segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

A (não) Superação Do Rei Roberto Carlos

Por Laura Marcon de Azevedo
Roberto Carlos
O caso é conhecido, mas não é comentado. Estou falando sobre a deficiência que o cantor e Rei, Roberto Carlos, possui. Aos seis anos de idade, Roberto Carlos teve que amputar a perna após ser atropelado por um trem em sua terra natal, a cidade de Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo, desde então, ele utiliza uma prótese. Mas o cantor evita falar do assunto, não gosta de trazer à tona este episódio triste, prefere deixar enterrado e esquecido. É uma conversa que não se deve ter com o Roberto Carlos, perguntar sobre o acidente? De jeito nenhum. Nem de longe o Rei dá abertura para que lhe perguntem a respeito. Certo, mas iremos falar sobre isso aqui hoje. Até porque se ele não gosta de falar sobre o assunto, nada nos impede de comentar, não é? Respeito e entendo essa discrição do cantor, com certeza relembrar algo que mudou a vida de forma trágica deve ser muito triste. Mas acho que é uma história que pode servir de exemplo para todos que possuem deficiência física e estão desacreditados. Roberto Carlos tornou-se Rei da Jovem Guarda. O talento dele iniciou-se quando ainda era pequeno e aprendeu a tocar violão e piano, dando gás para a carreira de cantor – que viria a aumentar dali para frente, e, que continua emocionando o Brasil até nos dias de hoje.

Roberto Carlos aos 6 anos.                                Roberto Carlos aos 6 anos

Uma vez o jornalista Elio Gaspari, de O Globo, disse que no início da carreira de Roberto Carlos, a discrição talvez fosse conveniente, sobretudo para um artista que preserva sua vida pessoal. Hoje, ele poderia ser um exemplo para milhares de pessoas, estimulando políticas públicas de saúde. Imaginem que influência de motivação essa história poderia gerar? Poderia unir-se ao time dos amputados, usando a fama como uma aliada nessa batalha e como forma de divulgar os avanços (ou problemas) ocorridos nesse ramo da fisioterapia. Claro que compreendo a dor de Roberto Carlos, e nem estou o criticando, apenas vejo com outros olhos a prótese dele (talvez com esses olhos de quem não possua deficiência), mas acho que todos os nossos problemas acabam tendo um lado positivo, seja para ajudar a mudar algo que estava errado ou para fazer bem aos outros de alguma forma. Bom, voltando à tristeza do Rei, é óbvio que é compreensível, visto que além disso, ele passou por diversos outros sofrimentos. Como a morte de sua amada esposa Maria Rita, que padeceu de um câncer e morreu em 1999 – e causou uma forte depressão no cantor.

Roberto Carlos já passou de 70 anos, e agora, podemos notar a dificuldade que ele tem para caminhar, as passadas de mão no joelho e aquela expressão triste, carregada desde sempre com a sofrida bagagem que carrega da vida. Amores mal resolvidos, um acidente não superado, morte de esposas, da mãe – a qual ganhou uma canção chamada “Lady Laura”, da filha Ana Paula e um trajeto de depressão que seguiu por alguns anos, o Rei encontrou-se apenas na bolha de um mundo artístico, no qual espalha seu talento e emociona milhares de pessoas. A vida pessoal ele guarda para si e para os íntimos, portanto, pouco podemos saber do que ocorre com ele. Mas vale comentar aqui no PCD Brasil que Roberto Carlos é pai de Dudu Braga, atual apresentador do programa “Sentidos”, que possui deficiência visual.

Um romântico que encanta mulheres ao jogar rosas e falar as palavras que as tocam profundamente, por meio das canções. Aqui, hoje, não estou compartilhando uma história de superação, pois este Rei não superou os males que a vida lhe proporcionou. Como eu disse no começo do texto, essa história poderia ser exemplo, mas não é. Pois Roberto Carlos é um homem que expressa tristeza no olhar, e até no sorriso – e não é para menos após tanto sofrimento. Mas ele se esforça, ele compartilha o seu talento e voz em shows, ele está sempre arrancando sorrisos ou lágrimas emocionadas. Esse é o bem que ele faz aos outros. E para este rei certamente não faltará carinho, pois ele é uma das pessoas mais amadas do Brasil.

Confira a música em que Roberto Carlos faz alusão ao triste episódio:

Fonte: www.deficienteciente.com.br

Nenhum comentário: