quarta-feira, 27 de junho de 2018

Segunda fase do Camping Escolar conta com atletas mais experientes

Daniel Zappe/CPB/MPIX
Imagem
Débora Oliveira treina na pista de atletismo do CT Paralímpico, em São Paulo.

Por CPB

A segunda etapa do Camping Escolar Paralímpico começou nesta segunda, 25, no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo. Até 4 de julho, 34 jovens da natação e do atletismo de todas as regiões do Brasil estarão no CT para mais uma oportunidade de vivenciar a rotina de um esportista de alto rendimento.

A primeira fase do Camping, realizada no final de janeiro, já rendeu bons frutos. Alguns dos atletas que participaram do intensivão no início do ano disputaram grandes competições no primeiro semestre. É o caso do nadador brasiliense Elecio Pimenta, que competiu, em maio, na etapa italiana da World Series, circuito internacional de natação organizado pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC, em inglês).

“Cada viagem é única, é uma experiência diferente da qual eu tiro um aprendizado. Na Itália, nadei com os melhores do mundo, então, tentei tirar proveito disso pensando em como eu poderia melhorar”, relatou ele, que começou a nadar por indicação de um amigo com deficiência visual.

Elcio, 15, nasceu com catarata congênita. Aos quatro anos, também foi diagnosticado com glaucoma, mas adquiriu a cegueira total devido ao descolamento de retina quando tinha 10. “A primeira etapa do Camping foi algo novo e bastante interessante. Ouvir as palestras, treinar com o pessoal da Seleção Brasileira e do Centro de Referência, tudo foi muito motivador. Agora, voltamos para especializar mais nosso treino”, comentou.

Outra jovem que participa do Camping e que também teve a oportunidade de competir em um grande evento é Débora Oliveira. No início deste mês, a atleta disputou a primeira etapa nacional do Circuito Loterias Caixa de atletismo e faturou o ouro no salto em distância T20.

“Na competição, senti como se eu fosse da Seleção Brasileira. Tenho fé que um dia eu vá mesmo fazer parte dela. O atletismo me tirou de uma depressão bem profunda e pretendo seguir minha carreira de atleta profissional e estudar educação física”, comentou Débora. A jovem, natural de Rio Branco, Acre, foi diagnosticada com deficiência intelectual no início da infância. Começou na natação, mas, como sempre gostou muito de correr, fez um teste e migrou para o atletismo.

O Camping Escolar Paralímpico é um projeto do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) lançado em 2018 e que visa convidar atletas de 12 a 17 anos da natação e do atletismo que se destacaram nas últimas Paralimpíadas Escolares para um período de treinamento intensivo. A intenção é que os participantes façam uma imersão no esporte e experimentem a rotina de um atleta de alta rendimento. A última etapa desta primeira edição será nas Paralimpíadas Escolares, em novembro, quando serão analisados os resultados dos atletas.

Fonte: cpb.org.br

Nenhum comentário: