sábado, 4 de fevereiro de 2012

Dia Mundial do Câncer tem campanha focada nas redes sociais

Dia 4 de fevereiro é o Dia Mundial do Câncer. Apesar do avanço da medicina, tanto nos diagnósticos quanto nos tratamentos, o câncer ainda causa a morte de 7,6 das 12,7 milhões de pessoas diagnosticadas anualmente.
Para 2012, a estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA) é de mais de 518 mil novos casos da doença no Brasil, sendo os principais o de próstata entre os homens (30,8%) e o de mama entre as mulheres (27,9%).  União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) calcula que até 2020 a doença será a causadora do maior número de mortes no mundo.

Para promover a conscientização da população, será realizada uma vasta campanha que abrangerá também as redes sociais. A campanha é realizada pelo INCA, com apoio da UICC, e a meta é ajudar a reduzir o número de mortes prematuras pelo câncer e outras doenças crônicas não transmissíveis em 25% até 2025.
A fim de promover a integração com o público, a campanha 2012 criou o hotsite http://www.inca.gov.br/wcm/dmdc/2012   e convocou seguidores através das hashtags (palavras-chave antecedidas pelo símbolo#) #JuntosÉpossível; #diamundialdocancer e #worldcancerday  nas redes sociais.  Para participar, os interessados devem enviar uma mensagem com ou sem foto, identificando o estado ou país de localização. As mensagens devem conter até 140 caracteres. A foto deve ter até 3 megapixels e a extensão deve ser em JPEG.

De acordo com especialistas, o aumento da expectativa de vida faz com que cresçam as chances de desenvolvimento de câncer, e por isso é preciso mais campanhas de conscientização que chamem a atenção não só da população, mas também de autoridades de saúde e do governo. Questões como boa alimentação, prática de atividade física, hábitos sexuais saudáveis, combate ao tabagismo, sedentarismo e consumo de álcool, além da realização de exames frequentes devem ser estimulados.

Estudo aponta mecanismo pelo qual o álcool estimula a progressão do câncer


Embora o consumo de bebidas alcoólicas seja associado ao câncer de mama e ao câncer de cólon, os mecanismos responsáveis por essa relação ainda não estão totalmente claros. Porém, um novo estudo da Universidade Rush, nos Estados Unidos, pode ajudar a desvendar o papel do álcool nessas doenças. Segundo os pesquisadores, um processo chamado transição epitelial-mesenquimal (TEM) – essencial para diversos processos de desenvolvimento – pode ser o mecanismo celular pelo qual as células doentes se disseminam agressivamente – processo chamado metástase – induzidas pelo álcool.

Os pesquisadores acreditam que a TEM promove o câncer ao "ligar" sinais nas células de câncer que as ajudam a deixar o tumor principal, invadir a corrente sanguínea e se espalhar pelo corpo. Além disso, a TEM poderia deixar as células doentes mais resistentes às drogas de tratamento do câncer e aumentar as taxas de mutação nas células que promovem a metástase. "A TEM é uma área ativa na pesquisa do câncer, e crescente evidência apoia um papel para a TEM durante a progressão do câncer e metástases para diversos tipos de câncer, mas, previamente, não para os cânceres associados ao álcool", explicou o pesquisador Christopher B. Forsyth.

No estudo, os cientistas coletaram amostras de quatro homens alcoólatras e quatro saudáveis, e trataram células de câncer de cólon e de mama com álcool, para avaliar as mudanças na transição epitelial-mesenquimal. Examinando os efeitos do álcool em diversos indicadores de câncer e da transição, os pesquisadores observaram que "o álcool liga os sinais celulares, assim como os biomarcadores característicos da TEM nas células de câncer", e também em células intestinais não-cancerosas – o que apontaria para um papel do álcool como estimulante do início do câncer. Segundo os autores, os resultados podem oferecer novas abordagens terapêuticas para os cânceres associados ao álcool e para a prevenção da metástase dessas doenças.

Fonte: Alcoholism: Clinical & Experimental Research.

Paraplégico atravessa França de muletas para alertar sobre lesões na medula

Apoiado em muletas, ele quer mobilizar sociedade a encontrar solução médica para esse tipo de lesão.


Paraplégico há 30 anos, Joe Kals está percorrendo a França a pé, apoiado em muletas e utilizando somente a força dos braços e do abdômen, para tentar mobilizar a sociedade a encontrar uma solução médica para lesões na medula espinhal.
No último domingo, ele atingiu a marca de mil quilômetros. No total ele irá percorrer 1,32 mil km, entre Havre, no noroeste da França, e Menton, no sul do país, próximo a Mônaco, onde reside.
Kals ficou totalmente paralisado da cintura para baixo após sofrer um acidente de moto em 1982.
Para realizar a "caminhada" pelas estradas francesas, ele usa talas que deixam suas pernas rígidas. Apoiado em muletas, ele "dá passos" balançando suas pernas para frente, como um pêndulo.
Em entrevista à BBC Brasil, ele contou ter se preparado durante cinco anos para realizar essa maratona. Graves problemas médicos e uma cirurgia em 2010 atrasaram os preparativos físicos, retomados no final daquele ano.
O francês deixou a cidade de Havre em agosto de 2011 e espera chegar a Menton entre o final de fevereiro e meados de março próximo.
Mobilização
Kals caminha em média dez quilômetros por dia durante quatro dias e depois passa um dia descansando.
"Quero sensibilizar as pessoas em relação a um problema que é mundial. Não quero provar nada a ninguém com essa caminhada. Desejo apenas que haja uma tomada de consciência e uma mobilização para encontrar uma solução para as lesões na medula espinhal", disse.
Ele diz que o fato de ser paraplégico ou tetraplégico é considerado por muitos uma fatalidade, mas ele contesta essa visão.
"Quando sofri meu acidente em 1982 e fiquei paraplégico, os médicos me diziam que a soluções para a lesão na medula estavam muitas próximas de ser obtidas. Mas 30 anos depois, continuam dizendo a mesma coisa."
"Quero criar um movimento para que as coisas avancem em relação a isso. Gostaria que no futuro, o mais próximo possível, as pessoas não tenham mais sequelas de uma lesão medular e possam viver com dignidade", diz ele, acrescentando que a paraplegia causa sofrimento físico e também moral.
Sensação de liberdade
Atualmente, Kals se encontra nos arredores da cidade de Aix-en-Provence, próxima à Marselha, no sul do país.
Ele afirma que continua "caminhando" normalmente pelas estradas, apesar do frio rigoroso que atravessa a França atualmente, com temperaturas negativas por todo o país. "Enquanto não me deparar com estradas cobertas de gelo ou neve, vou continuar caminhando."
Como qualquer "maratonista", Kals também enfrenta problemas ligados ao esforço físico. Mas como a paraplegia o impede de sentir dores abaixo da cintura, ele não sente, por exemplo, quando está com bolhas nos pés.
"Após dezenas de anos em uma cadeira rolante, as sensações são inúmeras. Cada passo que dou, não farei novamente no futuro. Então aproveito cada instante, cada paisagem, cada encontro. Estou me sentindo livre", diz Kals. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC. 

Atleta vence acidente grave e deficiência para ser

Aos 2 anos, Paulo sofreu um acidente de carro. O jovem perdeu parte da musculatura da perna esquerda. Na direita, teve uma complicação que afetou parcialmente, a movimentação do pé.



Uma história de drama pessoal chamou a atenção durante a disputa do "Homem mais forte do Brasil" em PeruíbeSite externo. no último final de semana. Estreante em competições do gênero, Paulo Vianna conquistou a categoria até 100 kg e, por tabela, concluiu uma vitória individual na recuperação de um grave acidente de carro, que mutilou parte de suas pernas e comprometeu definitivamente seus movimentos.

Aos 2 anos, Paulo sofreu um acidente de carro junto com sua mãe. O jovem teve fratura nas duas pernas e perdeu parte da musculatura da esquerda. Na direita, teve uma perfuração que atingiu um tendão, uma complicação que afetou parcialmente, mas para sempre, a movimentação do pé.

Paulo Vianna então encarou uma longa recuperação, ainda na infância, com o desafio de aprender a andar de novo. O menino de Peruíbe passou alguns meses na cama e teve que usar botas com ferros de sustentação até os 5 anos, quando enfim voltou a se locomover normalmente. Hoje, caminha mancando e lida com algumas limitações. Mas nada que segure os sonhos do atleta dentro do strongman, modalidade que expõe seus competidores a testes de força, resistência e agilidade.

"Foi bom, não esperava ganhar. Treinei bastante, tinha umas dúvidas por ser meu primeiro campeonato. Mas consegui ficar calmo, fazer as provas direitinho", disse o vencedor da categoria até 100 kg, a segunda mais importante da modalidade.

Toda essa história de superação mexe com Paulo Vianna, que se define como um cara emotivo. "Mexe comigo, foi bastante sofrido esse acidente. Minha mãe sofreu, também ficou internada. Foi bem forte o que aconteceu com a gente. A emoção bate com essas lembranças. Sempre ouvi que não podia fazer isso, não podia fazer aquilo. Mas nunca escutei, tive uma vida normal de criança, pulei muro, subi em árvore", afirma o atleta de 27 anos, servidor público em Peruíbe.

Se a superação física está praticamente concluída, Paulo Vianna ainda lida com bloqueios psicológicos em razão das consequências do acidente. O atleta tem a perna esquerda sem parte da musculatura e a canela direita fina, em razão do tendão afetado. Na disputa do sábado, o jovem adotou calças para competir na maioria das provas, ao contrário dos demais adversários. O campeão diz que costumava se constranger em exibir a parte debaixo do corpo, em exposição que ainda vem sendo trabalhada em sua cabeça.

"Quem convive comigo sabe que não tem problema. Mas as pessoas veem na rua e pensam: 'o cara treina, é forte em cima e tem canela fina, não treina as pernas'. Mas eu treino muito elas. Só não trabalhei direito esse psicológico. O Marcos [Mohai] vem me cobrando para eu mostrar mesmo [as pernas]. É uma superação", relata, em menção ao técnico e campeão da categoria absoluto (acima de 100 kg).

Na disputa de sua categoria no último sábado, Paulo Vianna venceu três das quatro provas, inclusive o levantamento de bolas de cimento sobre uma plataforma, na tarefa do strongman que mais apavora o atleta.

"É a prova em que mais tenho medo, sinto meu joelho balançar. Mas fiquei em primeiro nela. Como perdi a musculatura, meu joelho fica meio para dentro, sai do lugar. Não poderia fazer a prova da bola. Não posso ficar com a perna aberta. Mas acabei me adaptando", explica.

Além da prova das bolas de cimento, Paulo se saiu bem no arrastamento de uma carreta e no medley, com virada de um pneu gigante (450 kg) e carregamento de saco de areia. O atleta só não conseguiu concluir a prova do tonel de cerveja de 15 kg, em que precisava arremessar três deles sobre uma trave de 5 metros (só conseguiu duas vezes). 

Paulo Vianna está inserido no universo do strongman há quase dois anos, treinando na equipe de Marcos Mohai, atleta que se sagrou tetracampeão da categoria absoluto no mesmo evento de sábado passado. Com o melhor do país como orientador esportivo e pessoal, o jovem planeja migrar para a competição acima dos 100 kg já no próximo ano.

Fonte: http://esporte.uol.com.br/Foto: Alex Almeida/Uol

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

APNEN realiza doação de duas Cadeiras de Rodas.

A APNEN (www.apnen.com.br) (Associação dos Portadores de Necessidades Especiais de Nova Odessa) realizou dia 30/01/2012, a doação de duas Cadeiras de Rodas, uma cadeira de rodas, e especial para Banho para um rapaz morador no Jardim Santa Rosa, que teve um custo de R$467,50, a outra cadeira de rodas, é adaptada (feita sob medida), para uma garota de 02 anos moradora no Parque Residencial Klavin, com um custo de R$1.974,50,
(estavamos buscando arrecadar esta verba, desde fevereiro de 2011).



A APNEN, também colaborou com o Projeto "Abraço Amigo", da Comunidade Santa Josefina Bakhita, onde ajudamos com R$500,00 para a compra de uma Cadeira de Rodas Adaptada,para um jovem morador no Jardim das Palmeiras.


Estas Cadeiras de Rodas, doadas pela APNEN, bem como a colaboração para a Comunidade Bakhita, as verbas utilizadas neste projeto, são provenientes de eventos em que a entidade participa, bem como doações de pessoas, que mensalmente colaboram com a entidade.


Gostariamos de agradecer todas as pessoas envolvidas neste projeto, nossos colaboradores, nossa diretoria, em especial a Fisioterapeuta Carine da APAE, que nos auxiliou na parte técnica.


Contatos com a APNEN: Fone: 3466-3321, ou pelo endereço eletrônico, e-mail: apnen.novaodessa@gmail.com


Abraço a todos, e muito obrigado.


Carlos Raugust.

Defensora de parto em casa morre ao dar à luz sua segunda filha

Na Austrália



Divulgação
Ativista Caroline Lovell, 36, morreu no parto da segunda filha
Ativista Caroline Lovell, 36, morreu no parto da segunda filha



DE SÃO PAULO - Uma australiana famosa por militar pelo parto em casa morreu após dar à luz sua segunda filha, em Melbourne, na Austrália no último dia 23. O bebê, batizado de Zahra, passa bem.


A fotógrafa Caroline Lovell, 36, estava na companhia de parteiras e chegou a ser socorrida, mas não resistiu e morreu no hospital.


Uma investigação será aberta para apurar as causas da morte. Alguns relatos dizem que Lovell perdeu muito sangue no parto e outros falam de uma parada cardíaca.


A australiana lutava pelo direito das parteiras em seu país, pedindo verbas e reconhecimento pelo sistema público de saúde local.


A fotógrafa chegou a afirmar, durante uma audiência em 2009, que daria à luz em casa mesmo sem assistência.


Entidades defensoras do parto residencial lamentaram a morte de Lovell, mas afirmaram se tratar de uma fatalidade que não invalida o direito de ter o filho em casa.




Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/23671-defensora-de-parto-em-casa-morre-ao-dar-a-luz-sua-segunda-filha.shtml

Funcionários de hospitais desviavam remédios de câncer

Informação é da Polícia Civil e do Ministério Público; prejuízo foi de R$ 10 milhões em apenas seis meses.
Segundo a polícia, esquema era feito de dentro de presídio; 11 pessoas foram presas em flagrante ontem.

AFONSO BENITES /TALITA BEDINELLI - DE SÃO PAULO

Funcionários de três hospitais, um presidiário e mais oito pessoas são suspeitas de desviar remédios de alto custo das redes pública e particular da capital paulista.


Os medicamentos custam até R$ 8.000 e são usados no tratamento do câncer. Após serem furtados, eram revendidos para distribuidoras e farmácias de São Paulo, Praia Grande (SP), São Caetano do Sul (SP) e Belford Roxo (RJ).
O grupo foi desmontado ontem em uma operação da Polícia Civil, do Ministério Público e da Corregedoria da Administração de São Paulo.


As investigações duraram seis meses. No período, o prejuízo aos três hospitais chegou a R$ 10 milhões.


Ontem, 11 pessoas foram presas em flagrante. Nas casas de algumas delas, a polícia apreendeu R$ 34 mil em dinheiro, dezenas de caixas dos medicamentos e nove carros de luxo. Outros oito suspeitos, que não foram presos, ainda são investigados.


Conforme a apuração, o empresário Stefano Mantovani Fernandes comandava o esquema de dentro do CDP (Centro de Detenção Provisória) de Pinheiros por meio de um celular. Fernandes está preso lá desde 2009.


No ano passado, ele foi condenado a 14 anos de prisão por receptação de medicamentos furtados. Na ocasião, negou as acusações.


Ontem, a Folha não encontrou os advogados de Fernandes e dos outros 11 suspeitos.
O contato de Fernandes com o grupo era feito por meio da mulher dele e de um cunhado. Ambos foram presos em flagrante ontem.


A Promotoria afirmou que vai pedir que Fernandes seja transferido para um presídio de segurança máxima.


A quadrilha, diz a polícia, pagava R$ 1.000 pelos remédios desviados. O produto era revendido por até R$ 7.500.


Entre os presos, está a servidora pública federal Eliane de Siqueira. Ela está cedida ao hospital Brigadeiro, que é da rede estadual. Câmeras de vigilância a flagraram furtando caixas de remédios.


O Samaritano e o Instituto Brasileiro Contra o Câncer, ambos particulares, também foram vítimas. Os hospitais desconheciam o crime. A Secretaria de Estado da Saúde, responsável pelo Brigadeiro, informou que colaborou com a polícia e que lamenta o desvio de medicamentos do SUS.


Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/23760-funcionarios-de-hospitais-desviavam-remedios-de-cancer.shtml  -  Imagem Internet

Holandesa volta a falar depois de receber mandíbula artificial

DE SÃO PAULO
Uma holandesa, que sofria de uma séria infecção na mandíbula, voltou a falar depois de ter recebido com êxito um implante fabricado graças a uma nova tecnologia 3D.

O aparelho, exibido nesta quinta-feira à imprensa na Universidade Biomédica Hasselt, em Diepenbeek (Bélgica), é colocado sob a estrutura dentária e pesa pouco, cerca de 107 gramas.

Com preço estimado em aproximadamente R$ 20.500, a prótese é resultado do trabalho de um grupo de pesquisa belga-holandês.


Yorick Jansens/France Presse
A mandíbula artificial usada na recuperação da fala de uma holandesa; aparelho pesa somente 107 gramas
A mandíbula artificial usada na recuperação da fala de uma holandesa; aparelho pesa somente 107 gramas


Yorick Jansens/France Presse
A médica Ingeborg van Kroonenburgh exibe a mandíbula artificial durante entrevista à imprensa na Bélgica
A médica Ingeborg van Kroonenburgh exibe a mandíbula artificial durante entrevista à imprensa na Bélgica


Fonte:http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2012/02/02/holandesa-volta-a-falar-ao-receber-mandibula-artificial.jhtm

Projeto disciplina curatela de maiores de idade com deficiência


Leonardo Prado
Edson Pimenta
Edson Pimenta: medida é semelhante a guarda compartilhada



Tramita na Câmara o Projeto de Lei 2692/11, do deputado Edson Pimenta (PSD-BA), que disciplina a curatela compartilhada entre os pais dos filhos maiores de idade com necessidades especiais. Curatela é a nomeação de curador para zelar pelos bens e pelos interesses de quem por si só não pode fazê-lo, como órfãos e pessoas com deficiência mental.


De acordo com o projeto, ao nomear curador para pessoa maior com deficiência física grave ou mental, o juiz dará preferência à concessão da curatela compartilhada aos pais. A curatela seguirá os mesmos parâmetros legais da guarda compartilhada e permanecerá mesmo que o casal se separe, objetivando sempre o interesse do curatelado.
Caso haja guarda compartilhada anterior, a chegada da maioridade autoriza o juiz a declarar a curatela compartilhada imediatamente. O tipo de curadoria proposto poderá cessar a qualquer tempo se assim for melhor para o curatelado.
Código Civil
A proposta altera o Código Civil (Lei 10.406/02), que não faz menção à curatela compartilhada de pessoas com deficiência maiores de idade. Edson Pimenta alega que, em razão de não ser expressamente previsto em lei, o benefício acaba sendo recusado pelos juízes, e apenas um dos pais é nomeado curador.
“Dada a ordem natural das coisas, após a maioridade, os filhos com deficiência devem permanecer com os pais. Seria recomendável, pois, que a curatela fosse uma extensão da guarda compartilhada, que tem sido comprovadamente a melhor maneira de prover adequadamente as necessidades dos filhos”, afirma Edson Pimenta.
Tramitação
O projeto, que tramita em caráter conclusivo, será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Paulo Cesar Santos


A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara de Notícias'



Fonte: http://www2.camara.gov.br/agencia/noticias/DIREITO-E-JUSTICA/208015-PROJETO-DISCIPLINA-CURATELA-DE-MAIORES-DE-IDADE-COM-DEFICIENCIA.html

Justiça obriga Rafinha Bastos a recolher DVDs com piadas sobre deficientes; humorista comenta

Decisão ainda cabe recurso.


da Redação

A Justiça de São Paulo concedeu liminar que proíbe a venda do DVD "A Arte do Insulto", que contém piadas sobre pessoas com deficiência física e mental, confirmou ao UOL o advogado Paulo Ricardo Gois Teixeira, que representa a Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de São Paulo) e as pessoas com deficiência. Segundo Gois, Rafinha também está proibido de fazer esse tipo de piada em seus shows. Cabe recurso.

O advogado destaca que a ação corre em segredo de justiça, por isso não podem ser divulgadas mais informações sobre o caso. "O que posso dizer é que algumas lojas já foram notificadas a cancelar a comercialização do DVD, mas cabe ao Rafinha Bastos fazer o recolhimento do material pelas lojas do Brasil", afirmou Gois.

