segunda-feira, 24 de julho de 2017

Motorista é multado por usar equipamento de acessibilidade

Usuário de cadeira de rodas tem carro adaptado com equipamento que aciona setas, buzina, faróis e limpador de para-brisa. Dispositivo fica preso ao volante e, sem observar com atenção, agentes confundem aparelho com telefone celular.

Luiz Alexandre Souza Ventura

  Rogério Robson da Silva tem um carro adaptado com comandos manuais. Imagem: Arquivo Pessoal
Rogério Robson da Silva tem um carro adaptado com comandos manuais. Imagem: Arquivo Pessoal

Rogério Robson da Silva, de 43 anos, morador de Taboão da Serra, na Grande SP, já acumula 28 pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação) porque foi multado várias vezes, sendo que três das infrações registradas indicam punição por dirigir segurando o telefone celular.

“Comecei a receber as multas em janeiro, logo depois de comprar meu carro”, diz Silva, que usa cadeira de rodas e tem um veículo adaptado com controles manuais. O motorista acelera e freia com a mão esquerda, e guia com a direita. Fixado ao volante está um dispositivo eletrônico que aciona setas, buzina, faróis e o limpador de para-brisa.


“Os agentes não param para verificar o que está na minha mão”. Um adesivo que indica haver pessoa com deficiência conduzindo o veículo é totalmente visível.

Silva afirma ter comparecido pessoalmente ao escritório do departamento de trânsito para explicar o erro dos agentes, mas foi informado que nada pode ser feito além da apresentação de recursos. “Conforme vou recebendo, vou recorrendo”.

Dispositivo eletrônico aciona setas, buzina, faróis e o limpador de para-brisa. Imagem: Arquivo Pessoal/Rogério Robson Silva
Dispositivo eletrônico aciona setas, buzina, faróis e o limpador de para-brisa. Imagem: Arquivo Pessoal/Rogério Robson Silva

A primeira infração foi registrada na Praça Nicola Vivilechio, no dia 28 de dezembro de 2016, em Taboão da Serra. Outras duas multas foram aplicadas com apenas sete minutos de diferença, ambas no último dia 24 de abril, no cruzamento da Praça Miguel Ortega com a Avenida Armando de Andrade, na mesma cidade. Cada uma tem valor de R$ 293,00 e soma sete pontos à CNH do motorista. Nos três casos, a infração registrada é “dirigir veículo segurando telefone celular”.

Rogério Robson Silva usa cadeira de rodas desde 2007 por problemas causados pela diabetes, principalmente uma neuropatia diabética que impede o movimento de suas pernas.

Nenhum comentário: