sábado, 5 de setembro de 2009

Docentes de educação especial com mil novos lugares nas escolas.

Ministério cria melhores condições para alunos do ensino especial.

Os professores de ensino especial têm ao seu dispor mil vagas nas escolas no ano lectivo 2009/2010. A Educação Especial está a ser alvo de uma reforma que pretende melhorar as condições dos alunos com dificuldades de aprendizagem.

O Ministério da Educação criou mais mil lugares nas escolas para professores de Educação Especial, no novo ano lectivo 2009/2010. A nova medida faz parte da reforma na área da Educação Especial.

De acordo com a Lusa, no âmbito da nova reestruturação será introduzida a Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF) na sinalização de crianças com necessidades educativas especiais.

«Os professores têm estado a ter formação, designadamente para a utilização da CIF (Classificação Internacional de Funcionalidade) e temos uma equipa de acompanhamento e avaliação que está a realizar esse trabalho, coordenada pelo próprio autor da CIF, o professor Simeonsson, com o apoio de instituições do Ensino Superior portuguesas», explicou o secretário de Estado,Valter Lemos.

O Ministério da Educação comunicou, em Janeiro passado, que pretende ainda conhecer os recursos e apoios que estão em ambiente escolar.

Os resultados da reforma da Educação Especial serão apresentados numa conferência dedicada à temática que se realiza na próxima sexta-feira e sábado, em Lisboa, com a participação da equipa de Rune Simeonsson.

«Permitirá fazer o balanço da aplicação até agora e eventualmente analisar o que se pode fazer em relação ao próximo ano, mas está a correr bem, mesmo o trabalho com as instituições de Educação Especial que atendem alunos fora das escolas públicas, em escolas próprias», adiantou.

No âmbito da reforma neste tipo de educação foram criados 25 centros de recursos de Tecnologias de Informação e Comunicação da Educação Especial com equipamentos que respondem às necessidades de crianças com paralisia cerebral ou dificuldades motoras e criação de salas especializadas no apoio a alunos cegos, surdos, multideficientes e autistas.

O Ministério da Educação tem como objectivo integrar todos os alunos com necessidades educativas especiais inseridos no sistema de ensino regular até 2013, dotando as escolas de ensino especial de recursos humanos e materiais.



Fábrica de conteúdos
04/09/2009

Nova York acessível: Transportes são adaptados.

Em NY é possível ao cadeirante usar qualquer tipo de condução pública, com rampas e lugar reservado.

Vai de táxi? Nova York tem vários carros acessíveis com o símbolo universal estampado na lateral. De ônibus? Espere num dos muitos pontos devidamente identificados. Os veículos têm rampas e espaço de sobra. Precisa de transporte especial? Ligue para o serviço de atendimento, que manda uma van adaptada o buscar onde for preciso. Quer se sentir livre? Vá de metrô.

Diferentemente da realidade encontrada nas grandes cidades brasileiras, em que o deficiente tem pouca ou nenhuma opção de transporte, em Nova York é possível usar qualquer tipo de condução pública ou prestadora de serviço.
Até os tradicionais ônibus de turismo - aqueles com segundo andar aberto e um guia contando piadas sem graça - têm rampas e espaço reservado.

A opção, porém, só vale para quem quiser fazer um tour rápido pela cidade. O local do cadeirante fica na parte de baixo do ônibus e a visualização é bem comprometida pelos anúncios publicitários estampados na lateral do veículo.

Pegar táxi na Quinta Avenida é um desafio para qualquer um -e não é diferente para o cadeirante. A frota não é exclusiva para deficientes, mas existe.

Para enfrentar uma corrida é preciso ignorar o mau humor de alguns condutores e se esgoelar um tanto para que eles parem. Os carros são equipados com elevador, mas o taxista não costuma ajudar muito na logística do embarque.

Outra opção são as vans adaptadas que atendem com hora marcada (os agendamentos são feitos pelo tel.: 00/xx/1/ 212/877-3372017). O serviço é ideal para quem tem restrições severas de movimento.

Nova York acolhe os cadeirantes.

Quem é habituado à realidade brasileira pode até demorar para acreditar em uma cidade sem obstáculos.

Uma sensação de liberdade que nenhuma cidade brasileira oferece a um cadeirante ou pessoa com mobilidade reduzida. É esse o impacto que Nova York, a maior metrópole dos EUA, oferece logo nas primeiras horas para quem está tocando uma cadeira de rodas por suas calçadas amplas, sem obstáculos e com rampas.

Perguntar se um local de grande circulação de pessoas - como museus, lojas e restaurantes - tem condições de acessibilidade chega a causar estranhamento nos nova-iorquinos, que estão acostumados a conviver com pessoas com limitação física ou sensorial.

Mesmo em locais pequenos, como uma cafeteria, há banheiros com portas grandes, barras de apoio e válvula de fácil acionamento. Sem falar do acesso sem barreiras para entrar e sair dos recintos.

Na ilha de Manhattan - a principal de Nova York e que condensa centenas de atrações turísticas, gastronômicas e de lazer -, os transportes são acessíveis. As ruas, em sua grande maioria, são planas e a estrutura urbana é pensada para atender a necessidades diversas.

Para uma pessoa com deficiência que está acostumada às mazelas urbanísticas e sociais brasileiras, até demora um pouco para acreditar e se convencer de que não haverá transtornos para passear na disputada e impressionante Times Square, de que vendedores de lojas chiques irão tratá-la como consumidora -e não como uma pessoa estranha- e de que é possível frequentar qualquer ponto turístico do rol dos fundamentais sem se preocupar com dificuldades de acomodação ou de acesso.

Broadway
Escolher a qual espetáculo assistir entre as dezenas de opções da Broadway é missão muito mais complicada que chegar ao local e ver o show em uma cadeira de rodas.

As casas das principais atrações - A Bela e a Fera, O Rei Leão e Hair, por exemplo - são preparadas para receber o público com algum tipo de limitação motora. O local designado para o cadeirante geralmente é bem localizado e permite uma visualização perfeita. Contudo, a regra de comprar os ingressos antes deve ser seguida.

Além disso, para comprar a entrada com desconto de 50% o deficiente não precisa ficar na gigantesca fila do ponto de venda da Times Square. Basta ir diretamente à bilheteria do espetáculo a que planeja assistir.


Folha de São Paulo
03/09/2009

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Projeto prevê multa maior por desrespeito a vagas de estacionamento para deficientes.

Secretaria fará pente-fino da acessibilidade após a assinatura do acordo com 19 shoppings paulistanos nesta quarta
Um projeto de lei que prevê tornar mais cara a multa para os motoristas que param de forma irregular em vagas para deficientes chegou na semana passada à Comissão de Trânsito da Câmara Federal. O texto, apresentado pelo deputado José Paulo Tóffano (PVSP), foi redigido com colaboração da Secretaria da Pessoa com Deficiência de São Paulo.

Além de aumentar a multa, que hoje é de cerca de R$ 50, o projeto prevê alterações no CTB (Código de Trânsito Brasileiro) para mudar a classificação da infração de leve (3 pontos) para média (4 pontos) e permitir a fiscalização pública em locais de estacionamento privados, como shoppings e supermercados. Hoje, não é possível aplicar multas nesses locais.

O secretário Marcos Belizário defendeu o projeto junto à deputada Rita Camata (PMDB), relatora do projeto que altera o CTB.

Secretaria fará pente-fino da acessibilidade
Após a assinatura do acordo com 19 shoppings paulistanos amanhã, a Secretaria da Pessoa com Deficiência de São Paulo deverá iniciar uma operação de pente-fino nesse tipo de estabelecimento na cidade. “Vamos realizar visitas em shoppings, sem hora nem data marcada, principalmente
nos que não assinaram o acordo. A ideia é fiscalizar toda a infraestrutura de acessibilidade: banheiros, telefones, piso tátil, e não apenas as vagas”, diz o secretário Marcos Belizário.

Segundo ele, a secretaria e as subprefeituras podem realizar a fiscalização.


Metro
02/09/2009

"De porta em porta" aborda sequelas de paralisia cerebral.

Filme abre discussões sobre a inclusão de uma forma ampla e não assistencialista e trata de capacidades, afeto, empatia e motivação.

O filme de Porta em Porta nos sensibiliza a todo o momento. Seu enredo versa sobre diferenças, indiferenças e acertos. Retrata uma pequena família composta por mãe e seu único filho: Bill Potter. Este vai em busca de emprego e tem sua mãe como motivadora essencial. Bill se auto-motiva mesmo sendo rejeitado devido à sua “condição diferente”, pois na infância teve paralisia cerebral que o deixou com algumas sequelas.

Combina uma forma desengonçada de andar e de falar com grande empenho na conquista de um emprego. Especialmente, quando sai de uma entrevista de emprego encontra sua mãe que está à sua espera - ela vê em seu filho expectativa e esperança quanto às suas potencialidades.

A partir daí Bill retorna ao prédio e encara o seu futuro chefe com mais ênfase, fazendo com que a vaga proposta torne-se sua, tornando-se um vendedor de "Porta em Porta”.

A partir de então assistimos a um festival de superação por parte de Bill, pois geralmente é visto pelos outros como incapaz, medonho pela forma de andar e falar, sendo, muitas vezes, ignorado.

Contudo, não desiste e percebe que há grandes potencialidades em si e que vai exercitar a paciência, a amizade e, claro, o diálogo e a ouvida do outro para fazer-se ouvir também.

Papéis de assistência e acomodação não fazem parte do sucesso de Bill. Ao contrário, percebe-se grande força de vontade em superar-se e no cumprimento das metas estabelecidas profissionalmente.

Na sequência a mãe de Bill passa por uma “doença degenerativa” que a faz perder a memória a cada dia, fazendo com que Bill se torne ativo no processo de resignificar a situação de "quem cuida de quem”.

Pudemos perceber uma extrema ligação entre os personagens, cada um vivendo um momento delicado. Presente também a questão da homossexualidade e do adultério no filme. Ressalta, ainda, alguns recortes históricos de mudança sociais, econômicas e tecnológicas, pois não só Bill supera os preconceitos, mas também se adapta com bastante rejeição aos “novos tempos”, mesmo sendo a hora social ou biológica para se aposentar.

Um filme extraordinário que abre muitas discussões sobre a inclusão de uma forma ampla e não assistencialista, trata de capacidades, afeto, empatia e motivação, de acreditarmos que a “minoria” faz a diferença, é formadora, é mobilizadora de opinião e que tem a capacidade de acreditar na transformação e ter papel ativo nesse constante processo. O filme nos transmite a capacidade de acreditar em si, não importando os limites sociais e estruturais e que todos nós podemos ser agentes de transformação.


Blog Educação Especial
02/09/2009

Banco nos EUA se desculpa por exigir impressões digitais de homem sem braços.

Washington, 3 set (EFE).- O Bank of America ofereceu hoje um pedido de desculpas públicas após exigir que um homem sem braços se identificasse mediante suas impressões digitais.

"Deveríamos oferecer alternativas se um indivíduo não está em capacidade de fornecer impressões digitais", disse a instituição bancária em uma declaração.

Segundo informaram hoje meios de comunicação em Tampa, Flórida (EUA), o homem, identificado como Steve Valdez, foi a uma filial do banco para descontar um cheque de sua esposa.

A atendente do caixa teria informado que uma pessoa que não tinha conta no banco tinha que mostrar fornecer suas impressões digitais para realizar a operação.

"Evidentemente, se não se tem braços não se pode fornecer impressões digitais", disse Valdez ao diário St. Petersburg Times.

Mesmo assim este homem de 54 anos, que nasceu sem braços e usa próteses em ambas as extremidades, não pôde convencer à atendente do caixa, apesar de mostrar dois documentos com sua fotografia.

Sua decisão foi respaldada por um supervisor imediato que informou a Valdez que o problema se resolvia se abria uma conta ou se sua esposa fosse pessoalmente para fazer efetivo o cheque.

Valdez disse que decidiu abandonar a filial depois que o supervisor lhe dissesse que só estava aplicando a política do banco.

"Fiquei arrasado. Esta é a primeira vez que ocorre algo assim", disse Valdez ao diário que não informou quando ocorreu o incidente.

UOL notícias
04/09/2009
01h02.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Secretaria inaugura primeiro hospital da Rede Lucy Montoro.

Unidade na capital tem capacidade de 12 mil atendimentos e 80 quartos para internação, além de recursos tecnológicos de última geração para atender a pessoas com deficiência e mobilidade reduzida

A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência inaugura, no dia 3 de setembro, às 11 horas, o primeiro hospital da Rede de Reabilitação Lucy Montoro, no bairro de Santo Amaro.

O hospital possui 13,5 mil metros quadrados de área construída em dez andares e será parâmetro de qualidade e alta tecnologia para as outras unidades da Rede Lucy Montoro, que começam a funcionar a partir do final do ano. Oferecerá reabilitação integral de última geração, com equipamentos e técnicas ainda inéditas no Brasil, a pacientes do SUS com lesões medulares, amputações, sequelas de traumatismo crânio-encefálico, paralisia cerebral, hemiplegia e severas restrições de mobilidades.

Com 80 apartamentos, 20 consultórios e área de diagnóstico de mil metros quadrados, a nova unidade terá capacidade para 12 mil atendimentos por mês, incluindo tratamento multidisciplinar com equipamentos de última geração. Os apartamentos, individuais, priorizarão a internação de pacientes do interior do estado.

Sobre a Rede de Reabilitação Lucy Montoro

O novo hospital de Santo Amaro integra a Rede de Reabilitação Lucy Montoro, cuja proposta é oferecer condições à pessoa com deficiência física de ser efetivamente inserida na sociedade a partir do desenvolvimento de suas habilidades e potencialidades, proporcionado pela reabilitação multidisciplinar. Dentro de dois anos, a Rede será composta por nove unidades fixas em diversas regiões do estado: Capital (Santo Amaro, Lapa, Vila Mariana e Jardim Umarizal), Campinas, Santos, Marília, São José do Rio Preto e Ribeirão Preto.

Os centros de atendimento paulistanos na Lapa, Vila Mariana e no Jardim Umarizal - que serão integrados ao novo hospital de Santo Amaro - compõem o complexo Lucy Montoro da capital, que terá capacidade média superior a 20 mil atendimentos mensais. A equipe multidisciplinar de atendimento aos pacientes será formada por mais de 500 profissionais especializados, entre médicos fisiatras, enfermeiras, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, fonoaudiólogos e outros profissionais especializados em reabilitação.

SERVIÇO

Inauguração da Unidade Santo Amaro da Rede de Reabilitação Lucy Montoro

Data: 3 de setembro

Horário: 11 horas

Endereço: R. Jandiatuba, 580

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Projeto defende 15% de vagas do Prouni aos deficientes.

Espera-se que a medida seja aprovada sem maiores problemas.

Tramita na Câmara um projeto de lei que se aprovado beneficiará os mais de 24 milhões de brasileiros que possuem algum tipo de deficiência, seja ela física ou mental. O projeto, de autoria do deputado federal Eliene Lima (PP-MT), garante 15% das vagas do ProUni (Programa Universidade para Todos) a pessoas com necessidades especiais.

Desde que foi criado em 2005, o programa federal de inclusão educacional defende que as universidades privadas ofereçam vagas para descendentes de negros, índios e para aqueles estudantes com deficiência. Porém na Medida Provisória nº 213, que instituíu o ProUni, não ficou definido qual o percentual de alunos deficientes que podem aderir ao programa.

"Não basta a lei dizer que existe um benefício ao cidadão, se ela não define quantos podem ter esse acesso", afirma Eliene.

Para definir o percentual do projeto de lei, o autor do projeto se baseou nos dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), do ano de 2000, ao qual define que 14,5% da população brasileira possuem algum tipo de deficiência. Pelo Censo, esse percentual de brasileiros apresenta alguma dificuldade permanente de enxergar, ouvir, locomover-se ou alguma deficiência mental.

"Acredito que esse projeto será aprovado, já que os parlamentares federais têm a consciência que os deficientes são os que mais precisam da classe política", prevê o integrante da Frente Parlamentar em Defesa da Pessoa com Deficiência.