A Apae, que entrou com a ação cível contra o humorista no dia 9 de janeiro, ainda solicita que Rafinha se retrate publicamente pelos danos causados à imagem pública dos deficientes. O caso ainda se desenrola na justiça e pode trazer outros prejuízos a Rafinha Bastos. Se condenado, o humorista poderá pagar 100 mil reais para a Apae, 100 mil reais para fundo de defesa dos direitos difusos e 10 salários mínimos (cerca de 6 mil reais) a cada associado da Apae que se sentir ofendido pelas piadas.

O secretário municipal da pessoa com deficiência e mobilidade reduzida, Marcos Belizário, autor intelectual da ação, entrou em contato com o UOL para esclarecer detalhes do processo. "Humor tem que ter limite, não pode ser uma coisa nojenta", afirmou.


Por e-mail, Rafinha Bastos comentou a decisão, mas não disse se entrará com recurso. "Eu acho o material que lancei absolutamente reprovável. Se eu tivesse no lugar da justiça, também impediria a venda de um produto tão ofensivo. Achei a atitude rápida, afinal, criei as piadas agorinha entre 2004 e 2006. Aos 120 mil amigos que compraram o DVD, peço que queimem suas cópias".

"A propósito, já faço outro show desde o ano passado chamado 'Péssima Influência'. Quem quiser me processar, está convidado a pagar para assisti-lo", afirmou.

Fonte: UOL São Paulo-SP, 02/02/2012 - Imagem Internet

Liminar suspende portaria da BHTrans que restringe passe livre a pessoas com deficiência

Segundo TJMG, a decisão não suspende o benefício de gratuidade aos usuários, mas afirma que a companhia de trânsito não pode impôr critérios para a concessão.
ônibus adaptado para pessoas com deficiência
A Justiça suspendeu a vigência de dispositivos da Portaria nº 080/2011 da BHtransSite externo. que apresentam restrições na concessão do benefício da gratuidade no transporte público para pessoas com deficiência por considerá-los ilegais. O juiz da 3ª Vara de Fazenda Municipal de Belo HorizonteSite externo., Alyrio Ramos, entendeu que a regulamentação de passe livre através da portaria da empresa de trânsito não pode apresentar restrições que não estejam previstas na lei municipal.

Analisando a Lei Orgânica de Belo Horizonte, o magistrado observou que o legislador municipal não estabeleceu condições para a concessão do passe livre. O item consta no Artigo 181 da Lei Orgânica, que dispõe sobre as pessoas com deficiências. Segundo o inciso IV, é dever do Município garantir “sistema especial de transporte para a freqüência às escolas e clínicas especializadas, quando impossibilitado de usar o sistema de transporte comum, bem como passe livre, extensivo, quando necessário, ao acompanhante.”

Assim, o juiz suspendeu liminarmente a vigência dos artigos 14 (deficiência mental), 15 e 16 (deficiência auditiva e visual), 17 (comprovação do enquadramento nos critérios diagnósticos de concessão) e 28 (critérios socioeconômicos de concessão do benefício) da Portaria da BHTrans até decisão do mérito desta ação. 

De acordo com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a decisão não suspende o benefício de gratuidade aos usuários, mas afirma que a companhia de trânsito não pode impôr critérios para a concessão. A decisão ainda está sujeita a recurso. Segundo a assessoria de imprensa da BHTrans, a empresa só vai se pronunciar após ser notificada sobre a decisão.

Fontehttp://www.em.com.br/Site externo. - 
http://vidamaislivre.com.br/noticias/noticia.php?id=4641&/liminar_suspende_portaria_da_bhtrans_que_restringe_passe_livre_a_pessoas_com_deficiencia

Projeto de Lei propõe isenção de tarifas bancárias para pessoas com deficiência de baixa renda

Na justificativa do projeto, a capacidade financeira de um pessoa com deficiência é reduzida, na medida em que esta precisa fazer gastos extras com medicamentos, equipamentos e tratamentos.


Pessoa em cadeira de rodas. Em destaque, a mão sobre a roda
As pessoas com deficiência física, com renda mensal bruta de até cinco salários mínimos, poderão ser isentas de tarifas bancárias, conforme estabelece o Projeto de Lei do Senado (PLS) 700/2011, de autoria do senador Lindbergh FariasSite externo. (PT-RJ).

Na justificativa do projeto, Lindbergh argumenta que a capacidade financeira de um pessoa com deficiência é reduzida, na medida em que esta precisa fazer gastos extras com medicamentos, equipamentos e tratamentos. O senador lembra que muitos avanços foram conseguidos depois da edição da Lei 10.048/2000, que garante prioridade de atendimento aos deficientes. Ele acrescenta que a isenção de tarifas bancárias a esses cidadãos "vai representar um avanço no trato do tema da proteção aos deficientes".

Lindbergh ressalta o fato de que, como o número de clientes bancários com deficiência não é grande, o impacto econômico dessa medida para as instituições financeiras "é desprezível".

A matéria está em análise na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), sob relatoria do senador Wellington Dias (PT-PI). Se aprovada, segue para a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), onde vai tramitar em caráter terminativoDecisão terminativa é aquela tomada por uma comissão, com valor de uma decisão do Senado. Quando tramita terminativamente, o projeto não vai a Plenário: dependendo do tipo de matéria e do resultado da votação, ele é enviado diretamente à Câmara dos Deputados, encaminhado à sanção, promulgado ou arquivado. Ele somente será votado pelo Plenário do Senado se recurso com esse objetivo, assinado por pelo menos nove senadores, for apresentado à Mesa. Após a votação do parecer da comissão, o prazo para a interposição de recurso para a apreciação da matéria no Plenário do Senado é de cinco dias úteis. .

Fonte: http://www.cenariomt.com.br/Site externo. - 
http://vidamaislivre.com.br/noticias/noticia.php?id=4639&/projeto_de_lei_propoe_isencao_de_tarifas_bancarias_para_pessoas_com_deficiencia_de_baixa_renda

Cientistas desenvolvem técnica para 'ler' pensamentos

Método que analisa sinais elétricos produzidos no cérebro é capaz de reconstruir som das palavras pensadas por pacientes

Pesquisadores monitoraram as ondas cerebrais de 15 pacientes
Cientistas americanos criaram um método para descobrir palavras nas quais pacientes estavam pensando, com base em suas ondas cerebrais.
A técnica, descrita na revista científica PLoS Biology, se baseia nos sinais elétricos nos cérebros de pacientes que ouviam diferentes palavras. Um computador foi depois capaz de reconstruir os sons nos quais os pacientes estavam pensando.
Segundo os pesquisadores, o método poderia ser usado no futuro para ajudar pacientes em coma ou com síndrome de encarceramento a se comunicar.

Imagens e sons
Estudos recentes vêm aperfeiçoando maneiras de "ler" pensamentos.No ano passado, a equipe do cientista Jack Gallant, da Universidade da Califórnia, Berkeley, desenvolveu uma maneira de relacionar os padrões de fluxo sanguíneo no cérebro a determinadas imagens nas quais os pacientes estavam pensando.
Agora, Brian Pasley, da mesma universidade, liderou uma pesquisa aplicando princípios semelhantes aos sons.
Sua equipe se concentrou no giro temporal superior (GTS), uma região do cérebro que não só é parte do aparato auditivo, mas também nos ajuda a entender linguisticamente os sons que ouvimos.
Palavra secreta
Os pesquisadores monitoraram as ondas cerebrais de 15 pacientes selecionados para cirurgia devido a epilepsia ou tumores, enquanto diferentes alto-falantes tocavam gravações contendo palavras e frases.
Eles usaram então um programa de computador para mapear que partes do cérebro reagiam, e de que forma, quando a pessoa ouvia diferentes frequências sonoras.
Depois, os pacientes recebiam uma lista de palavras e escolhiam uma na qual deveriam pensar. Com a ajuda do programa de computador, a equipe conseguia descobrir que palavra havia sido escolhida.
Eles conseguiram até reconstruir algumas das palavras, transformando as ondas cerebrais que eles viam de volta em som, com base nas interpretações feitas pelo computador.
"Este trabalho tem uma natureza dupla: a primeira é a ciência básica de entender como o cérebro funciona. A outra, do ponto de vista protético. Pessoas que têm problemas de fala poderiam usar um aparelho protético, quando elas não conseguem falar, mas conseguem pensar no que elas querem dizer", explicou um dos autores do estudo Robert Knight.
"Os pacientes estão nos dando estas informações, então seria bom podermos dar alguma coisa em troca no fim."
Os cientistas explicam, no entanto, que a ideia de "leitura de pensamento" ainda precisa ser amplamente aperfeiçoada para que aparelhos do tipo se tornem uma realidade.