sábado, 25 de maio de 2013

Bebê com problema respiratório recebe implante impresso em 3D

DA ASSOCIATED PRESS

Médicos americanos usaram uma impressora 3D para criar um suporte de brônquio para salvar um menino que parava de respirar quase todos os dias.

Kaiba Gionfriddo, de um ano e meio, sofria constantes colapsos de suas vias respiratórias, o que parava seus pulmões e, muitas vezes, seu coração também.

                                                                                                                                                                       Mark Stahl/Associated Press
Kaiba Gionfriddo brinca com seu cachorro, Bandit, em sua casa em Ohio, nos EUA
Kaiba Gionfriddo brinca com seu cachorro, Bandit, em sua casa em Ohio, nos EUA

Médicos da Universidade de Michigan criaram cem pequenos tubos na impressora 3D, que usa laser guiado por computador para fundir camadas de plástico e criar objetos. Com uma permissão especial da FDA (agência de vigilância sanitária dos EUA), os médicos implantaram um desses tubos em Kaiba, em um feito pioneiro.

O menino conseguiu então respirar normalmente pela primeira vez. Ele tinha três meses quando a operação foi feita, no ano passado. Agora, tem quase um ano e meio.

Em breve, o tubo de traqueostomia que o ajudava a respirar deve ser removido.

Desde a cirurgia, descrita no "New England Journal of Medicine", ele não teve mais crises respiratórias.

Kaiba tem uma malformação em um dos brônquios, tubos que se ramificam da traqueia e levam ar aos pulmões. Em casos graves, isso pode interromper a respiração e levar à morte, o que quase aconteceu com o menino quando tinha seis semanas.

"Ele ficou azul e parou de respirar", contou April Gionfriddo, mãe de Kaiba. O pai, Bryan, usou reanimação cardiorrespiratória para salvar o menino. Aos dois meses, ele passou a respirar com a ajuda de uma máquina.

A nova prótese foi colocada em volta do brônquio com defeito e evita que ele se feche. O plástico deve ser absorvido pelo corpo em três anos, enquanto um novo tecido saudável cresce para substituí-lo, segundo os médicos responsáveis pelo procedimento experimental.


                                                  “Matéria postada em caráter informativo”

Nenhum comentário: