evitar depressão e encontrou no triatlo um novo desafio (Foto: Arquivo pessoal)
Samuel começou a correr para evitar depressão e encontrou no triatlo um novo desafio (Foto: Arquivo pessoal)

E muito da força de Samuel, hoje com 28 anos, vem de sua família. Ariane e José nunca se acomodaram com a condição especial do filho. A mãe passou anos viajando 650km da cidade de Barreiras à capital Brasília a cada 45 dias para o filho se tratar. Além disso, estudou o assunto e fazia exercícios diários, que foram fundamentais para que ele desse os primeiros passos aos sete anos.

Como costumo dizer em minhas palestras, meus pais saíram do luto e foram à luta. Reprogramaram toda a vida deles e foram ver o que seria possível fazer, nas condições que eles tinham, para que eu pudesse melhorar.

E com tanto carinho, a infância de Samuel foi “incrível”, como ele mesmo define. Mas na adolescência, começou a se sentir diferente dos outros meninos e quase entrou em depressão entre os 16 e 17 anos. Mas a fase difícil foi necessária para que ele descobrisse algo que mudaria sua vida para sempre: o esporte.

Na infância, mãe de Samuel percorria 650km para levá-lo para o tratamento (Foto: Arquivo pessoal)
Na infância, mãe de Samuel percorria 650km para levá-lo para o tratamento (Foto: Arquivo pessoal)

Não me amava e não me aceitava. Via meus amigos com namoradas, e não me sentia capaz de conseguir aquilo, então eu me considerava derrotado antes mesmo de começar qualquer luta. Abandonei minhas fisioterapias e todo meu tratamento. Fui ao fundo do poço em seis meses. Me vi perdendo a maior alegria da minha vida, que foi ter começado a andar, por desleixo. Fiquei de cama por três dias, mal levantava para tomar banho, com encurtamento muscular, perda de músculos e reflexos. Mas vi que aquele estilo de vida ia me levar à depressão e ia me fazer ficar numa cama. Então reagi, e foi aí que o esporte teve papel fundamental na minha vida. Comecei academia, caminhadas e retomei a fisioterapia.

Não demorou para que as caminhadas virassem corridas. E então vieram as provas. Primeiro 5km, depois 10km. Mas Samuel sentia falta de mais desafios. Resolveu se arriscar no triatlo.

Depois de pegar muita experiência como corredor, trabalhando em todos os aspectos minha consciência corporal, em agosto de 2016 me desafiei e quis começar a treinar para fazer um triatlo. Então, fui em busca de profissionais para me ajudar nesse projeto. Já tinha tentado nadar por diversas vezes, sem nenhum êxito. Meu planejamento inicial era fazer uma prova em setembro de 2017, mas com o andamento muito positivo dos treinos, antecipei um pouquinho esse planejamento.

Pedal é feito em espécie de triciclo (Foto: Arquivo pessoal)
Pedal é feito em espécie de triciclo (Foto: Arquivo pessoal)

O maior medo de Samuel era a natação. Nadando apenas da cintura para cima em um estilo peito adaptado, ele nunca havia estado em águas abertas. No ciclismo, usa uma espécie de triciclo. E na corrida, o seu esporte, corre para ser ovacionado ao cruzar a linha de chegada.

As pernas na natação acabam dificultando um pouco, pois pesam, mas o bom é que poupo elas para o ciclismo e a corrida. Com os outros treinos (corrida, bike, musculação), adaptei meu movimento.

E Samuel já colocou três provas de triatlo sprint (750m de natação, 20km de ciclismo e 5km de corrida) na conta. Mas os objetivos não param por aí. No ano que vem ele pretende completar a distância olímpica (o dobro da sprint). Mas antes, tem outro sonho a realizar: completar os 15km da mais famosa corrida de rua da América Latina, a São Silvestre.

Achei incrível a experiência, tanto pelo triatlo, quanto pelas pessoas que ele me proporcionou conhecer. É uma galera que incentiva e motiva, uma atmosfera incrível - disse Samuel, que emocionou a todos com sua chegada no Challenge Brasília, prova que disputou em abril deste ano.

Chegada de Samuel no Challange Brasília emocionou a todos os presentes (Foto: Arquivo pessoal)
Chegada de Samuel no Challange Brasília emocionou a todos os presentes (Foto: Arquivo pessoal)

É uma emoção que não tem explicação. Às vezes a gente fica com receio, coloca um monte de dificuldades e quando vê um exemplo desse, merece todo nosso respeito - comentou a bancária Marcela Roseane, que também participou da competição de triatlo.

Como atleta amador, advogado, profissional de educação física e palestrante, Samuel não está apenas preocupado com suas próprias conquistas e superações pessoais. Ele quer que sua história sirva de motivação para as pessoas. Quer tocar e mudar também a vida dos outros.

Pretendo contar minha história para o maior número de pessoas possível. Quero ser um grande incentivador do esporte e do amor à vida. O esporte foi e é fundamental para mim. Através dele, além de me reabilitar, tenho amigos, qualidade de vida. O esporte é minha paixão. Se me perguntarem qual é o meu limite, sempre respondo que não sei, mas eu estou sempre buscando saber.

Samuel virou palestrante e espera motivar as pessoas com sua história (Foto: Arquivo pessoal)
Samuel virou palestrante e espera motivar as pessoas com sua história (Foto: Arquivo pessoal)

Nenhum comentário: