terça-feira, 20 de março de 2018

Falta de transporte prejudica tratamento de pessoas com deficiência em São Carlos - Veja o vídeo

Serviço "porta a porta" não está sendo realizado há cinco meses, segundo usuários. Caso foi parar no Ministério Público que determinou que atendimento deve ser feito sob pena de R$ 10 mil por dia.

Por G1 São Carlos e Araraquara

Resultado de imagem para Falta de transporte "porta a porta" prejudica pacientes em tratamento em São Carlos, SP
Falta de transporte "porta a porta" prejudica pacientes em tratamento em São Carlos, SP

Familiares de pessoas com deficiências e de necessidades especiais de São Carlos (SP) estão preocupados com a paralisação do serviço de transporte público conhecido como "porta a porta".

Click AQUI para ver o vídeo.

O serviço prestado pela Suzantur, empresa responsável pelo transporte público da cidade, atende cadeirantes e portadores de necessidades especiais para fins clínicos e educação.

A prefeitura disse qua irá verificar como está o serviço na Suzantur. A empresa informou que tem dois micro-ônibus para o atendimento e que irá disponibilizar mais um.

Só para educação

Segundo os usuários, há cerca de cinco meses o serviço começou a falhar até parar de vez. Eles reclamam que a falta do transporte tem prejudicado tratamentos de saúde.

“Eles falam que é só para educação, a saúde eles não atendem”, disse Ana Carolina Alvim dos Santos, mãe de Jhenyfer Emanuely, de 5 anos, que nasceu com paralisia cerebral e precisa de fisioterapia e ecoterapia.

Ana Carolina Alvim dos Santos, mãe de Jhenyfer Emanuely, reclama da falta de transporte adaptado para levá-la para tratamento médico em São Carlos (Foto: Wilson Aiello/EPTV)
Ana Carolina Alvim dos Santos, mãe de Jhenyfer Emanuely, reclama da falta de transporte adaptado para levá-la para tratamento médico em São Carlos (Foto: Wilson Aiello/EPTV)

Mas sem o serviço, ela só consegue levar a filha na fisioterapia. “Como não tem mais o porta a porta, eu levo ela de ônibus normal no meu colo”, contou.

Sem os tratamentos, a mãe percebeu que o desenvolvimento da filha parou de evoluir. “Na parte de sentar e de equilíbrio ela tinha melhorado bastante, mas está tudo voltando de novo. O medo que ela tinha também está voltando”, afirmou.

O auxiliar de eletricista Elder Chaves Aguilar, cadeirante desde que sofreu um acidente há quatro anos, está preocupado por não conseguir ir para as sessões de fisioterapia.

O cadeirante Elder Chaves Aguilar não consegue ir a fisioterapia por falta de transporte em São Carlos (Foto: Wilson Aiello/EPTV)
O cadeirante Elder Chaves Aguilar não consegue ir a fisioterapia por falta de transporte em São Carlos (Foto: Wilson Aiello/EPTV)

“A musculatura vai encurtando, vai complicando. Tudo e o que você perde em três meses, demora seis meses para recuperar, tudo complica, tem que fazer fisioterapia sempre, a coisa é séria e sem transporte não tem como ir”, afirmou.

A falta de atendimento da população por parte do serviço foi parar no Ministério Público que levou à Justiça que determinou que a prefeitura mantivesse em circulação ônibus regulares e adaptados à população, em todas as linhas do município. O descumprimento pode gerar multa diária de R$ 10 mil.

Falta de respeito

Mas nem a intervenção da Justiça resolveu. “Tá comprometendo a saúde dele e de todas as crianças que estão precisando no momento. O Davi tem problemas muito sérios no pulmão e é recomendação médica, ele precisa de fisioterapia todos os dias”, afirmou Adriana Varandas, mãe de Davi Luis.

“Eu gostaria que eles enxergassem porque o pessoal não está enxergando os cadeirantes, as pessoas com necessidades especiais, tá em geral, a parte de saúde, a parte de transporte, é uma falta de respeito”, definiu Adriana.

Posicionamento

A Secretaria de Transporte e Trânsito de São Carlos disse que vai checar como está a situação do serviço porta a porta com a empresa Suzantur.

Em nota, a Suzantur informou que devido ao processo de reorganização da empresa, pós intervenção feita pela prefeitura, o atendimento está sendo feito com dois micro-ônibus adaptados e que a partir de 29 de março, haverá mais um veículo, mas não informou porque o serviço está deficiente há vários meses.

Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: