quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Dobradinha na natação e pódio inédito no halterofilismo marcam o sexto dia do Brasil nos Jogos do Rio

Por Maria Clara Serra

Cezar Loureiro/MPIX/CPB
              Imagem
             Evânio da Silva se emocionou ao receber a medalha de prata

Os Jogos Paralímpicos Rio 2016 começaram há apena seis dias e o Brasil já igualou as 43 medalhas conquistadas em Londres 2012. A carga de emoção para os brasileiros, no entanto, já ultrapassou, e muito, todas as edições passadas. Competindo em casa, com uma torcida que tem feito a diferença, a maior delegação da História verde e amarela vem fazendo bonito. Nesta terça, foram mais oito pódios – um ouro, quatro pratas e três bronzes. E o Brasil se aproxima da meta de ficar entre as cinco melhores nações do mundo.

No Estádio Olímpico, o revezamento 4x100m T11-13, com Diogo Ualisson, Gustavo Araújo, Daniel Silva e Felipe Gomes, conquistou o ouro, fechando a prova com a marca de 42s37, o novo recorde paralímpico. A modalidade garantiu mais três pódios para o país, com a prata de Odair Santos nos 1500m T11 e de Mateus Evangelista no salto em distância T37, e o bronze de Edson Pinheiro nos 100m T38.

No halterofilismo, Evânio Rodigues levantou 210kg e levou a prata na categoria até 88kg. Com o feito, ele se tornou o primeiro e único medalhista do Brasil na modalidade em Paralimpíadas, já que os brasileiros encerraram a participação nesses Jogos.

Na natação, as conquistas vieram com a dobradinha de Andre Brasil – prata - e Phelipe Rodrigues – bronze - nos 100m livre S10. O ouro ficou mais uma vez com o ucraniano Maksym Krypak. E depois da também inédita medalha individual de Israel Stroh no tênis de mesa – ele ganhou a prata na última segunda -, Bruna Alexandre venceu a a dinamarquesa Sophie Walloe e colocou a medalha de bronze no peito, se tornando a primeira mesa-tenista brasileira a conquistar uma medalha em Jogos Paralímpicos.

Apesar de não ter conseguido subir ao pódio, Luciano Rezende, do tiro com arco, conseguiu um excelente resultado na primeira vez em que um brasileiro representou o país na modalidade em Paralimpíadas. Ele perdeu a disputa do bronze para o iraniano Ebrahim Ranjbarkivaj e ficou com a quarta colocação.

Nesta quarta, a canoagem estreia nos Jogos do Rio, e Luis Carlos Cardoso é esperança de medalha para o país. Campeão mundial no caiaque pela categoria KL1 em 2015 e bronze em 2016, ele entra na Lagoa Rodrigo de Freitas às 9h15. Na natação os holofotes estarão voltados para o revezamento 4x100 livre 34 pontos, com a participação de Daniel Dias, Andre Brasil, Phelipe Rodrigues e Ruiter Silva, e para Carlos Farrenberg, atual vice-campeão dos 50m livre S13.

Nos esportes coletivos, o basquete masculino enfrenta a Turquia pelas quartas de final, o futebol de 7 pega o Irã na fase semifinal e o goalball masculino e feminino entram em quadra pelas quartas, contra China e Ucrânia, respectivamente.


Fonte: cpb.org.br

Nenhum comentário: