terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Quando as Pessoas Não Entendem a Pessoa e a Deficiência

Cê não sabe como é estar assim.[...]Não sabe nada sobre o meu problema...Do que tá acontecendo comigo".(reproduzida abaixo no quadrinho).

por Mario Dantas em Sintonia



Hoje é um dia muito apropriado para pensar um pouco sobre questões envolvendo deficiência.Eu decidi mostrar como isso é complicado a partir de um enxerto do mundo dos quadrinhos e uma realidade pessoal ocorrida ontem a tarde.

 Esse dilema do jovem Carl da série em Quadrinhos The Walking Dead começou na Edição de Nº83 quando nas páginas 19 e 20 ele perdeu o olho direito.

A partir de então quando o mesmo se recupera do coma tem inicio uma nova fase de aceitar ou não tudo aquilo.Desse modo é revelado muito bem o conflito das pessoas quando tem uma deficiência.O jovem na história perdeu o olho em um tiro acidental e no confronto dos sentimentos diz ao pai na Edição de Nº 91 página 21 justamente aquela frase que a maioria das pessoas com deficiência gostariam de expressar.

Realmente a maioria das pessoas não sabem o significado de se ter uma deficiência.Elas não entendem os problemas que são enfrentados na sociedade.As coisas mais simples que a maioria chamada de normal são acostumadas a fazer, as vezes para eles se tornam grandes obstáculos.

Ontem no concurso do Estado do RN estive concorrendo a uma vaga para professor de História.Na entrada da escola encontrei um colega de há muito e entramos num bate papo bem agradável sobre concursos,provas e carreira.

Nesse meio tempo da conversa um senhor vendia picolés e água mineral.Ela havia se retirado para comprar mais produtos para revenda.O carrinho ficou próximo a mim.Simplesmente um cidadão chegou ,olhou nos meus olhos e perguntou o valor da água.Eu respondi que não era o dono dos produtos.Aparentemente tudo normal.

No entanto precisamos rever essa cena por outro ângulo.Havia varias pessoas próximas e ele dirigiu a pergunta diretamente a minha pessoa e não perguntou mais nada aos colegas que se encontravam comigo.

A grande questão é:Qual foi o pensamento dele?Será que imaginou que eu me encontrava ali para fazer concursos ou realizar a venda de produtos?Nenhum dos dois seria falta de honra no meu caso.Naquele instante marcado no tempo ,naquela tarde chuvosa veio a frase mental:. "Cê não sabe como é estar assim.[...]Não sabe nada sobre o meu problema...Do que tá acontecendo comigo".

Nenhum comentário: