sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Ele Foi Abandonado No Lixo Por Ter Síndrome De Down, Mas O Destino Tinha Outros Planos… Emocionante!


Por mais que tenha sido difícil o nosso começo, a vida sempre encontra uma forma de nos dar uma oportunidade para ser feliz. Os primeiros dias da vida de Eddie não eram o que todos os bebês merecem. Sua mãe biológica o abandonou em uma bolsa de plástico e deixou-o em um lixo quando ele era apenas um recém-nascido. Talvez a sua síndrome de Down tenha sido o motivo do abandono.

Um carpinteiro notou como uma das sacolas de lixo se moviam, e tentado pela curiosidade, decidiu abri-lá, e assim pôde ver Eddie, que o olhava fixamente sem fazer um só ruído. As autoridades logo levaram o bebê a um orfanato para crianças com necessidades especiais e lá ele permaneceu até que o destino lhe trouxe uma maravilhosa surpresa.


Rachel Van Eerden e sua família estavam no Equador devido a uma missão religiosa. Um dia, eles foram levados a fazer um tour pelo orfanato, o mesmo orfanato em que Eddie se encontrava, e no momento em que Rachel viu o bebê, foi amor à primeira vista.


Apesar de que a família Van Eerden já tivera 10 filhos, eles decidiram adotar Eddie e começaram um processo legal que durou cinco anos. Finalmente, em 2009, o menino foi adotado legalmente e este seria apenas o início de uma vida feliz juntos.


Rachel não consegue conter as lágrimas ao falar de seu filho. Ela não pode crer que o bebê que fora abandonado em uma lixeira, seja o mesmo que agora brinca, ri, pula e toca o coração de todos que o conhecem.


A coisa que Eddie sabe fazer de melhor é compartilhar o seu amor por onde quer que passe. Ele é capaz de alegrar a pessoa mais triste do mundo apenas com um abraço, ele é capaz de sentir quando alguém está tendo um dia ruim e se assegura que isso mude, por isso e muitas outras coisas, seus pais o nomearam de “embaixador do amor”, e sabemos que este é um título que ainda lhe é pequeno. O coração desse menino não conhece fronteiras.

O que achou dessa história emocionante? Deixe um comentário.


Nenhum comentário: