domingo, 10 de agosto de 2014

Pai que se acorrentou a poste recebe ajuda de moradores para cirurgia

Filha dele precisa de procedimento avaliado em R$ 110 mil.
Por meio de campanha nas redes sociais, família já arrecadou R$ 14 mil.


Mariana Bonora Do G1 Bauru e Marília

Mobilização nas redes sociais busca arrecadar dinheiro para a cirurgia  (Foto: Reprodução/ Internet )Mobilização nas redes sociais busca arrecadar dinheiro para a cirurgia (Foto: Reprodução/ Facebook)



A atitude desesperada de um pai que se acorrentou ao um poste em frente ao Fórum de Bauru (SP), na noite de quarta-feira (6), após decisão da Justiça contrária à realização de cirurgia para a filha, sensibilizou diversas pessoas por meio de uma campanha em redes sociais. O objetivo é arrecadar o valor necessário para que Ana Carolina Quaggio Merli, de 28 anos, consiga se livrar das dores que sente nas costas, causadas por uma lesão grave na coluna.
A campanha foi lançada na internet ainda na madrugada de quinta-feira (7) e, em menos de 24 horas, arrecadou R$ 14 mil. O procedimento cirúrgico, que segundo vários laudos médicos seria a solução para o problema, custa R$ 400 mil, mas o pai de Ana Carolina, Donzílio Quaggio Merli, conseguiu que um hospital universitário custeio parte desse valor. Por isso, ele entrou com uma ação na Justiça para que o Estado arcasse com R$ 110 mil, o valor do chip que seria implantado na coluna da jovem para ajudar nos movimentos e evitar a dor.
Ana Carolina sofreu uma fratura grave na coluna (Foto: Reprodução / TV TEM)Ana Carolina sofreu uma fratura grave na coluna
(Foto: Reprodução / TV TEM)
Após conceder uma liminar que obrigava o estado a realizar a cirurgia em 30 dias, uma nova decisão da Justiça pediu a realização de mais perícias para comprovar se realmente todas as opções de tratamento para o caso foram esgotadas. Diante dessa situação, Donzílio resolveu se acorrentar em frente ao Fórum como forma de protesto.
A família deve recorrer da decisão ao Tribunal de Justiça do Estado, mas a decisão final pode demorar meses. “Não tinha o que fazer nesse caso a não ser apelar para o TJ em São Paulo. Vamos entrar com o recurso no máximo até segunda-feira, já estamos levantando toda a documentação”, explica a advogada da família, Rosemari Tech.
A estudante Gabrielle Gabas é uma das idealizadoras da campanha nas redes sociais. A história de Ana Carolina publicada na página da organização digital sem fins lucrativos da qual Gabrielle faz parte e pedido de ajuda já teve centenas de compartilhamentos e atingiu mais de 15 mil pessoas.
Jovem toma remédios para controlar a dor  (Foto: Reprodução / TV TEM)Jovem toma remédios para controlar a dor (Foto:
Reprodução / TV TEM)
“Nós até procuramos orientação jurídica para saber como fazer a campanha e ajudar a família. Ela foi lançada ontem à tarde e já está com esse resultado muito bom. É motivador ver tantas pessoas boas querendo ajudar. Se continuar nesse ritmo em pouco mais de uma semana conseguiremos arrecadar o dinheiro para a cirurgia”, ressalta.
‘Única esperança’
Para Donzílio, a ajuda das pessoas reascendeu a esperança da filha. “Ela ficou muito feliz e animada com a campanha, estamos torcendo para dar certo, porque pela Justiça pode demorar muito e eu não sei se ela aguenta. É nossa única esperança agora”, afirma.

Ana Carolina vive a base de remédios para controlar a dor depois de passar por três cirurgias na coluna cervical, fraturada após uma queda em casa. Foi necessário implantar duas chapas de platina e seis parafusos na coluna. "A dor vem no meio da coluna e irradia para a perna, desce para a perna e eu não tenho firmeza nela, as vezes parece que ela não responde ao comando", conta a jovem.
O pai está preocupado com a quantidade de medicamentos que a filha toma. “Ela corre o risco de desenvolver uma cirrose, um problema hepático, porque passa quase todo o dia dopada, senão não consegue nem se mexer direito.” Ana Carolina passou por diversos especialistas que indicam a realização da cirurgia. De acordo com os laudos, o chip estimula os movimentos, aliviando assim a dor que a jovem sente nas costas.
A Justiça informou que no recurso apresentado e que resultou no indeferimento da cirurgia, o estado alegou que ainda existem alternativas de tratamento para o caso de Ana Carolina e que só depois de esgotá-las é que se deve recorrer à cirurgia. Por isso, foi solicitada a perícia, além dos laudos médicos.
Cirurgia custa R$ 110 mil (Foto: Reprodução / TV TEM)Cirurgia para a filha custa R$ 110 mil (Foto: Reprodução / TV TEM)Fonteg1.globo.com



Nenhum comentário: