terça-feira, 1 de agosto de 2017

Brasileiros retornam de intercâmbio no Japão com otimismo e boas lembranças

Brasileiros retornam de intercâmbio no Japão com otimismo e boas lembranças
Foto: Lucia Teixeira vai para o seu quarto ciclo paralímpico (Fernando Maia/CPB/MPIX)

Os judocas da seleção brasileira retornaram do Japão na última quinta-feira (27), onde ficaram por duas semanas em treinamento na cidade de Hirosaki com atletas locais e da equipe japonesa. O Brasil esteve presente com Alana Maldonado, Antônio Tenório, Lucia Teixeira e Wilians Araújo, medalhistas de prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016.

Com conquistas em todas as competições do ciclo passado, que terminou com o vice-campeonato paralímpico, Wilians Araújo tratou o período de preparação como um sonho. O líder do ranking mundial da categoria pesado detalhou ainda que os treinos serviram para aperfeiçoar ainda mais alguns aspectos técnicos que estavam faltando.

Praticamos uma modalidade que o berço dela é no Japão. Então, foi a realização de um sonho. Não só o meu, mas acho que de todos os judocas do Brasil. Pudemos trocar algumas informações e ver que o judô que eles fazem não é diferente do nosso. Consegui ajustar alguns detalhes de gola, de manga, que são muito interessantes – contou Wilians Araújo.

Outra que vem acumulando pódios desde 2008, uma das veteranas da seleção, Lucia Teixeira fez coro ao discurso de companheiro peso pesado. Para a judoca duas vezes medalhista paralímpica, o intercâmbio foi o melhor que já participou e possibilitou uma preparação de alto nível e para aprender novas técnicas.

Foi o melhor que já tive a oportunidade de participar até hoje. Não que os outros não tenham sido bons. Mas esse foi especial, um dos mais intensos que já participei. Três horas de treino intenso e forte, e conseguir treinar nesses 15 dias foi gratificante. E com esse volume deu pra tentar coisas novas e testar bastante coisa com pessoas diferentes. Permitiu dar uma melhorada na minha técnica – vibrou Lucia.

Carinho dos japoneses

O comportamento e a atenção dos japoneses estiveram presentes no discurso dos brasileiros. A passagem pela Terra do Sol Nascente deixou os atletas encantados e foi motivo de emoção.

Tiveram diversos momentos da viagem que me emocionei muito, por todo o carinho que recebemos em Hirosaki, não só das pessoas da cidade, mas os parceiros de treinos, os técnicos, a imprensa. Então, eu saí de lá muito feliz. Teve até crianças de uma escola que cantaram pra gente – lembrou Wilians.

Lucia Teixeira completou.

O que me surpreendeu muito foi a receptividade das pessoas, o carinho, o fazer um pouco mais. Isso eu vou guardar pra mim. Guardar no sentido de tomar pra mim como lição de vida. Dar o meu melhor sempre, sem a preocupação de ser ou não reconhecida. São coisas que não tem preço - finalizou a paulista.

O Brasil tem duas competições este ano para disputar. No dia 26 de agosto, na cidade de São Paulo, tem o Campeonato das Américas de Judô IBSA (clique para saber mais), e em outubro, de 08 a 10, a Copa do Mundo IBSA, em Tashkent, no Uzbequistão.

Fonte: cbdv.org.br

Nenhum comentário: