quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Após reforma de calçada em SP, piso tátil leva a bloco de concreto

Imagem foi registrada por leitor na Avenida Brigadeiro Faria Lima. Segundo a prefeitura, 'piso está de acordo com normas técnicas'.
Wladimir Bianchi Internauta, São Paulo, SP

Leitor fotografa piso tátil instalado durante a reforma
da Avenida Brigadeiro Faria Lima.
(Foto: Wladimir Bianchi/VC no G1)


Um leitor que trabalha na região da Avenida Brigadeiro Faria Lima, na Zona Oeste de São Paulo, enviou uma foto do trecho do piso tátil para orientação de deficientes visuais e mostra que o percurso leva a um bloco de concreto na frente de um canteiro. A obra é parte da reforma pela qual está passando o calçamento da avenida.

A foto foi feita por Wladimir Bianchi, que tem 50 anos e é publicitário. Ele notou a situação há cerca de 10 dias. “Este é o único ponto com problema”, afirma o leitor. “Infelizmente, mais uma mancada. Precisamos pedir às autoridades competentes para arrumar isso logo, antes que alguém se machuque feio”, completa.

O leitor Robinson Silva, que tem 32 anos e é analista de sistemas, também fotografou o local na sexta-feira (30).

Nota da Redação: Na quarta-feira (28), a Coordenadoria de Subprefeituras enviou uma nota ao G1 em que dizia que "o piso instalado seguiu o projeto, que está de acordo com normas técnicas" e informou dados gerais sobre a obra na Avenida Brigadeiro Faria Lima.
Após a publicação da nota nesta sexta (30), a Subprefeitura de Pinheiros entrou em contato com o G1 e, em nova nota, diz que o trecho fotografado pelo leitor “possui uma curvatura à direita e graças à grande quantidade de tampas de concessionárias junto ao pavimento, optou-se por levar o piso direcional a uma guia de balizamento, de forma que o pedestre possa caminhar com segurança até a travessia. De fato a guia de balizamento, que foi construída junto ao canteiro, tem a função de balizar o percurso do usuário na calçada”.
A nota justifica a interrupção da linha afirmando que “seria leviano e inseguro propor um piso direcional curvo sobre um pavimento com diversas interferências, relativas as tampas”.
Imagem foi registrada próximo à Avenida Rebouças (Foto: Robinson Silva/VC no G1)Imagem foi registrada próximo à Avenida Rebouças.
(Foto: Robinson Silva/VC no G1)
G1 entrou em contato com a Fundação Dorina Nowill para Cegos. A Gerente de Serviços Especializados da fundação, Eliana Cunha Lima, avaliou que “no caso em questão fica claro que não há contribuição para o usuário”. Leia abaixo a íntegra da avaliação da fundação:
“De fato a norma não é de tão fácil interpretação, porém no que diz respeito ao tema da acessibilidade temos que levar em conta um contexto mais amplo. É fundamental que ao optar pelos locais de aplicação dos pisos táteis seja levado em conta o impacto que causará na vida da pessoa com deficiência visual, ou seja, se de fato irá contribuir para sua rotina de deslocamento. No caso em questão fica claro que não há contribuição para o usuário, porque como já disse, não se trata de uma interpretação puramente objetiva e sim contextualizada. Recomendamos que essas avaliações sejam realizadas incluindo profissionais que tenham experiência no atendimento de pessoas com deficiência visual de forma a contribuir com esse processo que é permeado de muitas variáveis e sujeito de diversas interpretações.”
A Subprefeitura de Pinheiros ressalta que a solução adotada "está em conformidade com as referências dispostas na ABNT NBR9050:2004, norma brasileira que trata da acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos”. Segundo o texto, “este piso deve ser utilizado quando da ausência ou descontinuidade da linha guia identificável, como caminhamento, no caso de ambientes externos. [...] Este tipo de sinalização direcional deve ser utilizada apenas em áreas com ausência ou interrupção da mesma guia de balizamento”.

Nenhum comentário: