quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Prefeitura entrega à cidade os primeiros táxis acessíveis

Os veículos adaptados começaram a circular no dia 17 de fevereiro.


Apresentação dos veículos ocorreu na frente do Edifício Matarazzo

Os primeiros 20 táxis acessíveis destinados ao atendimento exclusivo de passageiros deficientes ou com mobilidade reduzida passarão a operar nesta data, na capital. Em evento com a presença do prefeito da cidade de São Paulo, dos secretários municipais de Transportes e da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida foram apresentados os veículos.

Os táxis são todos Fiat modelo "Dobló" adaptados conforme normas técnicas estabelecidas pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito).
Além de equipamentos próprios para acomodar o deficiente, eles também
contam com rádio transmissor, ar condicionado, música ambiente e sistema de rastreamento, itens que permitem mais agilidade no atendimento, e mais conforto e segurança para os passageiros.

Para maior comodidade dos usuários, todos os táxis acessíveis são rádio-táxis, e podem ser chamados pelo telefone do respectivo Centro de Operações de cada empresa. Eles ficarão distribuídos em pontos estratégicos da cidade de modo a chegar rapidamente a qualquer destino. A listagem com os número de telefone pode ser consultada pelo Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) do Departamento de Transportes Públicos (DTP)(11) 2692-3302, 2291-5416, 2692-4094, ou pela internet, no site da Secretaria Municipal de Transportes.

O custo do carro mais a adaptação são de, aproximadamente, R$ 90 mil, totalmente bancado pelo taxista. As especificações técnicas para a modificação dos veículos estão discriminadas no "Manual dos Requisitos Básicos para Táxi Acessível" que foi elaborado pela Área de Desenvolvimento Tecnológico da SPTrans. Os interessados poderão ter acesso a esse manual pelo site da SMT. As tarifas cobradas pelos táxis acessíveis têm o mesmo valor das dos demais táxis (bandeirada R$ 3,50, quilômetro rodado R$ 2,10 e hora parada R$ 28,00) acrescido da taxa de R$ 3,50 por ser rádio-táxi.

Foram sorteados 80 alvarás novos para táxi acessível, sendo escolhidos 80 condutores/empresas titulares e mais 40 suplentes. Além dos 20 alvarás já distribuídos, outros estão em período de preparação e, ainda, ocorrerá a chamada de suplentes do sorteio tendo em vista algumas desistências formalizadas.

Essa é mais uma iniciativa da política da Prefeitura que busca integrar o deficiente em todos os aspectos da sociedade. Para tanto, a Secretaria Municipal de Transportes tem colaborado em diversos aspectos. Nos últimos quatro anos, a frota de ônibus acessíveis da cidade cresceu de 302 para 3.166 veículos, a maior do país. O serviço Atende, que transporta os usuários deficientes com alto grau de severidade e dependência, conta atualmente com 327 vans, que servem a 3.622 passageiros especiais e mais de dois mil acompanhantes. Também existe o Bilhete Único que garante a gratuidade para os deficientes nos ônibus da rede municipal. Até o final de 2008, a SPTrans já havia emitido 257 mil Bilhetes Especiais. É assim que a Prefeitura e a Secretaria Municipal de Transportes estão integrando todos os
paulistanos.

Serviço:
Número das Centrais de Táxis que contam com táxi acessível:
Associação das Frotas de Táxis
Rua Alfredo Maia, 533 - Ponte Pequena
Fone.: 11 3229-7688 / 3228-1400 / 3326-0505
endereço eletrônico: www.alotaxi. com.br

Associação dos Taxistas Autônomos - Fuji Táxi 2
Fone.: 11 5073-3600 / 5077-3999
endereço eletrônico: fujitaxi@uol. com.br

Associação Delta Comum Rádio Táxi 1
Fone.:11 5072-4499
endereço eletrônico: comercial@teletaxi.sp.com.br

Metrópole SP Rádio Táxi Ltda. - ME 1
Fone.: 11 5575-6681
endereço eletrônico: metropole_sp@ yahoo.com.br

Associação Super Táxi dos Taxistas Autônomos 1
Fone.: 11 3982-6414
endereço eletrônico: supertaxi@supertaxi.com.br
Fonte: Prefeitura SP
http://portal. prefeitura. sp.gov.br/ noticias/ sec/transportes/2009/02/0060

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

O que é paralisia cerebral?

Paralisia cerebral é uma deficiência motora de origem cerebral. Isso significa que o cérebro não consegue comandar os músculos com precisão. Ao contrário do que o nome possa sugerir, o cérebro de uma pessoa com PC não é paralisado. Apenas, em algum momento, antes, durante ou após o parto, enquanto o cérebro ainda estava em formação, houve algum problema que lesionou as células cerebrais responsáveis pelos movimentos e equlíbrio do corpo. Dependendo do tamanho e local da lesão também pode haver deficiência visual, auditiva ou intelectual, associada (s). Como são as pessoas que têm paralisia cerebral? Em geral, a maior parte das pessoas com paralisia cerebral tem a capacidade intelectual preservada e compreende tudo o que acontece ao seu redor, apesar de muitas delas não conseguirem expressar essa capacidade devido às limitações motoras. Há vários graus de paralisia cerebral. Desde o mais leve ao mais grave. Uma pessoa com paralisia cerebral pode ser bem diferente de outra com a mesma deficiência. Algumas não andam, ou andam com dificuldade. Outras não falam, ou falam com dificuldade. Muitas delas têm problemas de coordenação para pegarem ou manipularem objetos.
Convulsão - Parte das pessoas com paralisia cerebral tem convulsões em alguma época da sua vida ou durante toda ela. Essas convulsões são controladas por remédio (os).
Diferentes e iguais - Apesar das diferenças, há várias características que igualam as pessoas com paralisia cerebral às pessoas comuns. Por exemplo, elas querem estar na vida e desfrutar de todas as coisas que esse mundo pode oferecer: amor, estudo, trabalho, lazer, cultura etc. Aliás, elas não só querem como têm esse direito. Cidadania - Há várias leis que asseguram os direitos de cidadão das pessoas com paralisia cerebral e com os outros tipos de deficiência. TODAS, assim como as pessoas comuns, têm direito à escolaridade, ao trabalho e à acessibilidade, seja qual for a circunstância ou lugar. Inclusão ampla, geral e irrestrita.