Jornal Documento
01/09/2009

terça-feira, 1 de setembro de 2009

ABBR inaugura fábrica de cadeiras de rodas.

ABBR inaugura nessa segunda-feira fábrica de cadeiras de rodas

O objetivo é quadriplicar a produção e a oferta de meios de locomoção

A Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR) escreve mais uma página nos seus 55 anos de história, recém-completados. É que a entidade vai inaugurar na próxima segunda-feira (31/08), às 11h, a sua fábrica de cadeiras de rodas e outros meios auxiliares de locomoção. O objetivo é quadriplicar a oferta desses produtos aos pacientes e à comunidade.

A nova fábrica vai se somar à Oficina Ortopédica da entidade, setor que já produz parte das dezenas de órteses, próteses e calçados, fornecidos pela instituição. Com o início da fabricação de cadeiras de rodas, cadeiras higiênicas, muletas e andadores, a expectativa é reduzir os custos dos produtos, aumentando o número de pessoas atendidas e diminuindo o tempo de espera.

“Nesse início teremos condições de atender à nossa demanda atual, que é de 150 cadeiras de rodas por mês. Mas a capacidade de produção é de 600 unidades. Ou seja, temos espaço para crescer e com certeza isso acontecerá”, afirma Norma Vaz, gerente da Oficina Ortopédica.

Segundo ela, a abertura da fábrica foi possível graças ao Rotary Club, que doou todos os equipamentos para a confecção dos meios auxiliares de locomoção. Ela destaca o apoio da diretora da Comissão Permanente da Fundação Rotária, sra. Christa Bohnhof-Gruhn, que viabilizou a parceria.

Os produtos poderão ser adquiridos pelo convênio com o Sistema Único de Saúde (SUS), na Oficina Ortopédica, ou pela loja da ABBR. Quem tiver interesse em fazer a solicitação para adquirir algum item pelo SUS deve trazer cópias dos seguintes documentos: identidade, CPF, comprovante de residência e a prescrição médica, com laudo, de um hospital público. Em caso de paciente menor de idade, os responsáveis devem levar também a cópia do CPF e da certidão de nascimento da criança. Mais informações pelo telefone (21) 3528-6363. A ABBR fica na Rua Jardim Botânico, 660, Jardim Botânico. O site é www.abbr.org.br.

ABBR – Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação
Tel.: (21) 3528-6363
Rua Jardim Botânico, 660, Jardim Botânico
www.abbr.org.br

Blog
Andrei Bastos.

Faetec realiza encontro sobre a sexualidade da pessoa com deficiência intelectual.

A entrada no evento é gratuita e o objetivo é abrir o encontro a todos os interessados.

Estão abertas as inscrições para o Encontro Dialógico: A sexualidade da pessoa com deficiência intelectual, que será promovido pela Fundação de Apoio a Escola Técnica na próxima terça-feira, 1º de setembro, entre 8h30 e 13h, no Teatro do Centro de Educação Tecnológica e Profissionalizante (Cetep) Quintino. O evento é gratuito e aberto ao público em geral. Os interessados podem se inscrever gratuitamente pelo site www.faetec.rj.gov.br/dai.

O objetivo do encontro é reunir pessoas que atuam em diferentes frentes de trabalho, mas que têm em comum a prática de estudos e ações dirigidas à pessoa com deficiência intelectual. Além do presidente da Faetec, Celso Pansera, participarão do evento o secretário de Ciência e Tecnologia, Alexandre Cardoso, professores, alunos e convidados.

Na programação estão incluídos relatos de experiências como: "A pessoa com deficiência e o mundo do trabalho", com a gerente de seleção da McDonald's, Soraia Camacho; "Trabalho customizado", com Paulo Rodrigues, coordenador do Projeto Integrando e consultor da Academia Brasileira de Ciências e o "Programa de Qualificação Profissional da Escola Estadual de Ensino Especial Favo de Mel" que será apresentado pela diretora da Unidade, Luci Freitas de Oliveira.

O tema central, "A sexualidade da pessoa com deficiência intelectual", será tratado numa abordagem jurídica, pela juíza titular da 1ª Vara Criminal de Jacarepaguá, Thelma Araujo Esteves Fraga. E, numa visão mais abrangente com a professora da UERJ, Rosana Glat.

Serão apresentados vídeos de alunos da Escola Estadual de Ensino Especial Favo de Mel trabalhando e apresentações culturais com o Grupo de Capoeira Especial, composto por alunos da Favo de Mel sob a orientação do Mestre Teacher e, com o Ballet Corpo em Movimento, da Andef (Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos).

O Teatro do Cetep Quintino fica na rua Clarimundo de Melo, 847, em Quintino. Mais informações pelo telefone 2333-9508.



O Globo
31/08/2009

DECRETO Nº 6.949, DE 25 DE AGOSTO DE 2009.

O decreto promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo
Presidência da República

Casa Civil

Subchefia para Assuntos Jurídicos

DECRETO Nº 6.949, DE 25 DE AGOSTO DE 2009.

Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e
Considerando que o Congresso Nacional aprovou, por meio do Decreto Legislativo no 186, de 9 de julho de 2008, conforme o procedimento do § 3º do art. 5º da Constituição, a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007;
Considerando que o Governo brasileiro depositou o instrumento de ratificação dos referidos atos junto ao Secretário-Geral das Nações Unidas em 1o de agosto de 2008;
Considerando que os atos internacionais em apreço entraram em vigor para o Brasil, no plano jurídico externo, em 31 de agosto de 2008; DECRETA: Art. 1o A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, apensos por cópia ao presente Decreto, serão executados e cumpridos tão inteiramente como neles se contém. Art. 2o São sujeitos à aprovação do Congresso Nacional quaisquer atos que possam resultar em revisão dos referidos diplomas internacionais ou que acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional, nos termos do art. 49, inciso I, da Constituição. Art. 3o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 25 de agosto de 2009; 188o da Independência e 121o da República. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Celso Luiz Nunes Amorim

Este texto não substitui o publicado no DOU de 26.8.2009 CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA


Rede Saci
28/08/2009

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Encontros do Fórum Permanente de Educação Inclusiva.

O encontro serárealizado no dia 1 de setembro na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo
O Fórum Permanente de Educação Inclusiva, por meio de sua Comissão Executiva, tem a satisfação de convidá-lo para nosso próximo encontro a ser realizado no dia 01/09/2009 - das 9:00 as 13:30 horas, na sala 115 do bloco B , na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo - Cidade Universitária/SP.

9h - Abertura e informes

9h30 - 12h
- Modelo médico na Educação

- CONAE 2010 - Informes dos municípios que participaram das etapas municipais e intermunicipais

- Parecer 13

12h -13h30 - Reunião da Comissão Executiva

Contamos com sua presença para que possamos dar continuidade às nossas discussões sobre Educação Inclusiva.

A participação é gratuita e não é necessária inscrição prévia.

Comissão Executiva do Fórum Permanente de Educação Inclusiva

Agenda 2009 - provisória

6 de Outubro - Ciclo/ Série Cesar e Arimar
3 ou 10 de Novembro
1 de dezembro

Carta de Princípios do Fórum Permanente de Educação Inclusiva

Defendemos a inclusão total e incondicional de todas as pessoas em todos os contextos sociais e o direito de serem beneficiárias dos bens públicos e privados.

Defendemos o processo de transformação da sociedade para atender a singularidade humana e a pluralidade cultural, o que implica em rupturas e mudanças políticas, econômicas e sociais.

Defendemos a cultura da diversidade em oposição a cultura do preconceito, com base nos direitos humanos fundamentais de igualdade, participação, solidariedade e liberdade.

Defendemos a cultura da diversidade na educação não como busca do melhor modelo educativo individual ou de adaptações curriculares, mas da construção de sistemas educacionais inclusivos que assegurem o acesso e a permanência de todos como resultado da qualidade social da educação.

Defendemos a educação como um direito de todos e dever do Estado, seja esse o provedor dos serviços educacionais ou o fiscalizador dos serviços prestados por entidades privadas.

Defendemos a gestão democrática e controle social em todas as instâncias dos sistemas de ensino e nas unidades escolares.

Defendemos que a educação escolar é o instrumento fundamental de desenvolvimento individual, social, cultural, político e econômico do país para garantir o exercício da cidadania.


Rede Saci
28/08/2009

domingo, 30 de agosto de 2009

Obesidade aumenta risco de apresentar Alzheimer, afirma pesquisa.

Segundo a pesquisa, a obesidade leva à maior perda de tecido cerebral.

Além dos riscos de doenças cardíacas, a obesidade também aumenta as chances de desenvolver mal de Alzheimer, de acordo com um estudo de duas universidades sobre o problema, que afeta a comunidade latina.

A revista especializada Human Brain Mapping traz nesta quarta-feira os resultados da pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia Los Angeles (UCLA) e da Universidade de Pittsburgh, que descobriu que as pessoas obesas de idade avançada tinham em média 8% menos tecido cerebral que as com peso normal.

Da mesma forma, os adultos mais velhos e com sobrepeso tiveram 4% menos tecido cerebral que os com um peso adequado.

"Isso é uma grande perda de tecido, que diminui as reservas cognoscitivas pondo (os afetados) em um risco muito maior de (contrair) Alzheimer e outras doenças que atacam o cérebro", afirmou Paul Thompson, professor de neurologia da UCLA e diretor do estudo.

Cerca de 70% dos latinos adultos da Califórnia apresentaram sobrepeso ou eram obesos em 2005, segundo dados do Departamento Estadual de Serviços de Saúde, o que, de acordo com a pesquisa de UCLA-Pittsburgh, os deixa com maior risco de sofrer demência senil.

O estudo utilizou imagens cerebrais de uma pesquisa anterior e selecionou testes de 94 idosos dentre 70 e 80 anos que eram saudáveis cinco anos após terem sido feitas as imagens do cérebro.

Para determinar a obesidade ou o sobrepeso foi utilizado o Índice de Massa Corporal (IMC) - que calcula a gordura corporal pela relação entre peso e altura - e aponta com peso normal as pessoas entre 18,5 e 25. As pessoas com IMC entre 25 e 30 são qualificadas com acima do peso, enquanto as que apresentam mais de 30 IMC são consideradas obesas.

Ao analisar tanto a "matéria cinza" como a "matéria branca" refletidas nas imagens cerebrais, os cientistas observaram que as pessoas obesas tinham menos tecido cerebral nos lóbulos frontais frontal e temporal, áreas do cérebro essenciais para o planejamento e a memória.

Elas apresentavam menos massa na parte anterior da circunvolução cingulada, área da parte média do cérebro - conhecida comumente como cíngulo - ligada à funções de atenção e execução.

As imagens também mostravam alterações no hipocampo - situado no lóbulo temporal e relacionado com a memória a longo prazo - e os gânglios basais, que se relacionam com a função do movimento.


Google Notícias
28/08/2009

DECRETO Nº 6.949, DE 25 DE AGOSTO DE 2009

O decreto promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo
Presidência da República

Casa Civil

Subchefia para Assuntos Jurídicos

DECRETO Nº 6.949, DE 25 DE AGOSTO DE 2009.

Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e
Considerando que o Congresso Nacional aprovou, por meio do Decreto Legislativo no 186, de 9 de julho de 2008, conforme o procedimento do § 3º do art. 5º da Constituição, a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007;
Considerando que o Governo brasileiro depositou o instrumento de ratificação dos referidos atos junto ao Secretário-Geral das Nações Unidas em 1o de agosto de 2008;
Considerando que os atos internacionais em apreço entraram em vigor para o Brasil, no plano jurídico externo, em 31 de agosto de 2008; DECRETA: Art. 1o A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, apensos por cópia ao presente Decreto, serão executados e cumpridos tão inteiramente como neles se contém. Art. 2o São sujeitos à aprovação do Congresso Nacional quaisquer atos que possam resultar em revisão dos referidos diplomas internacionais ou que acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional, nos termos do art. 49, inciso I, da Constituição. Art. 3o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 25 de agosto de 2009; 188o da Independência e 121o da República. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Celso Luiz Nunes Amorim

Este texto não substitui o publicado no DOU de 26.8.2009 CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA.

Rede Saci
28/08/2009