quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Deficiente visual precisa de ajuda para reconstruir casa destruída em incêndio que matou a mulher, em Goianira

Weder Carvalho percorre cerca de 30 km por dia para trabalhar, mas não é o suficiente para custear obra avaliada em R$ 25 mil. Ele e o filho, de 1 ano e 8 meses, estão morando de favor na casa de uma tia.

Por Paula Resende, G1 GO

Auxiliar de radiologia Weder Leite Carvalho perdeu a mulher, Adelania Silva Araujo, após incêndio na casa da família, em Goianira, Goiás — Foto: Arquivo pessoal/ Weder Carvalho
Auxiliar de radiologia Weder Leite Carvalho perdeu a mulher, Adelania Silva Araujo, após incêndio na casa da família, em Goianira, Goiás — Foto: Arquivo pessoal/ Weder Carvalho

Há menos de 20 dias, o auxiliar de radiologia Weder Leite Carvalho, de 33 anos, perdeu a mulher, Adelania Silva Araujo, de 36 anos, após ela ter 94% do corpo queimado durante um incêndio na casa da família, em Goianira, na Região Metropolitana de Goiânia. Deficiente visual, ele percorre cerca de 30 km por dia para trabalhar na capital, mas o que recebe não é o suficiente para reconstruir a casa e cuidar do filho de 1 ano e 8 meses. A obra está avaliada em R$ 25 mil.

“Como sou deficiente visual total, para mim as coisas ficam mais fáceis quando eu organizo, fico mais independente. Não gosto de ficar chorando perto dos outros, quero meu espaço, ficar quietinho no meu canto, às vezes pego meu filho no colo, saio de casa e choro porque é muito doído”, disse Weder.

O incêndio aconteceu por volta das 18h30 do dia 4 de dezembro, no Setor Parque das Camélias, quando Adelania foi ligar o fogão para preparar o jantar. Segundo Weder, seis minutos antes da tragédia, ele tinha conversado com a mulher por mensagem de celular. Na ocasião, ela contou que tinham trocado o botijão de gás. Porém, não perceberam que a braçadeira ficou frouxa.

“Ela contou que a mangueira jogou fogo nela. As pessoas que viram contaram que ela saiu para fora de casa com o corpo em chamas pedindo para salvar o bebê”, relata Weder.

Chamas atingiram o forro e o telhado da casa, em Goianira, Goiás — Foto: Paula Resende/ G1
Chamas atingiram o forro e o telhado da casa, em Goianira, Goiás — Foto: Paula Resende/ G1

Vizinhos conseguiram resgatar o menino, que estava no sofá da sala, apagar o fogo que atingiu o corpo de Adelania e a casa. Tia de Weder, Diva Borges de Carvalho, de 52 anos, mora na casa ao lado e conta que foi uma cena desesperadora.

“Escutei o estouro, ouvi um grito, saí do banheiro correndo. Ele gritava de muita dor. Além da dor, estava desesperada por causa do filho. Ela ficou mais calma quando mostrei ele para ela. Foi um trauma muito grande”, se recorda a tia.

O Corpo de Bombeiros levou a vítima até o Hospital Municipal de Goianira e, em seguida, para o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol). Segundo a família, durante o caminho, ela ficou inconsciente.

Adelania morreu 24 dias depois, na unidade de saúde. Weder contou com a ajuda de amigos, colegas de trabalho e familiares para pagar o funeral da mulher.

Bebê estava no sofá quando o incêndio atingiu a casa em Goianira, Goiás — Foto: Arquivo pessoal/ Weder Carvalho
Bebê estava no sofá quando o incêndio atingiu a casa em Goianira, Goiás — Foto: Arquivo pessoal/ Weder Carvalho

Estragos

O principal cômodo destruído foi o quarto do bebê. Em todos, o forro da casa ficou derretido e em outros, caiu. As partes elétrica e hidráulica também ficaram comprometidas.

Segundo Weder, colegas de trabalho e integrantes da Associação de Deficientes Visuais doaram roupas, brinquedos e até um sofá. Enquanto não tem condições, ele está abrigado na casa de uma tia. Apesar de ter sido bem acolhido, ele faz questão de voltar a ter o próprio lar.

“Eu não tenho condições. Vai precisar mexer na instalação de energia, o telhado vai ter que mexer em tudo, encanação, em alguns lugares como no quarto o telhado pode até cair porque ficou muito abalado”, explicou Weder.

Weder Carvalho e o filho, de 1 ano e 8 meses, estão morando na casa de uma tia enquanto a deles não é reconstruída em Goianira, Goiás — Foto: Paula Resende/ G1
Weder Carvalho e o filho, de 1 ano e 8 meses, estão morando na casa de uma tia enquanto a deles não é reconstruída em Goianira, Goiás — Foto: Paula Resende/ G1

Fonte: g1.globo.com

Nenhum comentário: