sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Abrace recebe participantes de concurso de beleza de cadeirantes


Amanda Karolyne

Hoje as crianças assistidas pela Abrace, receberam cadeirantes vestidos de super-heróis. A visita faz parte de ações para promover o primeiro concurso de beleza para cadeirantes do Brasil. O concurso será realizado dia 7 de agosto, às 18h, no JK Shopping em Ceilândia. Ainda serão realizados os concursos para Musa e Mister Distrito Federal, nos dias 9 e 12 de Agosto.

A casa de apoio Abrace recebeu cinco participantes do concurso. O evento é idealizado por Ralph Santos, o primeiro a trazer o título de Mister Universo para o Brasil. De acordo com um dos coordenadores do concurso, Guilherme Britto, a ideia era trazer a competição para os cadeirantes. “Eles fazem as coisas que fazemos normalmente. Porque não poderia ter um concurso de beleza para eles também?”.

Inicialmente, o concurso seria regional, mas cadeirantes do Brasil todo ficaram sabendo e compraram a ideia. “É uma ação muito bonita, principalmente por ser de inclusão social”, comenta Guilherme. A ação não tem fins lucrativos, por ser um festival para celebrar a beleza dos cadeirantes. Em Brasília, são 15 mulheres e 15 homens competindo. E, paralelamente ao concurso de cadeirantes, também será realizado o Musa DF e o Mister DF.


Os concursos terão entrada gratuita, além de serem transmitidos pela internet, no portal festivaldebelezauniverso.com.br. Será aberto para o público votar sete dias antes de cada desfile. Os mais votados seguem para a final.

Kal Brynner Barbosa, 28 anos, é paratleta de canoagem e velocidade. Ele é um dos candidatos do concurso, representante de Sobradinho. “O concurso vai mostrar para a sociedade que podemos ser modelo não só de beleza, como também de vida”, afirma.

Depois do acidente de carro, enfrentou olhares de pena e percebeu que tinha que fazer algo para melhorar a autoestima. Desde então, começou a trabalhar capacidade física, e em 2014 ganhou medalha de ouro no Panamericano do México.

A concorrente a miss, Vânia Cristina de Souza, 33 anos, sempre foi muito vaidosa, mas na saída de um show em 2015, levou um tiro que deixou nas circunstâncias de cadeirante. “Esse concurso está me ajudando muito. Porque a gente também pode se arrumar e se sentir bem, mas acho que o preconceito começa da gente às vezes”, comenta.

Uma das mães das crianças assistidas pela Abrace, a professora Susan Marques, 52 anos, acha que essa ação social é um dia atípico na vida dos pequenos que residem na casa de apoio. “É bom que as crianças observam que outras pessoas estão enfrentando dificuldades”, destaca. Susan veio de Roraima, para acompanhar a filha Pauline Torreias Marques, 9 anos, que passou pela quimioterapia recentemente, e agora está fazendo uma revisão.

Contando com 1000 assistidos ativos, a casa de apoio Abrace recebe crianças de outros Estados, que são encaminhadas pelo SUS. Segundo assessoria, a Abrace dá todo suporte para todas as coisas para as famílias dos assistidos.
São 50 leitos na casa, sendo metade para as crianças e a outra metade para as mães acompanharem. O local ainda conta com o Espaço Renascer para transplantados. E atendendo a pedidos de crianças que não tinham acesso aos estudos, devido ao tratamento da doença, o Abrace inaugurou recentemente o Espaço Pedagógico.


Nenhum comentário: