quinta-feira, 30 de abril de 2015

'Enxergo a beleza pelos sons', afirma jovem cego que toca 7 instrumentos.

Luan Fadel, de 13 anos, mora em Guarapuava e não enxerga desde bebê.Ele pratica esportes, interage na internet e pretende cursar direito.


Alana Fonseca Do G1 PR, em Guarapuava


   Luan toca sete instrumentos. (Foto: Arquivo pessoal)
Exemplo de superação: Luan toca sete instrumentos musicais (Foto: Luan Fadel/Arquivo pessoal)
Dos primeiros dias de vida até hoje, aos 13 anos, Luan Fadel dá exemplos de superação. Cego, o adolescente de Guarapuava, na região central do Paraná, toca sete instrumentos musicais. No piano, sua paixão desde criança, ele vai de Ballade pour Adeline a Avicii. Luan também canta, inclusive em inglês. “Enxergo a beleza através dos sons”, explica.
O adolescente tem quase todos os instrumentos que toca: piano, violão, guitarra, gaita, teclado e bateria. Só falta a gaita de fole. Ele conta que aprendeu a gostar de música com o pai. “Temos em casa três pianos: dois de madeira e um elétrico”, conta. De acordo com Luan, os sons variam de um para outro. O piano preferido é o de madeira que fica em um quartinho no quintal.
Luan pratica judô e natação (Foto: Luan Fadel/Arquivo pessoal)Luan pratica judô, natação e anda de bicicleta
(Foto: Luan Fadel/Arquivo pessoal)
Sem tempo
Apesar de passar boa parte do dia se dedicando à música, ele também gosta de fazer outras atividades.

Ele luta judô, faz natação e ainda anda de bicicleta. Para ele, o esporte é tão importante quanto a música.
O adolescente lamenta não poder jogar futebol com os amigos, mas diz que se contenta em ouvir narrações de partidas pelo rádio.
“Os narradores nos transmitem uma emoção enorme. No rádio, a gente ouve detalhes que a televisão não dá. É como se eu enxergasse por 90 minutos”, explica.
Para a televisão, Luan conta que não dá muita atenção. Quanto a filmes, o adolescente garante que se esforça. “Só não tem condição os filmes do Charlie Chaplin!”, brinca. Mas ele ainda prefere os vídeos do Youtube.
Como qualquer adolescente, Luan passa horas na internet. Ele decorou todas as teclas do celular e do computador. A agilidade é tanta que a voz que sai dos aparelhos - e que deveria guia-lo - chega a se perder. Sem contar que, mesmo sem enxergar, ele consegue tirar fotos quase perfeitas das pessoas.
 Quase todos os dias da semana, ele vai à Associação dos Pais Amigos Deficiente Visual (Apadevi). Lá, ele se dedica ao artesanato, ao teatro, tem reforço escolar e também aprende como realizar atividades do dia a dia sozinho, como arrumar uma cama. Luan frequenta o local desde os sete meses de idade.
"Nós, cegos, sempre damos um jeito de fazer as coisas. A minha deficiência não me impede de fazer quase nada", garante. Dirigir é a única atividade que ele lista como impossível. "Mas meu pai sempre diz que, se eu quiser, posso ser piloto de avião porque no céu não tem no que bater", relata.
Luan toca sete instrumentos musicais; entre eles, o piano (Foto: Alana Fonseca/G1)O piano é o instrumento musical predileto do adolescente de Guarapuava (Foto: Alana Fonseca/G1)
Choque
A mãe, Fátima Grott Arruda, de 42 anos, nem acredita na quantidade de atividades que o filho faz todos os dias. "Ele não para". Quando soube que Luan era cego, logo que o menino nasceu, Fátima teve medo de que o menino não conseguisse levar uma vida normal.

A mãe temeu mais ainda pelo fato de o irmão gêmeo enxergar perfeitamente. Os bebês nasceram antes dos sete meses. O parto prematuro prometia complicações, mas as sequelas acabaram afetando apenas Luan.
Bebês nasceram antes dos sete meses de vida e o parto prematuro trouxe complicações, mas apenas para Luan (Foto: Luan Fadel/Arquivo pessoal)Bebês nasceram antes dos sete meses. Parto prematuro trouxe complicações, mas apenas para Luan (Foto: Luan Fadel/Arquivo pessoal)
Apesar de os recém-nascidos terem ficado quase três meses na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), a deficiência física do menino foi notada pelos pais apenas em casa. “Um dia, meu marido colocou os dois em um colchão no sol. O Lucas não conseguia olhar diretamente para a luz, se batia. O Luan, sim. Foi, então, que notamos que havia algum problema com ele”, lembra.
A dona de casa conta que quase entrou em depressão, principalmente porque teve uma gravidez tranquila. “Eu quase me entreguei; fiquei forte depois porque tinha que cuidar dos meus filhos”, explica. Então, aos poucos, Fátima e o marido começaram a aceitar a deficiência de Luan e a tratá-lo da mesma maneira que Lucas. “Eles caminharam sempre juntos”, diz.
Desde pequenos, os dois frequentam a mesma escola. As apostilas de Luan são passadas para braile e ele tem acesso aos conteúdos didáticos em áudio. “Aprendemos a mesma coisa”, explica o irmão Lucas.
Até pouco tempo, uma auxiliar ajudava Luan em pequenas tarefas, como pegar objetos na mochila e levá-lo ao banheiro. “Hoje, tento fazer as coisas mais sozinho. Afinal, uma hora vou para a faculdade e aí quero ser mais independente”, planeja. Mesmo no 9º ano do ensino fundamental, ele já tem o futuro bem definido.
'Eles sempre caminharam juntos', diz a mãe dos gêmeos (Foto: Luan Fadel/Arquivo pessoal)'Eles sempre caminharam juntos', diz a mãe dos gêmeos (Foto: Luan Fadel/Arquivo pessoal)
“Assim como ele, quero mostrar a todos que o cego pode e deve ser mais incluído na sociedade, principalmente em cargos assim. Quero mostrar que nós não temos limites para trabalhar. E nem para viver”, afirma.
Por fim, Luan garante que ainda não tem uma namorada. "Mas vou escolher uma bem bonita", diz. De acordo com ele, a beleza de uma mulher também é medida por sua voz. "Para mim, mulheres bonitas são as que têm voz bonita", explica.
'Quero mostrar que nós não temos limites para trabalhar. E nem para viver”, diz Luan (Foto: Luan Fadel/Arquivo pessoal)'Quero mostrar que nós não temos limites para trabalhar. E nem para viver', diz Luan (Foto: Luan Fadel/Arquivo pessoal)Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: