sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Precursor do tênis em cadeira de rodas no Brasil elogia acessibilidade na Rio-2016

POR GUSTAVO LOIO

José Carlos Morais na quadra central do Centro de Tênis
José Carlos Morais na quadra central do Centro de Tênis | Arquivo pessoal

Em 1972, aos 25 anos, um tiro deixou José Carlos Morais paraplégico. Treze anos após o acidente, logo após conhecer a modalidade no Centro de Reabilitação de Stoke-Mandeville, na Inglaterra, esse gaúcho radicado em Niterói levou o tênis em cadeira de rodas no Brasil. Desde então, foi hexacampeão brasileiro e representoou o país em nove Mundiais. Nas Paralimpíadas de Atlanta, em 1996, foi, ao lado de Francisco Reis Junior, o primeiro a defender o Brasil na modalidade.

Fundador do projeto Cadeiras na Quadra, em Niterói, Morais, hoje com 69 anos, visitou na terça-feira o Centro de Tênis Olímpico, na Barra. E gostou do que viu:
- Surpresas agradáveis de acessibilidade me acompanharam desde a estação do metrô de Botafigo até a Barra. A integração com o BRT da mesma forma. No ponto final outro ônibus é oferecido ao cadeirante. Mas declinei o convite e testei as rampas que me levaram até o Centro Olímpico. Na quadra central o acesso é oferecido por rampas ou por um grande elevador. A vaga para estacionarmos a cadeira é ampla e há um lugar para acompanhante. A visão e ótima, mas eu retiraria as barras de ferro para aumentar o plano de visão - analisou Morais, que, antes de conhecer o tênis para cadeirantes, integrava a seleção brasileira de basquete adaptado.

O precursor do tênis em cadeira de rodas no país não conheceu apenas a quadra central:

Depois fui na quadra 4 e uma plataforma recebe os cadeirantes de braços abertos. Não testei as demais e talvez na quinta-feira eu tenha está oportunidade. Por enquanto a nota é 9.5 só por causa do banheiro, embora perfeito na acessibilidade, não tem como trancar por dentro. Um simples detalhe que numa emergência pode ser fatal - sorri, ao comentar.


O médico gaúcho espera que o legado relacionado à acessibilidade, nas arenas, na Vila dos Atletas e meios de transporte, perdure pós-Jogos. Ele também vê outro ponto positivo na primeira Olimpíada da América do Sul:
- Os Jogos no Rio são importantes para mostrar à sociedade que merecemos praticar esportes e que devam ser criadas oportunidades para isso. Não estou me referindo à elite. E sim à massificação das oportunidades.

Gustavo Kuerten e Morais durante a Semana Guga de 2012, em Florianópolis
Gustavo Kuerten e Morais durante a Semana Guga de 2012, em Florianópolis | Hermes Bezerra
Sobre a disputa olímpica, Morais aponta a saída precoce das irmãs Venus e Serena Williams, de Novak Djokovic e a derrota dos mineiros Bruno Soares e Marcelo Melo como as maiores surpresas até agora. Mas aposta em uma disputa emocionante até o final, domingo:
Parece que Nadal está muito disposto em busca da medalha e terá um Murray querendo o biolimpico. Enfim, acho que teremos emoção até o final e a história tem mostrado o crescimento nesta competição de jogadores não favoritos - observa.
O precursor do tênis para cadeirantes no Brasil, que recebeu, em outubro de 2012, uma bela e merecida homenagem de Gustavo Kuerten, durante a Semana Guga (vídeo abaixo) está na contagem regressiva para a Paralimpíada, que começa no dia 7 de setembro: 

Acho que vai ser um momento muito significativo. Eu sou contra essa baboseira de força de vontade, superação e outros chavões para definir o esporte adaptado. A superação está no cara não ter onde treinar e ter que pegar duas a três conduções para chegar no treino. Como muitos não deficientes. Força de vontade todo o atleta tem que ter. O cara que bolou o tênis adaptado no pós Segunda Guerra tinha como objetivo usar o esporte como elemento reabilitador, integração social e tornar a vida do deficiente mais interessante - observa.

Morais vê a Paralimpíada como um marco no esporte:
É uma baita oportunidade de ver a evolução do tênis em cadeira de rodas. Novas cadeiras, tecnologia desenvolvida em laboratórios de pesquisa serão uma novidade. O dinamismo de um jogo de duplas com alternância de jogadas na rede e no primeiro e segundo quique é algo que os amantes do tênis não devem perder. Os franceses chegam como favoritos mas temos que respeitar a forte equipe argentina e os japoneses. O Brasil pela primeira vez tem quatro jogadores entre os homens, duas tenistas e dois quadriplégicos, jogadores com problemas de membros superiores - finaliza.




Nenhum comentário: