terça-feira, 17 de abril de 2018

Tratamento com Células-tronco em pacientes com Esclerose Múltipla demonstrou ser seguro e causar melhora nas lesões cerebrais e incapacidades causadas pela doença, de acordo com estudo clínico.


O estudo “Viabilidade clínica de células-tronco mesenquimais derivadas de cordão umbilical no tratamento de esclerose múltipla” foi publicado no Journal of Translational Medicine.

Embora os tratamentos atuais para esclerose múltipla sejam capazes de reduzir a frequência de relapses e diminuir a progressão da doença, eles não são capazes de reparar os danos causados às células nervosas ou à bainha de mielina, a camada protetora ao redor das fibras nervosas.

As células-tronco mesenquimais são células adultas encontradas em muitos tecidos, como cordão umbilical, medula óssea e gordura corporal. Essas células são capazes de se transformar em ossos, cartilagens, músculos e células do tecido adiposo.

As células mesenquimais podem inibir alterações mediadas pelo sistema imune. Em particular, as células mesenquimais derivadas do cordão umbilical possuem uma alta habilidade de crescer e se multiplicar, aumentando a produção de fatores de crescimento, além de possuírem uma atividade terapêutica superior comparada à outras células mesenquimais.

Diversos estudos clínicos demonstraram que as células mesenquimais podem ser seguras ao tratar certas condições imunes e inflamatórias, incluindo esclerose múltipla; Os pesquisadores anteriormente demonstraram que as células-tronco mesenquimais podem também melhorar as funções cognitivas e motoras.

Estudo recentes com células-tronco mesenquimais da placenta ou cordão umbilical demonstraram efeitos adversos de baixo a moderado, além de melhorar o nível de deficiência dos pacientes;

Os pesquisadores do Steam Cell Institute no Panamá completaram a fase 1/2 de um estudo clínico (NCT02034188) para testar a eficiência e segurança de células-tronco mesenquimais para o tratamento de esclerose múltipla.

A pesquisa incluiu 20 pacientes com esclerose múltipla, com idade média de 41 anos, onde 60% eram mulheres. 15 participantes possuíam ES recorrente-reminente, 4 possuíam ES progressiva primária e 1 possuída ES progressiva secundária. A doença dos pacientes já possuía uma duração de uma média de 7.7 anos. Os participantes então receberam sete infusões intravenosas de 20×106 células-tronco do cordão umbilical, ao longo dos setes dias. A efetividade do tratamento foi avalidada no começo, um mês após e um ano após o tratamento.

Os testes incluem a avaliação das lesões cerebrais com ressonância magnética e a incapacidade do paciente baseado na Escala Expandida do Estado de Incapacidade de Kurtzke (EDSS) , como também testes para avaliar funções neurológicas, função motora, mobilidade e qualidade de vida.

Os pacientes não reportaram nenhum efeito adverso severo. Segundo os autores, a maioria dos efeitos adversos foram leves, possivelmente relacionados ao tratamento com infusão de células-tronco, onde dores de cabeça são comuns, além da fatiga, que também é comum em pacientes com esclerose múltipla.

As melhorias foram mais evidenciadas após um mês de tratamento, a saber ao nível das incapacidades causadas pela doença, função motora da mão não-dominante e tempo moderado de caminhada, assim como melhorias na bexiga, intestino e disfunção sexual. Os pacientes também reportaram um aumento na qualidade de vida;

A ressonância magnética demonstrou, um ano após o tratamento, lesões inativadas em 15 dos 18 pacientes avaliados. Um dos pacientes demonstrou quase a eliminação completa das lesões no cérebro, o que foi “particularmente um achado encorajador”, segundo os autores.

Ao final do período de um ano, as melhorias nos níveis de incapacidade estavam também presentes, o que pode-se entender como um aumento na habilidade em caminhar e trabalhar sem assistência.

“Os benefícios duravéis das células-tronco mesenquimais em um mês, sustentados em até um ano, é um contraste forte às atuais terapias medicamentosas para ES, que necessitam ser tomadas diariamente ou semanalmente” escreveram os autores.
A segurança do tratamento é outra vantagem nas terapias com células-tronco mesenquimais, segundo os pesquisadores. Eles concluíram que “O tratamento com células-tronco mesenquimais derivadas da medula óssea por infusão intravenosa é seguro, e o potencial terapêutico e benefícios devem ser mais investigados.”

Texto traduzido da publicação https://multiplesclerosisnewstoday.com/…/umbilical-cord-st…/

Link para acesso ao artigo: https://translational-medicine.biomedcentral.com/…/s12967-0…

Nenhum comentário: