sábado, 25 de janeiro de 2014

Pastora causa indignação ao defender que amputados ou deficientes físicos sejam proibidos de pregar

Maria Luisa Piraquive, líder da Igreja de Deus Ministério de Jesus Cristo Internacional, disse entender que não é “certo” que alguém que não tenha qualquer parte do corpo dirija a Palavra à congregação.

VEJA VÍDEO: Pastora causa indignação ao defender que amputados ou deficientes físicos sejam proibidos de pregar
 Uma pastora causou indignação ao afirmar que em sua igreja, um amputado ou portador de necessidades especiais pela ausência de algum membro não pode pregar ou dirigir um culto.
 Maria Luisa Piraquive, líder da Igreja de Deus Ministério de Jesus Cristo Internacional, disse entender que não é “certo” que alguém que não tenha qualquer parte do corpo dirija a Palavra à congregação.
“Por exemplo, vamos dizer que um irmão muito dedicado e usado pelo Senhor na igreja, infelizmente sofreu um acidente e perdeu um membro de seu corpo. A partir desse ponto, ele não pode pregar. Isto, por causa da consciência. Quero dizer, as pessoas vão dizer que eles não gostam disso [deficiência] e não retornarem. Outros dirão que é por causa da estética”, afirmou a pastora Maria Piraquive.
Tentando reforçar seu argumento, a pastora ilustrou: “Algumas pessoas vêm para a igreja, sem um olho, sem um braço ou uma perna ou defeitos físicos , você não pode nomear essa pessoa como um pregador, por questão de consciência, porque isso é errado”, comentou.
Numa tentativa de reforçar seu argumento, a pastora disse que, enquanto em outros países as igrejas concordam que todas as pessoas preguem, na sua denominação isso não vai acontecer porque a igreja “é dirigida pelo Espírito Santo, e um só Deus quem governa”.
A pastora, que é mãe de um senador na Colômbia, disse ainda que há lugares que a falta de um membro se torna uma credencial para os pregadores, e que isso não agrada a Deus: “Em outros países apreciam que o pregador seja um deficiente ou desativado. Eu acho que esses países devem respeitar as nossas leis como uma igreja. Isso porque as pessoas com deficiência processam e diz que o governo não vai deixá-lo pregar. Ao fazer isso Deus os punirá e tirará da igreja”, disse.

"DERECHOS HUMANOS SON VIOLAD..." Este vídeo não está mais disponível devido à reivindicação de direitos autorais Iglesia de Dios Ministerial de Jesucristo Internacional.

Fontes: Mais Gospel - bayeuxjovem.com.br - Matéria postada em caráter informativo.

Casal cria um parque infantil em homenagem à filha que morreu

Espaço com brinquedos acessíveis a qualquer tipo de deficiência também deve ser implantado em Araraquara.



Arquivo pessoal
Rudi e Cláudia com Anna Laura; homenagem à filha é parque que integra crianças
Foi numa viagem à Israel que o casal de Araraquara Rodolfo Henrique Fischer, o Rudi, e Cláudia Petlik teve a ideia de criar o primeiro parque infantil acessível do país, o Alpapato (Anna Laura Parques Para Todos).

O nome é uma homenagem à filha, Anna Laura, de apenas 3 anos, morta em um acidente. Para amenizar a dor pela perda da filha, o casal queria realizar algum projeto que pudesse ajudar outras crianças.

“Foi a Cláudia quem viu o parque em Israel e questionou se existia algo semelhante no Brasil. Trouxemos a ideia de lá e, com a ajuda de muitos colaboradores, conseguimos realizar”, explica Rudi.

A primeira unidade do Alpapato será inaugurada amanhã, em São Paulo — dia do aniversário da cidade —, na sede da AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente), no Parque da Mooca.

A proposta do casal é ambiciosa: abrir mais quatro unidades por ano no País, uma delas em Araraquara. “A Anna Laura brincou muito com os primos aí. Com certeza vamos ter uma unidade na cidade”, afirma Rudi.

Ergonomia 
O diferencial do parque em relação a outros está na ergonomia dos brinquedos. São projetados para que deficientes - em todos os níveis — possam brincar com outras crianças.

“Não gosto da palavra ‘inclusivo’, prefiro dizer que são acessíveis”, diz. Os parques serão abertos ao público. O custo foi bancado pelo casal, que prefere não falar em valores.

Rudi, que é analista financeiro, e Cláudia, que é psicóloga, querem ainda abrir uma biblioteca e uma ONG para ajudar pais em luto. Eles também pretendem escrever um livro sobre Anna Laura e a mudança que a perda provocou em suas vidas. O casal mantém um site e um blogue em homenagem à filha.

Mas o casal não vive só de lembranças. Cláudia está grávida e tem planos para o futuro.
Entre eles, certamente, o de ver o filho que vai nascer brincar em um dos parques que criou e que homenageia Anna Laura.

Brinquedos promovem integração das crianças
Os brinquedos existentes no Alpapato são acessíveis a todas as crianças, sejam elas deficientes ou não. Nele, os balanços, por exemplo, têm cinto de segurança, assim como muitos brinquedos são sonoros, especiais para deficientes auditivos.

Todo o parque foi construído em parceria com os profissionais envolvidos, entre eles os da AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente), que cedeu terrenos para três parques. O próximo a ser entregue também fica em São Paulo. 

China promoverá educação para crianças com deficiência

Imagem internet/ilustrativa

O governo chinês prometeu que pelo menos 90% das crianças com deficiência visual, auditiva ou mental terão educação garantida em escolas primária e secundária até o fim de 2016, de acordo com um plano publicado nesta segunda-feira (20).


Segundo o plano 2014-2016 para promover a educação de alunos com necessidades especiais, o país aumentará investimentos, construirá mais infraestrutura, formará mais professores e lançará uma reforma no currículo escolar de educação especial.

"Apesar do óbvio desenvolvimento nos últimos anos, o trabalho de ensino especial do nosso país, no geral, ainda está em um nível baixo, além de existir um desequilíbrio regional", disse o Ministério da Educação em um comunicado divulgado com o plano.

Dados oficiais mostram que a educação compulsória, que inclui escolas primária e secundária, abrangia apenas 71,9% das crianças com deficiência até o final de 2012, frente a taxas de matrícula de 99,5% e 98% em escolas primárias e secundárias normais.

O plano de três anos estipula que crianças com deficiência devem frequentar a escola normal acessível mais próxima e os conhecimentos sobre o ensino especial devem ser incorporados nos exames para certificados de professores. Instituições de ensino superior não devem recusar a admissão de alunos por causa de alguma deficiência.

Fontes: Agência Xinhua - portuguese - Imagem Internet/Ilustrativa

Patologista neuromuscular explica porque Schumacher foi induzido ao coma e quais podem ser as consequências do acidente

Após bater a cabeça em uma pedra enquanto esquiava com a família, o ex-piloto de Fórmula 1, Michael Schumacher, foi hospitalizado e induzido ao coma, no dia 29 de dezembro do ano passado.

da Redação

Imagem internet/ilustrativa

Desde a sua internação, Schumacher passou por duas cirurgias devido às graves lesões sofridas no cérebro que lhe causaram um traumatismo crânio-encefálico. O piloto segue em estado de coma induzido. 


Apesar de o último boletim médico ter sido divulgado no último dia 6, muitos palpites foram dados em relação ao estado de saúde do maior campeão das pistas de Fórmula 1 dos últimos tempos. Para o médico Beny Schmidt, chefe do Laboratório de Patologia Neuromuscular da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e um dos maiores especialistas da área no mundo, a conduta da equipe médica que está cuidando de Schumacher foi perfeita. "Nesses casos, os médicos induzem o paciente ao coma para preservar o cérebro" comenta o especialista. Segundo ele, quando o cérebro entra em coma, o metabolismo dos neurônios diminui e, com isso, há uma inibição na perda das células.

O patologista Beny Schmidt explica que o traumatismo crânio-encefálico cursou com a formação de hematomas cerebrais nas regiões: frontal superior e occiptal da cabeça"Acredito que ele tenha sofrido uma lesão axonal difusa, ou seja, em decorrência da queda, os axônios, que são a parte do neurônio responsável pela transmissão de impulso elétrico do cérebro para outras partes do corpo, sofreram um infarto" explica o médico.

Beny Schmidt ressalta que prognósticos não devem ser feitos na medicina, porém ele acredita que Schumacher pode sofrer desde uma paralisia no corpo todo até dificuldades de concentração e memória, dependendo dos lugares do cérebro que foram atingidos e quais neurônios foram comprometidos.

Além disso, vale lembrar que todo e qualquer esporte deve ser praticado com cuidado e humildade, para evitar esse tipo de acidente.

Fontes: Agora Comunicação - saci -  Imagem Internet/Ilustrativa

Tetraplégicos controlam cadeira de rodas com a língua



Piercing na lingua pode controlar cadeira de rodas de tetraplégicos. Foto: © Georgia Institute of Technology
Piercing na lingua pode controlar cadeira de rodas de tetraplégicos. Foto © Georgia Institute of Technology
Um dos grandes desafios enfrentados hoje pelos profissionais que trabalham com reabilitação física é garantir o máximo de independência, qualidade de vida e inclusão social a pessoas com alguma deficiência. Algumas vezes problemas antigos encontram soluções através da inovação tecnológica; outras vezes, a solução surge de uma combinação inusitada entre inovação e arte corporal.
Recentemente, uma equipe do Instituto de Tecnologia da Geórgia desenvolveu um dispositivo que permite a pessoas com tetraplegia controlar uma cadeira de rodas motorizada utilizando um piercing de língua. Este equipamento é composto basicamente por um dispositivo magnético posicionado na língua e sensores, os quais permitem ao paciente usar a língua como um joystick em um sistema sem fios.  Esta foi uma idéia genial pois mesmo em uma lesão medular alta a motricidade da língua encontra-se preservada uma vez que é feita pelo XII par (n. hipoglosso).

piercing na língua

Para investigar melhor a utilização do piercing de língua magnético, pesquisadores do Instituto de tecnologia da Geórgia publicaram recentemente um trabalho na revista Science Translational Medicine. No qual avaliaram a velocidade e precisão da locomoção em cadeira de rodas utilizando o tal piering de língua e a compararam com o desempenho do dispositivo de sopro (Nota do blogueiro: Atualmente, a tecnologia assistiva mais popular que permite pessoas com tetraplegia controlar uma cadeira de rodas é um dispositivo no qual os usuários assopram, ou mesmo fazem sucção do ar, em um canudo acoplado a sua cadeira de rodas e que “entende” quatro direções básicas: frente, trás, direita e esquerda).
Esta pesquisa foi feita com um grupo de 11 voluntários com lesão medular em C6 ou superior e 23 indivíduos sem lesão medular. Os resultados mostraram que quando os participantes utilizaram o piercing de língua magnético, seu desempenho foi até três vezes melhor do que com o dispositivo de sopro.  Ah! Quase me esqueci: Furar a língua não é pré-requisito para utilizar o sistema. Durante a pesquisa, o sensor magnético foi fixado na língua dos voluntários que não tinham piercing utilizando uma cola especial.
Quais as implicações deste estudo?
Logo de cara, percebe-se que apesar de promissor, o dispositivo foi testado apenas dentro do ambiente controlado de um laboratório de pesquisas. Estudos maiores em condições do mundo real, onde dificuldades não previstas podem (e irão) surgir, são necessários antes que este equipamento possa ser comercializado.
Esta inovação atraiu a minha atenção porque muitas pessoas com lesões, ou mesmo doenças neurológicas mantém intacta a motricidade da língua. A meu ver, este dispositivo pode ser utilizado não só para mover a cadeira de rodas, mas também para utilizar um computador, celular, TV, acender e apagar luzes, abrir e fechar portas adaptadas, jogar Call of Duty e Halo 2.

No aniversário de 460 anos de São Paulo, acessibilidade só em missa na catedral

São Paulo completa 460 anos amanhã e por toda a Cidade haverá atividades e celebrações. Os eventos comemorativos, voltados para todas as idades, começam logo cedo. Às 8h30, haverá uma missa em ação de graças pelo aniversário da Capital, na Catedral Metropolitana, na Praça da Sé.

Vista noturna do Centro.
São Paulo - Vista noturna do centro da cidade.
São Paulo vai comemorar seus 460 anos com uma programação vasta e eventos nos quatro cantos da cidade, durante todo o fim de semana. Até a Avenida Paulista entrou na festa.


A missa, que será presidida pelo Cardeal Arcebispo dom Odilo Pedro Scherer, terá recursos de acessibilidade, como audiodescrição e linguagem de sinais, e contará com a presença do prefeito Fernando Haddad e de outras autoridades civis e políticas. No mesmo dia, a Catedral Metropolitana também festeja seus 60 anos de fundação.

No Parque do Ibirapuera, na zona sul, haverá atividades durante todo o fim de semana, das 9 às 18 horas. Os gramados ganharam um clima de praia com pufes, guarda-sóis e espreguiçadeiras. O público poderá se exercitar com alongamento, aula de pilates, capoeira e zumba, além de aula de judô com os atletas olímpicos Rafael Silva, Maria Suelen Altheman, Daniel Hernandes, Nádia Bagnatori Merli e Marcelo Garcia Contini.

À noite, no mesmo endereço, haverá apresentações da fonte multimídia do Ibirapuera, com luzes e imagens. As apresentações, gratuitas, acontecem até domingo, sempre em dois horários: às 20h30 e às 21h.

A avenida mais famosa de São Paulo também não poderia ficar de fora. Amanhã de manhã, um desfile de leões e dragões vai invadir o vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista. A apresentação será uma homenagem da 9º festa do Ano Novo Chinês ao aniversário paulistano. O desfile vai se repetir no domingo, no Parque do Ibirapuera, também às 10h.

Conhecido como Museu do Ipiranga, o Museu Paulista da USP, na zona sul, vai ganhar uma iluminação especial para celebrar a data. As luzes ficarão acesas de hoje a domingo, das 20h às 23h30. Atrações para os baixinhos também não vão faltar, já que diversas atividades para crianças estarão disponíveis no museu.

Lavagem – No Memorial da América Latina, na zona oeste, haverá a tradicional lavagem da escultura Mão, de Oscar Niemeyer. O ritual é realizado pela ala das baianas da escola de samba Camisa Verde e Branca e reproduz a costumeira cerimônia das escadarias da Igreja do Senhor do Bonfim, em Salvador.

Às 15h, os sambistas irão se reunir na Praça Cívica do Memorial, onde as baianas darão início ao ritual da purificação, cantando e aspergindo muita água de cheiro ao redor da escultura de Niemeyer.

O cortejo segue pela passarela para encerrar a festa em frente ao prédio do auditório Simón Bolívar. Lá, os sambistas farão uma homenagem em solidariedade ao Memorial pelo incêndio que praticamente destruiu o auditório no final do ano passado e, também, para lembrar que aquele lugar, que antigamente era conhecido como Largo da Banana, foi o berço do samba paulistano no começo do século 20.

Bolo – E como não existe festa de aniversário sem bolo, o comerciante Walter Taverna, do Bixiga, vai distribuir a guloseima para cinco mil pessoas em uma festa com direito a concurso de miss, homenagem às personalidades do bairro e uma vasta programação que vai durar o dia todo.

Samba – A festa começa na Rua 13 de Maio, no Bixiga, às 9h, e será encerrada às 18h com uma apresentação de dois mil componentes da escola de samba Vai-Vai.

Quem também comemora seu aniversário junto com São Paulo é o Monumento às Bandeiras, o “empurra-empurra”, do escultor Victor Brecheret. Considerado um dos mais famosos cartões-postais da Capital, ele completa 61 anos.

O monumento foi encomendado pelo governo estadual em 1921 para as comemorações do quarto centenário da cidade, em 1954. A inauguração, porém, foi antecipada para 1953, a pedido do próprio Brecheret, que já não gozava de boa saúde.

Fontes: Diário do Comércio - blogdaaudiodescricao

Menino com hidrocefalia precisa sair da favela para passar por cirurgia

O menino José Ricardo da Silva, 10, morador na Favela da Portelinha, em Piracicaba, interior de São Paulo, está impedido de realizar uma cirurgia essencial para sua sobrevivência: portador de hidrocefalia, ele precisa trocar uma válvula, instalada na cabeça, que faz a retirada da água que se acumula em sua caixa craniana. Porém, como vive numa favela, em condições muito precárias, os médicos tem receio de realizar o procedimento, pois as condições podem ser prejudiciais para sua recuperação. "Disseram que ele estaria sujeito a pegar alguma infecção, que poderia causar complicações sérias, ainda mais que ele já tem muitos problemas de saúde. Por isso, resolvi esperar", explicou seu padrasto, José Manoel das Neves 


Eduardo Schiavoni Do UOL, em Piracicaba (SP)

   

Esgoto a céu aberto, que se infiltra pelo chão da casa e se acumula em poças. No quintal, de terra batida, mesmo sob um sol escaldante, de mais de 35 graus, mais esgoto, que deixa a terra molhada. Nas subidas e descidas do morro, cachorros, gatos e galinhas dividem espaço com motos e crianças. Essas condições, nas quais vive o menino José Ricardo da Silva, 10, morador na Favela da Portelinha, em Piracicaba, interior de São Paulo, impedem que o menino realize uma cirurgia essencial para sua sobrevivência: portador de hidrocefalia, ele precisa trocar uma válvula, instalada na cabeça, que faz a retirada da água que se acumula em sua caixa craniana.


O garoto passou por uma operação para colocação da válvula logo depois de nascer. Com um ano e meio, o material apresentou problemas, e teve que ser recolocado. O desgaste natural faz com que a válvula tenha que ser trocada a cada dez anos. Depois desse período, perde eficiência e permite a acumulação dos líquidos.

O procedimento já foi autorizado pelo SUS (Sistema Único de Saúde), mas o padrasto do menor, José Manoel das Neves, 64, foi advertido que a recuperação do menor, nessas condições, poderia ser fatal.

José Ricardo não consegue andar e geralmente se arrasta pelo chão. Como não tem sensibilidade nos membros inferiores, nem controle sobre o sistema excretor, é obrigado a usar fraldas. Esperto, costuma passar os períodos livres na companhia de colegas, brincando. Quando vai à escola ou aos muitos médicos, tem que ser carregado pelo padrasto. Da favela até a rua mais próxima, são cerca de 150 torturantes metros, alguns em subida íngreme. "Não vou dizer que é fácil. Mas quem carrega sou eu. Graças a Deus, quando a mãe dele estava viva, conseguimos comprar um carrinho velho para levá-lo ao médico. Imaginar ter que carregar ele de ônibus assim?", comenta Neves.

Há 11 anos, ele se casou com a mãe de José Ricardo, Edileuza. Com ela, teve um filho, de nove anos, e assumiu como pai os dois que ela tinha de relacionamentos anteriores, José Ricardo e um outro garoto de 14 anos. A companheira morreu há oito meses. "Antes eu podia trabalhar, ganhava meu dinheirinho. Mas agora, vivo só para ele", comentou o aposentado, que informou, ainda, realizar pequenos bicos e, com isso, conseguir cerca de R$ 800 mensais.

  • Eduardo Schiavoni/UOL
    Por viver num lugar precário, com esgoto a céu aberto por exemplo, os médicos não querem operá-lo pelo risco de deixá-lo mais doente
Precariedade


A reportagem esteve no local, na manhã desta sexta-feira (24), por volta das 10h30. Mesmo arrumado e limpo, o local é precário. No quarto onde os quatro dormem, o esgoto brota do chão e faz poças. O calor dentro do espaço chega a ser insuportável. São justamente essas condições – a mistura entre esgoto, umidade e calor – que os médicos indicaram como sendo altamente prejudiciais para a recuperação do menino. "Disseram que ele estaria sujeito a pegar alguma infecção, que poderia causar complicações sérias, ainda mais que ele já tem muitos problemas de saúde. Por isso, resolvi esperar", explicou.

A líder comunitária Janaina Ferraz, que acompanhou a visita da reportagem ao local, informou que já pediu prioridade na remoção de José Neves há pelo menos três anos. "Muita coisa foi dita, pouca foi feita. Pedi prioridade para dois casos, o dele e o de uma mulher que tinha marcapasso, a dona Lia. Para ela, o sonho de uma casa digna não será possível, já que ela morreu tem quase um ano e meio", disse.

Fã do desenho do "Pica Pau" e dono de um olhar curioso, José Ricardo afirmou que gosta de ir à escola. Sua matéria preferida é matemática. "Eu sei fazer contas, gosto muito", disse o menino, que não tirou os olhos da câmera fotográfica levada pela reportagem. "Também gosto de tirar fotos", disse.

Sobre sua cirurgia, não falou muito. "Eu tenho que trocar a válvula. Mas estou me sentindo bem. Na semana passada fiquei meio tonto, mas passou", disse.

Opções

José Neves afirmou que já foi procurado por algumas pessoas que, ao saberem da situação do menino, se dispuseram a ajudar. "Ganhei dois ventiladores e uma máquina de fraldas. Agradeço muito", disse.
Ele informou ainda que houve quatro pessoas que se dispuseram a pagar o aluguel de uma casa na cidade, fora da Portelinha, durante a recuperação do menor. "Mas não tem sentido ficar três meses fora, fazer mudança, estragar ou abandonar as poucas coisas que tenho para ter que voltar e sujeitar o menino à mesma situação", comentou. "Quero sair daqui para minha casinha, mudar de uma só vez e oferecer para ele a oportunidade de ele se recuperar direito, sem ter que voltar para cá", contou.


Moradia

A família de José Neves está cadastrada no sistema da Empresa Municipal de Desenvolvimento Habitacional de Piracicaba desde 2012 e que tem prioridade para receber uma moradia habitacional no bairro Propiracicaba I, destinada a desfavelados da área onde ele mora.


Apesar disso, a Empresa firmou que o cadastro será analisado pela Caixa Econômica Federal, que fará a avaliação e escolha das famílias que vão habitar os apartamentos. A previsão de entrega dos apartamentos é no primeiro semestre de 2014.

Procurada, a assessoria de imprensa da prefeitura informou que já foi protocolado no Ministério das Cidades o projeto de urbanização da área da Portelinha com a construção de 348 apartamentos para atender às famílias restantes. O prazo para a construção dessas unidades é de pelo menos dois anos.

Já a Secretaria de Saúde afirmou que acompanha o caso de Ricardo e que a cirurgia está autorizada. Os exames preparatórios já foram feitos e, assim que a família decidir operar, o procedimento será realizado. A assessoria informou ainda que assistentes sociais da prefeitura também acompanham o caso.

  • Eduardo Schiavoni/UOL
    José Ricardo não anda, ele se locomove se arrastando, como mostra a imagem
Fonte:noticias.uol

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Direitos do Idoso

Direitos do idoso - Alimentos, saúde, moradia, segurança, lazer, transporte.
Saiba o que vale depois dos 60 anos.

Foto de idosos
1. Qual a idade em que a pessoa pode ser considerada como idosa?
60 (sessenta) anos.

2. É mais adequado se manter o idoso junto à família ou colocá-lo em um asilo?
Deve-se atentar para a prioridade de atendimento do idoso por sua própria família, em detrimento do atendimento asilar, exceto nos casos em que aquele não a possua ou que a mesma careça de condições de manutenção da sua própria sobrevivência.

3. Temos algum dever para com os idosos?
Sim, além do respeito, que é inerente a todo ser humano, temos o dever de prevenir a ameaça ou violação aos direitos do idoso.

4. Os direitos do idoso são prioritários?
Sim, os direitos do idoso devem ser assegurados pela família, pela comunidade, pela sociedade, e pelo Poder Público com absoluta prioridade (preferência).

5. De modo geral, quais os direitos do idoso?
O idoso tem direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, ao respeito, à convivência familiar e comunitária, e à dignidade (princípio da dignidade da pessoa humana – núcleo inflexível – a) integridade física e psíquica; b) liberdade e igualdade; c) mínimo existencial (patrimônio mínimo para os civilistas) – José Afonso da Silva.

6. Caso eu presencie alguém violando algum direito do idoso, o que devo fazer?
Caso aconteça, você tem o dever de comunicar o fato à autoridade competente, como por exemplo, ao Delegado de Polícia, ao Ministério Público, ao Conselho Municipal, Estadual, ou Nacional do Idoso.

7. O idoso tem o direito de receber preferencialmente a restituição do imposto de renda?
Sim, trata-se de um direito prioritário, ao qual o idoso faz jus.

8. O que compreende o direito do idoso à liberdade?
Compreende, entre outros aspectos, a faculdade de ir e vir, de estar nos espaços públicos e comunitários (salvo restrições por lei), de opinião e expressão, de crença e culto religioso, a prática de esportes e de diversões, a participação na vida familiar e comunitária, a participação na vida política, e a faculdade de buscar refúgio, auxílio e orientação (por exemplo, nos órgãos de defesa do idoso, como o Conselho Municipal do Idoso).

9. O idoso pode pedir alimentos de seus filhos?
Sim, inclusive poderá o idoso optar entre os prestadores de alimentos aquele que tiver maiores condições, como, por exemplo, se o idoso possuir 02 (dois) filhos, poderá pedir somente daquele que reúne melhores condições financeiras.

10. Há a necessidade de o idoso ingressar com uma ação para pedir alimentos?
Não, poderá haver a celebração de acordo de alimentos junto ao Promotor de Justiça ou Defensor Público, os quais têm o poder de referendá-los, servindo o mesmo como título executivo extrajudicial. Somente no caso de não haver acordo, deverá o idoso pleitear os alimentos em demanda judicial, contudo caso este não tenha condições financeiras para contratar um Advogado, poderá se dirigir a um posto de atendimento da Defensoria Pública e, no caso de inexistência deste em sua cidade, a uma Casa do Advogado, onde lhe será fornecido um profissional para atendê-lo sem qualquer custo.

11. No que consiste o direito à saúde do idoso?
O idoso tem assegurada atenção integral a sua saúde por meio do Sistema Único de Saúde – SUS, sendo-lhe garantido o acesso universal (para todos, independente de condição financeira), e igualitário (de forma idêntica para todos os idosos), inclusive com especial atenção às doenças que afetem preferencialmente os idosos.

12. Tem o idoso direito ao atendimento médico domiciliar?
Sim, e também a internação domiciliar, em âmbito urbano ou rural, quando dele necessitar e esteja impossibilitado de se locomover. Este direito abrange, outrossim, os idosos abrigados ou acolhidos por instituições públicas, filantrópicas ou sem fins lucrativos e eventualmente conveniadas com o Poder Público.

13. O idoso tem direito ao medicamento gratuito?
Sempre. É dever do Poder Público fornecer ao idoso, de forma gratuita, os medicamentos que necessita, especialmente os de uso continuado, assim como próteses[1], órteses[2] e outros recursos relativos ao seu tratamento, habilitação ou reabilitação.<

14. O idoso internado tem direito a acompanhante?
Sim, ao idoso internado ou em observação é assegurado o direito a acompanhante, devendo o órgão de saúde assegurar as condições adequadas para a permanência daquele em tempo integral, segundo o critério médico. É o profissional de saúde que concederá a autorização para o acompanhante, devendo justificá-la por escrito no caso de impossibilidade.

15. Havendo mais de um tratamento de saúde recomendável ao idoso, poderá este optar por qual irá se submeter?
Sim, o idoso que estiver no domínio de suas faculdades mentais (ou seja, que possua o pleno entendimento) poderá escolher o tratamento que lhe reputar mais favorável.

16. Caso o idoso não tenha condições de fazer a opção de tratamento, quem o fará por ele?
Neste caso, esta será feita conforme os itens a seguir: 01) por seu curador, no caso do idoso ser interditado; 02) por seus familiares, na inexistência de curador, ou quando este não puder ser contactado em tempo hábil; 03) pelo médico, no caso de iminente perigo de vida e não houver tempo suficiente para se consultar o curador ou um familiar; 04) pelo médico, quando não existir curador ou familiar conhecido, devendo, nesse caso, aquele comunicar o fato ao Ministério Público.

17. Caso o profissional da saúde (médico, enfermeiro, biomédico, etc) suspeitar ou confirmar caso de maus-tratos contra idoso, qual medida deverá se valer?
Nessa situação, o profissional da saúde deverá obrigatoriamente comunicar a Autoridade Policial (Delegado de Polícia), ou o Ministério Público, ou o Conselho Municipal do Idoso, ou o Conselho Estadual do Idoso, ou o Conselho Nacional do Idoso, sob pena de, não o fazendo, incorrer em multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 1.000,00 (mil reais) cumulada com multa civil em valor a ser definido pelo Magistrado, conforme o dano sofrido pelo idoso.

18. O idoso possui algum desconto no ingresso em atividades culturais e de lazer?
O idoso possui, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) de desconto nos ingressos para eventos artísticos, culturais, esportivos e de lazer. Dessa forma, é assegurado este desconto mínimo, podendo o evento ampliá-lo, para a entrada em cinemas, teatros, shows, partidas de futebol, clubes recreativos, etc.

19. Nos citados eventos tem o idoso acesso preferencial?
Sim, o idoso tem preferência no acesso devendo ser sua entrada facilitada com absoluta prioridade, o que se inclui que para o mesmo deve ter um portão de acesso próprio ou fila própria, com a indicação clara de sua localização, de modo a ser facilmente visualizada por aquele.

20. Para a admissão em emprego, pode existir limite máximo de idade?
Em regra não. O idoso não pode ser discriminado na admissão, no salário, ou no exercício de funções, de qualquer trabalho ou emprego, inclusive para fins de concursos públicos. Contudo, há casos em que a natureza do cargo poderá estabelecer limite de idade. Saliente-se também que, é estabelecido como primeiro critério de desempate em concurso público a idade, dando-se preferência ao mais velho.

21. Caso o idoso tenha perdido a condição de segurado da Previdência Social poderá, mesmo assim, aposentar-se por idade?
Sim, desde que a pessoa conte com, no mínimo, o tempo de contribuição correspondente ao exigido para efeito de carência na data de requerimento do benefício.

22. Tem o idoso sem condições financeiras para sua subsistência, nem de tê-la provida por sua família, direito a algum benefício?
Sim, ao idoso, a partir de 65 (sessenta e cinco) anos, nas condições citadas, tem o direito ao benefício de 01 (um) salário mínimo mensal, pela assistência social, mesmo que outro membro da família já receba este benefício, visto que este não será computado para fins de cálculo da renda familiar por pessoa, bem como o salário mínimo é considerado pelo Estado como o valor mínimo que uma pessoa pode receber para se viver com dignidade.

23. Como funcionam as entidades de abrigo aos idosos?
A entidade de longa permanência e a casa-lar são lugares destinados aos idosos quando verificada a inexistência de grupo familiar, de abandono, ou carência de recursos financeiros próprios ou da família. Aquelas são obrigadas a firmarem contrato de prestação de serviços com a pessoa idosa abrigada, e no caso de entidades filantrópicas, ou casa-lar, é facultada a cobrança de participação do idoso em seu custeio, não podendo, em todo o caso, exceder 70% (setenta por cento) de qualquer benefício previdenciário ou de assistência social percebido pelo idoso.

24. Quais os requisitos mínimos que os abrigos devem oferecer aos idosos?
Os abrigos devem manter padrões de habitação compatíveis com as necessidades dos idosos, assim como, corrimões nos corredores e banheiros, chão antiderrapante, rampas ao invés de escadas, etc. Outrossim, devem provê-los com alimentação balanceada e regular (orientada por nutricionista), higiene pessoal e higienização do local em conformidade com as normas sanitárias, acesso à saúde (mantendo na entidade enfermeiros, inclusive de plantão, e se possível médico, ou se não, providenciar o deslocamento do idoso até sua consulta ou tratamento), à educação (ministrando aulas, palestras e cursos, ou proporcionando o acesso a estes), à cultura (cinema, teatro, show, etc), ao esporte (mantendo área para a prática de exercícios, ou garantindo o seu acesso em local adequado, sempre supervisionados por educador físico), ao lazer, ao trabalho (oferecendo o acesso a programas de trabalho conforme a capacidade do idoso), à liberdade (não podendo restringir o direito de ir e vir do idoso, salvo por ordem judicial), à convivência familiar e comunitária (não restringindo o acesso de parentes e amigos ao idoso, e de sua saída para visitas), enfim, deve garantir o imprescindível à vida digna do idoso, sempre respeitando suas necessidades.

25. O idoso possui o direito ao transporte público gratuito?
Sim, ao idoso maior de 65 (sessenta e cinco) anos é assegurada a gratuidade dos transportes coletivos públicos urbanos (cidade) e semiurbanos (regiões metropolitanas), bastando que apresente qualquer documento que faça prova de sua idade (carteira de identidade, por exemplo).

26. E quanto ao transporte gratuito entre estados (interestadual)?
Também, contudo, nesse caso, a pessoa para fazer jus pode ter idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, contudo ela terá que possuir renda igual ou inferior a 02 (dois) salários mínimos, sendo reservado apenas 02 (duas) vagas gratuitas em cada veículo (ônibus), comboio ferroviário (trem), ou embarcação, para idosos. O idoso deverá solicitar, nos pontos de venda próprios da transportadora, com antecedência de, pelo menos, 03h (três horas) em relação ao horário de partida do ponto inicial da linha, o Bilhete de Viagem do Idoso, bem como comparecer, no dia da viagem, ao terminal de embarque, até 30min (trinta minutos) antes do horário designado para a saída, sob pena de perder o benefício.

27. Pode o idoso solicitar o bilhete de viagem de retorno?
Sim, desde que respeitados os procedimentos da venda de bilhete de passagem. Assim, quando começar a venda de passagens para o dia pretendido de retorno, poderá o idoso solicitar seu bilhete.]

28. Caso não haja mais vaga gratuita para idosos, há algum outro benefício?
Sim, tem o direito ao desconto mínimo de 50% (cinquenta por cento) na passagem. Nesse caso, o idoso deverá adquirir esta para viagens com distância até 500 km (quinhentos quilômetros) com, no máximo, 06h (seis horas) de antecedência, e para as com distância superior, com, no máximo, 12h (doze horas) de antecedência. Assim, pela falta de coerência entre os horários para se pedir o bilhete gratuito (03h antes) e a passagem com desconto (06h e 12h), aconselhamos que o idoso compareça no posto de atendimento sempre no horário maior (dependendo da distância de sua viagem), eis que se não houver vagas gratuitas disponíveis, ele poderá comprar a passagem com desconto.

29. Tem o idoso alguma vantagem em programas de habitação?
Nos programas de habitação públicos ou subsidiados com recursos públicos, o idoso tem preferência na aquisição da casa própria, com financiamento compatível com seus rendimentos de aposentadoria e pensão. Ademais, o programa de habitação deverá reservar 3% (três por cento) das unidades residenciais para atendimento aos idosos, bem como implementar equipamentos urbanos comunitários para estes, e garantir a acessibilidade aos mesmos, eliminando barreiras arquitetônicas e urbanísticas

*Ulysses Bueno de Oliveira Júnior é advogado em Direito Empresarial e Civil; MBA em Gestão Pública pela Universidade Federal de Uberlândia (em curso); Pós-graduado, Lato Sensu, pela Universidade Cândido Mendes (Direito Civil); e Pós-Graduado, Lato Sensu, pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Direito Processual Civil); http://www.buenodeoliveira.com.br/;
Twitter: http://twitter.com/DireitoBrasil

[1] Considera-se prótese a peça ou dispositivo artificial utilizado para substituir um membro, um órgão, ou parte dele, como, por exemplo, prótese dentária, ocular, articular, cardíaca, vascular etc. Mais recentemente, além do conceito anatômico, nota-se a tendência de considerar como prótese também os aparelhos ou dispositivos destinados a corrigir a função deficiente de um órgão, como no caso da audição – conforme Joffre M. de Rezende – bibliografia de HOUAISS, Antônio, VILLAR, Mauro de Salles – Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001.

[2] A órtese tem um significado mais restrito que a prótese, referindo-se unicamente aos aparelhos ou dispositivos ortopédicos de uso externo, destinados a alinhar, prevenir ou corrigir deformidades ou melhorar a função das partes móveis do corpo – conforme Joffre M. de Rezende – bibliografia de REY, Luís. Dicionário de termos técnicos de medicina e saúde. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan S.A., 1999. 

Fonte: http://saude.hsw.uol.com.br
Imagem: http://transparenciarondonia.com.br/category/cidades/ariquemes/

ATENÇÃO: A responsabilidade deste artigo é exclusiva de seu respectivo autor (fonte)

Câncer de pênis

Câncer de pênis é um tumor maligno pouco frequente que se desenvolve, em geral, a partir dos 40, 50 anos. 

                  


Fatores de risco

São fatores de risco:
1) fimose que impede a exposição da glande (cabeça do pênis) por causa do estreitamento do prepúcio (a pele que reveste a glande);
2) acúmulo de esmegma (secreção branca resultante da descamação celular);
3) higiene local precária;
4) falta de informação;
5) má situação socioeconômica e educacional das pessoas, em geral moradoras das regiões mais carentes.
Dados epidemiológicos revelam que a infecção pelo HPV (papilomavírus humano, principalmente pelos tipos 16 e 18), pode estar entre as causas do câncer de pênis.
Segundo pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Urologia, embora grande número de casos tratados de câncer de pênis esteja concentrado em São Paulo, a maioria dos pacientes veio dos estados do Norte e Nordeste.

Sintomas
O sintoma mais comum é o aparecimento de uma ferida avermelhada, que não cicatriza, ou de um pequeno nódulo, na glande, no prepúcio ou no corpo do pênis. Inicialmente, essas lesões podem não doer, o que retarda o diagnóstico.

Outros sintomas são manchas esbranquiçadas ou perda de pigmentação na glande, presença de esmegma com cheiro forte e de gânglios inguinais inchados na virilha.

Placas vermelho-vivo, bem delimitadas são típicas da eritroplasia de Queyrat e podem ser consideradas lesões pré-malignas que evoluirão para câncer de pênis, se não forem devidamente diagnosticadas e tratadas.

Diagnóstico
O exame clínico e o resultado da biópsia são elementos fundamentais para o diagnóstico de um tumor maligno no pênis.  Quanto mais precocemente ele for feito, melhor será a resposta ao tratamento. O problema é que, por falta de informação ou constrangimento, muitos homens demoram para procurar atendimento médico, quando notam alguma alteração no pênis e deixam de tratar uma doença que pode ter cura.

 Prevenção
A prevenção do câncer de pênis está diretamente associada a três princípios básicos:
1) higiene diária com água e sabão, especialmente na hora do banho e depois das relações sexuais;
2) cirurgia de fimose, quando a pele do prepúcio inviabiliza a exposição da glande e a higiene adequada da região;
3) uso de preservativos nas relações sexuais.

Tratamento
O esquema de tratamento do câncer de pênis é diretamente determinado pela gravidade e extensão da doença. Nas lesões iniciais, o tumor e uma pequena parte dos tecidos ao redor podem ser removidos cirurgicamente ou por ressecção a laser. A preocupação é sempre preservar a maior quantidade possível do tecido peniano, de forma a manter as funções sexuais e urinárias.
A remoção completa do pênis e dos gânglios inguinais só é indicada nas fases mais avançadas da doença.

Recomendações
* Ensine as crianças, desde pequenas, a maneira adequada de fazer a higiene intima todos os dias;
* Saiba que a cirurgia de fimose, ou circuncisão, para remover a pele do prepúcio que impede a exposição da glande e dificulta a higiene do local é simples e não requer internação hospitalar. Homens circuncidados estão mais protegidos contra o câncer de pênis;
* Não se descuide. O autoexame do pênis e das áreas ao redor é um passo importante para localizar lesões iniciais, fazer os diagnóstico e introduzir o tratamento;
* Use camisinha nas relações sexuais;
* Não adie a visita ao médico se notar qualquer alteração no pênis.

FONTES: http://drauziovarella.com.br-http://josemariodantas.blogspot.com.br


Procon de Alagoas lança vídeo para garantir acessibilidade em provadores

                               

Provadores acessíveis podem influenciar na decisão da compra de um consumidor com deficiência.

Respeitar os direitos do consumidor. É baseado nesta premissa que o Procon/AL- órgão vinculado a Secretaria do Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos- lança um vídeo para conscientizar as pessoas a exigirem provadores adaptados em lojas.

A exigência é pautada na Lei Estadual 7.388/2012 que garante que os estabelecimentos comerciais devam se adequar a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e propiciar aos consumidores com mobilidade reduzida ou necessidade especial provadores adaptáveis.

De acordo com o superintendente do Procon/AL, Rodrigo Cunha, a acessibilidade é um direito que o consumidor tem de exercer a cidadania. “O cliente não pode ter nenhum tipo de constrangimento por causa das suas limitações. O Procon/AL já fez uma fiscalização educativa e as empresas que não fizeram os ajustes necessários serão autuadas pelo órgão”, ressalta Cunha.

Fontes: Tribuna Hoje e Blog Turismo Adaptado - fernandazago.com.br

Anac obriga companhias aéreas a obedecer regras de acessibilidade

Idosos, grávidas, pessoas com deficiência, com mobilidade reduzida ou com bebê de colo têm direito a atendimento especial.


Uma resolução da Agência Nacional de Aviação Civil obriga aeroportos e companhias aéreas a obedecer a algumas regras pra melhorar o serviço aos passageiros que precisam de atendimento especial. Veja todas as regras.

Percorrer o saguão, ir à sala de embarque, chegar ao avião. Para os passageiros com necessidade de assistência especial isso vai ficar mais fácil.
Click AQUI e veja o vídeo
“Quando a gente está com criança, carrinho e várias malas é um transtorno. Às vezes não tem a rampa, ainda tem que pegar um ônibus, não tem como subir no ônibus carregando as bolsas de mão”, conta a psicóloga Patrícia Laguardia.
Idosos, grávidas, pessoas com deficiência, com mobilidade reduzida ou com bebê de colo têm direito a atendimento especial. O embarque e o desembarque só podem ser feitos por pontes de acesso acopladas à aeronave, ou por um elevador. As companhias aéreas e administradores dos aeroportos precisam ainda ter profissionais treinados para atender este público. 
Seu Crisolon Terto Vilasboas e outros amigos cegos foram barrados em um voo em 2013. “Voltando de um torneio de xadrez nós fomos barrados já na sala de embarque, sob a alegação de que mais de um deficiente visual na aeronave trazia risco ao voo. Embarcamos, cada um, em voos separados no outro dia”, conta o analista de sistemas.
A resolução também determina que as companhias aéreas não podem limitar nos voos o número de assentos para pessoas com alguma necessidade especial. Quando o passageiro não puder viajar sozinho, a empresa deve disponibilizar um acompanhante ou cobrar até 20% do valor do bilhete para que o passageiro leve alguém.
“Ele tem que se declarar pessoa com deficiência na compra do bilhete. Ele tem que dizer se precisa ou não de um acompanhante. Ele tem prazos para fazer isso, inclusive a companhia aérea tem prazo pra aceitar ou não esse acompanhante”, explica Ana Lúcia de Oliveira, Com. Defesa Dir. da Pessoa com Deficiência.
Carlos Alberto Ribeiro Pena tem problemas de locomoção. Ele passou todas as informações para a companhia aérea e, na chegada ao Aeroporto de Confins, desembarcou sem problemas. “Eu tinha requisitado uma cadeira de rodas, eles me puseram na cadeira e trouxeram até aqui. Isso facilita muito para a gente viajar”, diz.

Jovens, idosos e pessoas com deficiência conquistam novos direitos

Da Redação

                     
       Lei obriga instituições do Estado a ouvirem os jovens na definição de políticas públicas

Oriundas de projetos aprovados pelo Senado no ano passado, leis sancionadas pela presidente da República em 2013 tiveram como foco os jovens, os idosos e pessoas com deficiência. O Estatuto da Juventude (Lei 12.852/2013) foi aprovado em abril pelos senadores, sancionado por Dilma Rousseff em agosto, e entrará em vigor no dia 1º de fevereiro deste ano.

O texto é uma declaração de direitos da população jovem, que hoje alcança cerca de 51 milhões de pessoas com idade de 15 a 29 anos, o maior número de habitantes já registrado nessa faixa etária em toda a história do Brasil. O estatuto determina os parâmetros e critérios para fazer valer os direitos da juventude em áreas como educação, trabalho, saúde e cultura.

A nova lei prevê garantias à participação social, ao território, à livre orientação sexual e à sustentabilidade. Também define os princípios e diretrizes para o fortalecimento e a organização das políticas de juventude, em âmbito federal, estadual e municipal.

A partir de agora, será obrigatória a criação de espaços para ouvir a juventude, estimulando sua participação nos processos decisórios, com a implantação dos conselhos estaduais e municipais de juventude.

Idosos
Entrou em vigor no último mês de 2013 a Lei 12.896/2013, decorrente de projeto aprovado pelo Senado em novembro do ano passado. A norma veda a exigência de comparecimento do idoso enfermo aos órgãos públicos, assegurando-lhe o atendimento domiciliar para obtenção de laudo de saúde.

A nova lei modificou o Estatuto do Idoso (Lei 10.741/2003) para estabelecer que, se a presença do idoso doente for de interesse do poder público, a autoridade deverá providenciar o atendimento via visita domiciliar. Quando se tratar de uma questão de interesse pessoal, o idoso poderá indicar procurador legalmente constituído para representá-lo e resolver o assunto.

A norma assegura ainda a expedição de laudo de saúde em atendimento domiciliar pela perícia médica do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ou por serviços público e privado de saúde.

Pessoas com deficiência
No início de dezembro, foi assinada a regulamentação da Lei Complementar 142/2013, que reduz os limites de tempo de contribuição e de idade para a concessão de aposentadoria a pessoas com deficiência. Discutido no Senado em abril de 2012, o projeto que resultou na lei (PLC 40/2012) foi aprovado em votação final na Câmara em 2013 e desde maio aguardava a regulamentação pela Presidência da República.

Pela nova lei, o homem poderá se aposentar com 25 de contribuição e a mulher com 20, no caso de deficiência grave; o homem com 29 anos de contribuição e a mulher com 24, no caso de deficiência moderada; e no caso de deficiência leve, o homem com 33 anos de contribuição e a mulher com 28.Se a aposentadoria for por idade, o homem pode requerê-la aos 60 anos e a mulher aos 55, desde que tenham cumprido tempo mínimo de contribuição de 15 anos e comprovem a existência da deficiência durante o mesmo período. O decreto assinado nesta terça-feira define quais deficiências se enquadram nas categorias de grave, moderada e leve para os fins da nova lei.

Meia-entrada
Também entrou em vigor em dezembro do ano passado a Lei 12.933/2013, que trata do benefício da meia-entrada em espetáculos artístico-culturais e esportivos.

Pela lei, o direito à meia-entrada, já previsto para estudantes e idosos, foi ampliado para atender pessoas com deficiência e jovens de 15 a 29 anos, mesmo não estudantes, que comprovarem renda familiar mensal de até dois salários mínimos.

O benefício da meia-entrada para pessoas com deficiência é estendido inclusive para o acompanhante, quando necessário. No caso de jovens carentes, o desconto fica condicionado à inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).

Pelas novas regras, os responsáveis pelos eventos ficam obrigados a reservar 40% do total de ingressos de salas de cinema, cineclubes, teatros, espetáculos musicais e circenses e eventos educativos, esportivos, de lazer e de entretenimento para os beneficiários da lei. Para garantir que a reserva de lugares seja cumprida, a lei faculta a qualquer pessoa interessada acesso às informações sobre bilheteria.

Além de serem obrigados a deixar visíveis as informações sobre ingressos disponíveis e os avisos quando a cota de meia-entrada estiver esgotada, os donos de estabelecimentos terão que colocar o relatório da venda de ingressos de cada evento à disposição de entidades como a Associação Nacional de Pós-Graduandos, a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes).

Essas organizações, que emitem a Carteira de Identificação Estudantil, e as entidades estudantis estaduais e municipais filiadas terão de manter banco de dados com o nome e o número de registro de todos os estudantes portadores da CIE, que sempre terá validade da data de expedição até o dia 31 de março do ano seguinte.


Em todas as bilheterias e portarias de eventos será obrigatória a divulgação do direito à meia-entrada para o público específico, além dos telefones dos órgãos de fiscalização. A medida não vale para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016, eventos internacionais cuja organização compete aos comitês gestores.