domingo, 11 de junho de 2017

Um projeto sem limites. Tornar a vela acessível a jovens com deficiência

  
Ana Lemos sofre de espinha bífida, faz vela há quatro anos e participa em provas da modalidade

Sporting Clube de Aveiro apoia projeto gratuito para os velejadores com necessidades especiais e que funciona em regime de voluntariado. Psicóloga e terapeuta aplaudem estas iniciativas que promovem a autoestima

“Dá-me a sensação de que o vento hoje está muito bom.” Com a ajuda dos treinadores, Ana Lemos passa da cadeira de rodas para o barco. Veste uma camisola cor-de-rosa, que combina com a cor do convés. É hoje uma velejadora confiante, de sorriso sempre no rosto, tanto que fica difícil imaginar que quando começou a praticar vela, há quatro anos, tinha fobia da água. “Nas primeiras vezes, com a inclinação do barco, era assustador.” Com a prática – e a certeza de que o barco adaptado não vira -, perdeu o medo. “Tem sido uma experiência maravilhosa.”

Ana tem 27 anos e estuda Bioquímica na Universidade de Aveiro. Sofre de espinha bífida, uma malformação congénita ao nível da coluna vertebral”, que faz que viva presa a uma cadeira de rodas. Nunca tinha praticado desporto até ser desafiada a integrar o projeto Sem Limites, um programa de vela adaptada para pessoas com deficiência promovido pelo Sporting Clube de Aveiro (SCA). Faz parte de um grupo de cinco velejadores – juntamente com Jorge Ruivo, Ana Martin, Sofia Gonçalves e Gonçalo Gonçalves -, que participa em provas nacionais da modalidade.

Pontualmente, o SCA organiza ações com associações de pessoas com mobilidade condicionada e necessidades educativas especiais, que “beneficiam em muito”com iniciativas do género. “Antes de mais, a prática de exercício físico tem uma relação direta com o aumento do bem estar global. Depois, atividades como esta, dirigidas a pessoas com necessidades especiais, promovem a autoesti-ma – “nós também conseguimos fazer” – e isso tem um grande impacto na sua vida”, afirma Inês Afonso Marques, coordenadora da área infantojuvenil da Oficina da Psicologia.

Nenhum comentário: