sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Desfile de moda em Macapá aborda a inclusão de crianças com deficiência

Programação em alusão ao ‘Mês da Criança’ propõe o combate ao preconceito.

Por Jorge Abreu, G1 AP — Macapá

Otávio Henrique, de 5 anos, nasceu surdo e faz reabilitação para escutar — Foto: Jorge Abreu/G1
Otávio Henrique, de 5 anos, nasceu surdo e faz reabilitação para escutar — Foto: Jorge Abreu/G1

Com a proposta de abordar a inclusão social como forma de combate ao preconceito, crianças com diferentes deficiências físicas foram as grandes estrelas em um desfile de moda realizado nesta quinta-feira (19) numa casa de show, em Macapá.

Durante o evento, em alusão ao “Mês da Criança”, os pequenos homenageados apresentaram coreografia de dança. Pula-pula, show musical, distribuição de lanches e pintura facial também fizeram parte da programação.

Amaury Barros, diretor-presidente do Creap — Foto: Jorge Abreu/G1
Amaury Barros, diretor-presidente do Creap — Foto: Jorge Abreu/G1

A iniciativa é de empresários, voltada para crianças que fazem tratamento no Centro de Reabilitação do Amapá (Creap). Segundo o diretor-presidente da instituição, Amaury Barros, muitos deficientes deixam de fazer o que gostariam por falta de oportunidade.

“Nós tivemos a ideia de promover o desfile e a apresentação de dança para mostrar para sociedade que cada indivíduo tem sua característica, seja ele portador ou não de alguma deficiência física. O importante é fazer a inclusão dessas pessoas em todas as atividades”, destacou.

Crianças que fazem realitação no Creap foram as estrelas do evento — Foto: Jorge Abreu/G1
Crianças que fazem realitação no Creap foram as estrelas do evento — Foto: Jorge Abreu/G1

De acordo com o diretor-presidente, o Creap atende cerca de 150 a 200 crianças em reabilitação por mês no Creap. Para ele, iniciativas de inclusão pode ajudar na aceitação pessoal de deficientes e no combate ao preconceito e paradigmas.

“A grande importância aqui é mostrar que a gente deve começar essa inclusão desde o início, da fase de criança até a adulta, pois se a sociedade fizer isso, essas pessoas se sentirão muito mais acolhidas futuramente”, enfatizou Amaury Barros.

Taciane Soeiro e o filho Otávio Henrique — Foto: Jorge Abreu/G1
Taciane Soeiro e o filho Otávio Henrique — Foto: Jorge Abreu/G1

Taciane Soeiro, de 29 anos, é professora de educação especial e mãe de Otávio Henrique, de 5 anos. O garoto nasceu surdo e faz reabilitação no Creap há cerca de três anos, após cirurgia de um implante coclear para identificar os sons, antes desconhecidos para ele.

“Eu acho uma ação como essa muito importante porque as crianças interagem com a música, com o desfile e até com outras crianças. Sou professora de educação especial e vejo essa inclusão, mesmo com dificuldade para andar, ouvir, entre outros, como um ganho muito grande”, disse Tatiane.

Apresentação de dança também teve a proposta de inclusão social — Foto: Jorge Abreu/G1
Apresentação de dança também teve a proposta de inclusão social — Foto: Jorge Abreu/G1

Programação em Macapá foi realizada em alusão ao 'Mês da Criança' — Foto: Jorge Abreu/G1
Programação em Macapá foi realizada em alusão ao 'Mês da Criança' — Foto: Jorge Abreu/G1

Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: