domingo, 15 de junho de 2014

Sem destaque Exoesqueleto na abertura da copa.

Imagem Internet/ilustrativa

Foram 7 segundos de exibição, apenas, de um experimento de robótica dificílimo, que fez um paraplégico movimentar as próprias pernas com um exoesqueleto conectado ao seu cérebro. 

Com sua primeira demonstração pública na abertura da Copa 2014, na Arena Corinthians, no dia 12/06, trata-se de uma estrutura complexa, cujo desenvolvimento em cooperação internacional está a cargo do cientista potiguar Miguel Nicolélis, com R$33 milhões da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), empresa do Ministério da Ciência e Tecnologia, investidos na iniciativa.

O cadeirante Juliano Pinto, de 29 anos, levou, na verdade, 16 segundos para chutar a bola, além de caminhar por uma pequena distância, até o local onde se daria o chute.

Nicolélis mostrou-se chateado com o pouco destaque dado ao experimento, em entrevista ao Jornal Nacional, após o jogo entre Brasil e Croácia. Entre os que estavam presentes no estádio, protótipo causou emoção, diz Luana Souza, 24 anos, espectadora do evento: "Vi e chorei, igual a quando ouvi o nosso hino. Foi o quarto gol do Brasil".

Nas redes sociais, porém, o tema esteve longe de ser um dos trend topics, conforme se pôde verificar no site www.trendtopics.com.br. Nos jornais internacionais como New York Times e El Pais, por exemplo, o noticiário também falou timidamente a respeito. 


Abaixo link para o vídeo com a exibição completa, e mais informações sobre o projeto, divulgado no G1.
http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2014/06/jovem-paraplegico-usa-exoesqueleto-chuta-bola-na-abertura-da-copa.html

Fonte:sentidos.uol.com.br - Imagem Internet/ilustrativa

Nenhum comentário: